quarta-feira, 24 de abril de 2019

Alimentos que Podem Auxiliar na Manutenção da Perda de Peso


A crescente prevalência da obesidade tornou-se grave problema de saúde pública em todo o mundo. As pesquisas apontam que, tanto o número de indivíduos com excesso de peso (índice de massa corporal ≥ 25 kg/m2), quanto o número de indivíduos com obesidade (índice de massa corporal ≥ 30 kg/m2), cresceram em proporção alarmante nos últimos anos. No artigo de hoje, vamos entender a sua origem e conhecer alguns alimentos que podem auxiliar na manutenção da perda de peso.

A origem da obesidade é complexa e multifatorial, visto que resulta da interação ambiental, estilo de vida, fatores emocionais e genéticos, alta ingestão calórica, redução da prática de atividades físicas e idade. O sobrepeso e a obesidade predispõem o indivíduo a doenças e outros problemas de saúde, tais como hipertensão, dislipidemia, diabetes mellitus tipo 2, doenças coronarianas, acidente vascular cerebral, disfunção da vesícula biliar, osteoartrite, apnéia do sono, problemas respiratórios e alguns tipos de câncer.

Desta forma, desde que a obesidade vem sendo tratada como doença e, mais recentemente, como epidemia, diversas alternativas vêm sendo estudadas a fim de auxiliar na manutenção da perda de peso. 

Estudos publicados na revista Nature mostraram que o desnível das bactérias presentes em nossa flora intestinal pode ocasionar processos inflamatórios, que são estágios precedentes a obesidade. O desequilíbrio dos microrganismos presentes no trato gastrointestinal causa a inibição de proteínas responsáveis pela proteção das paredes intestinais, permitindo que as bactérias que habitam essa região atravessem a parede intestinal, caiam na corrente sanguínea e estimulem a produção de substâncias inflamatórias que inibem a assimilação da insulina pelo organismo. Isso gera um bloqueio desse hormônio responsável pelo transporte da glicose para as células, principalmente localizadas na região abdominal, diminuindo o metabolismo da área e contribuindo para o aumento de peso corporal e acúmulo de gordura. Sendo assim, se a ingestão alimentar entre dois indivíduos for idêntica e sua microbiota intestinal diferir entre si, a absorção dos nutrientes será facilitada naquele indivíduo cuja microbiota intestinal for mais eficaz na extração energética.

Alguns alimentos, como os probióticos, podem ajudar na regulação dos microrganismos presentes no nosso trato gastrointestinal. Os probióticos são microrganismos vivos que proporcionam benefícios à saúde do consumidor, contribuindo para o equilíbrio da microbiota intestinal. Essas bactérias benéficas são encontradas em produtos lácteos, como leites fermentados e iogurtes. 



Outros alimentos que ajudam na perda de peso são o feijão e a soja, sendo o primeiro mais consumido que o segundo pela população brasileira. Eles são ricos em nutrientes, já que contêm proteínas vegetais, carboidratos complexos, fibras dietéticas, fitoquímicos e minerais. Em contrapartida, contêm baixo teor de gordura saturada e sódio, além de não conterem colesterol. A ingestão de fibras é essencial em dietas de emagrecimento, pois amenizam o ganho de peso corporal, contribuem para a manutenção do nível glicêmico e para a melhora da sensibilidade à insulina, fatores relevantes na prevenção e tratamento de diabetes e obesidade. 



Além das fibras, o feijão e a soja também são fontes de proteínas, que parecem exercer maior efeito sobre a saciedade do que os carboidratos e gorduras. No entanto, o consumo excessivo de proteína deve ser evitado, pois pode desencadear doenças renais, especialmente em indivíduos obesos, já propensos ao desenvolvimento do problema.

Outra opção é o chá verde, conhecido por conter catequinas, que apresentam propriedades antioxidantes, anticâncer e antiobesidade. Um estudo publicado na revista British Journal of Nutrition demonstrou que a adição de inulina, prebiótico que beneficia o metabolismo lipídico, ao chá verde é benéfica para o controle de peso, com redução de peso corporal total e de massa gorda, em indivíduos com sobrepeso. Esses efeitos benéficos podem justificar a sua utilização como estratégia para o controle do peso corporal em populações com sobrepeso, a fim de evitar o surgimento de doenças cardiovasculares e metabólicas.

Assim, o consumo de tais alimentos parece ser favorável na promoção da saúde, redução de peso e prevenção da obesidade, desde que associados a bons hábitos alimentares e exercícios físicos regulares. É importante enfatizar que estes alimentos devem ser consumidos com moderação dentro de uma dieta balanceada e que sua preparação não deve conter alimentos ricos em gordura saturada, que aumentam o valor calórico e predispõem às doenças cardiovasculares.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Russo, JFS. Obesidade: conheça os alimentos que podem auxiliar na manutenção da perda de peso. Grupo de Estudos em Alimentos Funcionais – GEAF, ESALQ/USP. Disponível em: www.alimentosfuncionais.blogspot.com.br Acessado em: 23/04/2019.

Turnbaugh PJ, Ley RE, Mahowald MA, Magrini V, Mardis ER, Gordon JI. An obesity-associated gut microbiome with increased capacity for energy harvest. Nature. 2006;444(7122):1027-31.

Yang HY, Yang SC, Chao JC, Chen JR. Beneficial effects of catechin-rich green tea and inulin on the body composition of overweight adults. Br J Nutr. 2011 Oct 28:1-6.

segunda-feira, 22 de abril de 2019

Autismo


O espectro autista costuma apresentar-se antes dos 3 anos, pelo comprometimento da comunicação e da interação social e por padrões restritos e repetitivos de comportamento. A criança costuma apresentar desintegração sensorial, que pode se manifestar na alimentação. Nos últimos anos, a incidência do espectro autista tem crescido notavelmente, e a tese é de que seja uma doença genética, agravada ou desencadeada por fatores ambientais, como intoxicações, vacinas, alimentos alergênicos, alterações da microbiota intestinal e da imunidade. Crianças autistas apresentam alteração na permeabilidade intestinal, com translocação de alérgenos alimentares (glúten e caseína), gerando reações inflamatórias e imunológicas sistêmicas. Glúten e caseína, mal digeridos, parecem formar opioides que afetam os lobos temporais e causam dificuldades na fala e na integração da audição, redução de células nervosas e inibição de neurotransmissores.

Intestino de crianças com espectro autista

Nos últimos 30 anos tem se avaliado disfunção gastrointestinal e hipersensibilidade a determinados alimentos em crianças com espectro autista, onde se percebe que a permeabilidade intestinal alterada em 42,8% das 21 crianças autistas analisadas, entre 4 e 16 anos de idade.

Horvarth et al.10 realizaram biópsia em 36 crianças autistas com queixas gastrointestinais e encontraram refluxo gastroesofágico em 69,4%, gastrite crônica em 41,7%, duodenite crônica em 66,7% e baixa atividade de enzimas digestivas em 58,3%. Wakefield estudou 50 crianças autistas com queixas gastrointestinais e encontrou hiperplasia de linfonodos no íleo de 93% e cólon de 30% das crianças, bem como colite em 88% delas.

Horvarth e Perman descreveram alterações patológicas na permeabilidade intestinal, aumento da resposta secretória à injeção intravenosa de secretina, alteração na acidez gástrica e diminuição da atividade enzimática digestiva em crianças com espectro autista.
Parracho et al. identificaram diferenças na microbiota intestinal de crianças com e sem autismo, prevalecendo a enterobactéria patogênica Clostridium hystolyticum no primeiro grupo.

O desequilíbrio na microbiota intestinal, em que micro-organismos de baixa virulência tornam-se patogênicos e criam condições de maior permeabilidade, denomina-se disbiose. Os sintomas são: distensão abdominal, eructação e flatulência; constipação ou diarreia; presença de restos alimentares mal digeridos nas fezes, língua branca e mau hálito.

Fatores dietéticos que propiciam a disbiose incluem carência de fibras e zinco; excesso de carboidratos simples, proteínas e lipídios; mastigação insuficiente e presença de líquidos junto às refeições. Tais fatores prejudicam a nutrição das bactérias intestinais e dos enterócitos; favorecem o crescimento de leveduras e bactérias patogênicas; inibem a atividade fagocitária; promovem redução de sucos digestivos e enzimas pancreáticas.

Com a disbiose, surge a perda da permeabilidade seletiva, com translocação de produtos bacterianos, alérgenos alimentares e metais tóxicos, gerando reações inflamatórias e imunológicas sistêmicas, além da absorção reduzida de minerais e vitaminas.

Ações dos peptídeos derivados de caseína e glúten no cérebro

Devido à alteração na permeabilidade intestinal, a digestão ineficiente das proteínas do leite e do trigo gera peptídeos de cadeia curta, estruturalmente semelhantes à opioides, capazes de adentrar o sangue e a barreira hematoencefálica trazendo repercussões negativas.

No cérebro, os opioides gerados pela caseína (caseomorfinas) e pelo glúten (gluteomorfinas) promovem ações semelhantes às que ocorrem em usuários de morfina, afetando os lobos temporais e causando dificuldades na fala e na integração da audição, redução das células nervosas do sistema nervoso central e inibição de alguns neurotransmissores. Bloqueiam receptores dopaminérgicos, causando derramamento de dopamina no líquido cefalorraquidiano ou na urina. Afetam a percepção, a emoção, o humor e o comportamento do autista.

Nutrição Funcional para criança com espectro autista

As observações do nutricionista se fazem necessárias com objetivo de prevenir possíveis deficiências de vitaminas e minerais que possam ser iniciadas com a retirada dos componentes alimentares glúten e caseína, assim como o aparecimento da síndrome de abstinência, ocasionada pelo bloqueio e interferência da ação opioide dos peptídeos no sistema nervoso central. 

A presença de anormalidades bioquímicas e o comprometimento cognitivo e sensorial no autista podem resultar em deficiências nutricionais.

As intervenções nutricionais primárias sobre a criança com espectro autista requerem a abordagem da disbiose, por meio do Programa de Restauração Gastrointestinal 5 R´s descrito por Paschoal, Naves e Fonseca e por Dean e Swift: 

1. Remover: Reduzir a colonização intestinal por bactérias patogênicas, fungos e parasitas; reduzir xenobióticos; remover alimentos alergênicos para a criança. A ACELBRA-RJ34 preconiza a restrição dos alérgenos leite e glúten em três fases: 

- Fase 1 (1º mês): Começar a introduzir alimentos isentos de caseína e de glúten ao cotidiano da criança com espectro autista, considerando essa fase como um período de transição dietética. 

- Fase 2 (2º mês): Eliminar toda a caseína da dieta da criança. 

- Fase 3 (3º mês em diante): Eliminar todo o glúten da dieta da criança.



O rol de alimentos que contêm caseína inclui o leite de vaca, queijos, margarinas, iogurte, sorvete, creme de leite com soro, leite acidificado, leite condensado de cabra e leite maltado. Alguns alimentos enlatados podem ser conservados com caseinatos.

O glúten está em alimentos que contêm trigo, aveia, centeio, cevada, malte; como: triguilho, farinha de rosca, gérmen e farelo de trigo, sêmola, semolina, massas, alguns vinagres, dextrina, goma vegetal, molho de soja, temperos e caldos prontos. 

A adesão à dieta ecológica, priorizando alimentos livres de agrotóxicos, pesticidas e aditivos melhora a microbiota intestinal. Para eliminar patógenos, é importante adicionar ao consumo regular sementes de abóbora ou de frutas cítricas, óleo de coco, alho, cebola, orégano, cúrcuma, tomilho e ervas antiparasitárias, antifúngicas e antibacterianas. 

Para maximizar a frequência evacuatória, diminuindo o contato de toxinas produzidas por patógenos na mucosa intestinal, deve-se oferecer uma ótima hidratação e um adequado consumo de fibras, em especial as solúveis, que auxiliam no crescimento da microbiota. Semente de linhaça e biomassa de banana verde são boas fontes. 

Cabe ressaltar que o açúcar favorece a disbiose e nas crianças autistas com sintomas desse desequilíbrio, recomenda-se a retirada gradual, por 3 semanas, para evitar o desaparecimento total dos sintomas e, em seguida, reintroduzir o açúcar (demerara, mascavo) por 5 dias, verificando os sintomas apresentados. Se a criança apresentar reação adversa a essa reintrodução, será necessária a restrição por tempo prolongado, substituindo-o por edulcorantes naturais à base de esteviosídio.

Crianças com espectro autista podem mostrar sensibilidade a aditivos, corantes, conservantes e salicilatos. Diversas dessas substâncias podem desencadear sintomas autísticos, dificuldades cognitivas, distúrbios do sono e agressividade; como corantes tartrazina e vermelho carmoisine e conservantes a base de benzoato. Já os salicilatos estão na maçã, cereja, uva, café, cravo e páprica. Recomenda-se que esses alimentos sejam retirados de uma vez e depois, reintroduzidos e testados um a um para determinar reações adversas específicas. 

2. Recolocar: Reequilibrar as concentrações do ácido clorídrico do estômago e das enzimas digestivas essenciais, por meio da inclusão de chás digestivos (180ml após as refeições) contendo alecrim, sálvia, cidreira, canela, erva-doce ou hortelã; abacaxi, mamão e limão, que melhoram a digestão das proteínas; ou a suplementação de cloridrato de betaína, proteases, lipases e sacaridases. É preciso ainda evitar volumes de líquidos junto às refeições, pois atrapalham o processo digestivo pela diluição do suco gástrico.

3. Reinocular: Probióticos são micro-organismos vivos que conferem alívio a sintomas intestinais e melhoram a imunidade. Crianças com constipação intestinal podem ter modificações na microbiota do intestino grosso, como declínio de bactérias probióticas e aumento de patógenos. Cepas variadas de lactobacilos ou o Kefir são fontes de probióticos, que podem reduzir toxinas, principalmente em crianças que usam antibióticos ou têm colite. Prebióticos nutrem exclusivamente as bactérias probióticas do trato gastrintestinal, antagonizando o desenvolvimento de patógenos. As doses eficazes variam de 4 a 20g/dia. Estão nas brássicas (brócolis, couve, couve-flor, repolho, rúcula, chicória), batata yacón e biomassa de banana verde.

4. Reparar: Ênfase a elementos dietéticos não irritativos, ricos em nutrientes de crescimento e reparadores da mucosa intestinal, com isenção de frituras, café, chá preto e alimentos industrializados. Para reparo da mucosa, antioxidantes e anti-inflamatórios, como zinco, ferro, glutamina, ácido fólico, vitaminas E, A, B12 e C são essenciais. Gorduras monoinsaturadas e ômega 3 melhoram a fluidez das membranas dos enterócitos. A glutamina otimiza a integridade física e imunológica da mucosa gastrointestinal.
A modulação nutricional do sistema imune intervém sobre a funcionalidade da barreira de mucosas, defesa celular e inflamação local ou sistêmica. Os ácidos graxos ômega 3 são exemplos de nutrientes que participam dessas ações. Outros nutrientes com papel essencial na função imune compreendem o zinco, cobre, magnésio, cálcio, ácido fólico e outras vitaminas do complexo B, vitaminas A, E, C, e em especial, a vitamina D.

5. Aliviar: visa a reduzir o desconforto agudo por meio de fitoterápicos com ações antiespasmódicas, como lavanda, hortelã pimenta, camomila e ginseng.

Sabe-se que muito embora não faltem comprovações do quanto à mudança de hábitos alimentares é fundamental para melhor qualidade de vida da criança com espectro autista, não é nada fácil para os pais, no convívio social, uma vez que a maioria dos adultos e crianças estão muito expostos  aos principais alérgenos alimentares.

Mas cabe aos pais primeiros se informarem a respeito, se conscientizarem e eles próprios aceitarem e aderirem às mudanças dos "Novos Hábitos Alimentares", escolherem lugares onde há possibilidade dos seus filhos comerem alimentos adequados e até aprenderem receitas isentas de substâncias alergênicas.

Texto elaborado por: Dra. Roseli Lomele Rossi - CRN 2084 

Nutricionista formada pelas Faculdades Integradas São Camilo (CRN 2084 /1983), com título de Especialista em Nutrição Clínica concedido pela ASBRAN - Associação Brasileira de Nutrição. 

Pós Graduada nos cursos de especialização de Planejamento, Organização e Administração de Serviços de Alimentação; Fitoterapia Aplicada à Nutrição Funcional e Nutrição Ortomolecular com Extensão em Nutrigenômica. 

É Diretora da Clínica Equilíbrio Nutricional e autora dos Livros: "Saúde & Sabor com Equilíbrio" - Receitas Infantis, “Saúde & Sabor com Equilíbrio” – Receitas Diet e Light Volumes I e II, Colaboradora do livro Nutrição Esportiva – Aspectos relacionados à suplementação nutricional e autora do Livro “As Melhores Receitas Light da Clínica Personal Diet”.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas
CENTRO DE TRATAMENTO PFEIFFER. Autism Spectrum Disorders: Pervasive Developmental Disorders. Bethesda: National Institute of Health, 2007.
D’EUFEMIA, P. et al. Abnormal intestinal permeability in children with autism. Acta Paediatrica; 85 (1): 1076-1079, 1996.
GELLER, M.; SCHEINBERG, M. Diagnóstico e tratamento das doenças imu­nológicas: para clínicos, pediatras e residentes. Rio de Janeiro: Elsevier, 2005.
ENSTROM, A. et al. Detection of IL-17 and IL-23 in Plasma Samples of Chi­dren with Autism. American Journal of Biochemistry and Biotechnology; 4 (2): 114-120, 2008.
GOODWIN, M.S. et al. Malabsorption and cerebral dysfunction: a multivariate and comparative study of autistic children. Journal of Autism and Child Schizo­phrenia; 1 (1): 48-62, 1971.
HORVATH, K. et al. Gastrointestinal abnormalities in children with autistic
PASCHOAL, V.; NAVES, A.; FONSECA, A.B.B.L. Nutrição Clínica Funcional: dos princípios à prática clínica. São Paulo: Valéria Paschoal Editora Ltda., 2010.
JAMES, S.J. et al. Metabolic biomarkers of increased oxidative stress and impaired methylation capacity in children with autism. American Journal of Clinical Nutrition; 80(1):1611-1617, 2004.
Language delay or impairment. Journal of Autism Developmental Disorders; 38 (4): 616-625, 2007.
WILLIAMS, C.; WRIGHT, B. Alimentação. In: ____. Convivendo com autismo e síndrome de Asperger: Estratégias práticas para pais e profissionais. São Paulo: M. Books do Brasil Editora Ltda., 2008.
MARCELINO, C. Autismo: Esperança pela Nutrição – História de vida, lutas, conquistas e muitos ensinamentos. São Paulo: M. Books, 2010.
MARTINEZ-CEBALLOS, E.; GUDAS, L.J. HOXA-1: Hoxa-1 is required for the reti­noic acid induces differentiation of embryonic system cells into neuron. Journal of Neuroscience Research; 86 (13): 2809-2819, 2008.
MELLO-DA-SILVA, C.A.; FRUCHTENGARTEN, L. Riscos químicos ambientais à saúde da criança. Jornal de Pediatria; 81 (5): 5205-5211, 2005.
MUHLE, R.; TRENTACOSTE, B.A.; RAPIN, I. The genetics of autism. American Academy of Pediatrics; 113 (1): 472-486, 2004.
SAVIOLI, G.; CALEFFI, R. Escolhas e impactos: gastronomia funcional. São Paulo: Edições Loyola, 2012.
SHAW, W. Tratamentos biológicos do autismo e TDAH: As últimas pesquisas sobre as causas e terapias médicas. São Paulo: Autismo Infantil, 2009.
YORBIK, O. et al. Zinc status in autistic children. The Journal of Trace Ele­ments in Experimental Medicine; 17(1):101-107, 2004.