terça-feira, 26 de maio de 2020

Como Cultivar um Relacionamento Saudável com seu Corpo?


Precisamos falar sobre o peso saudável, mas também precisamos lembrar que essa deve ser a consequência de um projeto de qualidade de vida e não uma finalidade restrita a um número na balança ou a uma forma inatingível. A preocupação obsessiva com uma silhueta específica foge do ideal saudável, que passa por uma alimentação equilibrada e uma vida fisicamente ativa, que proporcionam mais saúde e bem-estar.

O corpo perfeito de hoje pode não ser o de amanhã

Já reparou como a moda não vale somente para as roupas? Já tivemos a fase dos seios maiores, a do corpo mais magro, depois aquele com mais curvas, o estilo fitness e por aí vai. Vai dar para acompanhar o tempo todo? A resposta é não.

É importante sempre lembrar que cada pessoa possui uma realidade e um perfil físico. Já os padrões estéticos mudam com o tempo. Acompanhar essa saga é o mesmo que passar o resto da vida em busca de algo que, na maioria das vezes, não é fácil e nem natural para você. Sempre há mais trabalho a ser feito!

Quando a gente fala sobre um relacionamento saudável com o corpo, é muito comum ouvir que devemos nos aceitar e nos amar como somos. A psicóloga assina embaixo e ainda complementa: O amor próprio é um exercício diário e constante. É se gostar, se valorizar, identificar suas qualidades e entender que não somos perfeitos, aceitando nossas limitações e curtindo ser quem você é.

Você pode ser a inspiração de alguém

A mídia sempre esteve aí, a todo tempo, “ditando” os padrões de beleza. Hoje esse papel também vem sendo desempenhado pelas redes sociais. Nadando contra essa maré, a veiculação de fotos com modelos no melhor estilo “gente como a gente", com corpos e aparência que se aproximam mais do dia a dia da maioria das pessoas, faz com que haja uma maior identificação e, por isso, mais aceitação.

Mas não precisa ser uma pessoa famosa para começar esse movimento. Quando você abraça suas características, também está incentivando outras pessoas a fazerem o mesmo. Passe a ver sua beleza e a fazer elogios a si mesmo. Dê o primeiro passo no seu próprio ciclo social!

Tenha uma rotina saudável como prioridade

A chegada do verão costuma colocar ainda mais em evidência a relação com o corpo. Eis aí um dos maiores gatilhos para o início da saga em busca da silhueta ideal para entrar naquele biquíni! Devemos nos tornar amigos do nosso corpo e buscar saúde e bem-estar o ano todo, com equilíbrio, saúde e amor próprio.

Nesse sentido, a motivação precisa ser aliada de uma rotina saudável e sem sacrifícios. Coloque no seu dia a dia: alimentação equilibrada, uma boa noite de sono, a prática de atividades físicas prazerosas (sem a preocupação com os resultados) e encontros com pessoas que te fazem bem. Certamente essa receita vai te proporcionar um bem-estar tanto físico quanto mental!

A autoestima deve andar de mãos dadas com o amor próprio

Os dois termos parecem similares, mas há diferença sim. O amor próprio está além da autoestima. A busca incessante e inconsequente pelo aumento da autoestima pode ter consequências negativas, como a ansiedade, a compulsão e a depressão. Já a busca pelo amor próprio sempre terá boas consequências.

Você pode buscar vários procedimentos estéticos para elevar sua autoestima e, pela falta do amor próprio, continuar insatisfeito consigo mesmo. Por isso, devemos cultivar esse amor próprio que é algo mais perene e duradouro. Já a autoestima tende a ser momentânea, movida por sentimentos.

Investir no autoconhecimento é um bom negócio!

O primeiro passo para desenvolver tanto uma boa autoestima quanto o amor próprio é o autoconhecimento. Conhecer as próprias limitações, fragilidades e fortalezas ajuda a conviver e superar as sensações adversas que nos afetam.

É preciso ser verdadeiro e leal consigo, reconhecer o próprio valor, saber seus limites, manter boas relações e entender que o amor próprio é chave de todas as relações. Se você não consegue estar bem consigo, possivelmente isso impactará em todas as áreas da vida. O mau humor, a energia negativa e a insatisfação te tornarão menos receptivo ao outro, prejudicando as relações sociais, podendo torná-lo inseguro.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Pimentel, M. Como cultivar um relacionamento saudável com seu corpo. Ministério da Saúde. Disponível em: www.saude.gov.br Acessado em: 26/05/2020.




segunda-feira, 25 de maio de 2020

Aspectos Funcionais das Bebidas à Base de Erva Mate


Chimarrão, tererê, chá mate solúvel e infusão, são bebidas muito consumidas em nossos país, e a erva traz benefícios interessantes à saúde.

A erva-mate é uma erva muito estudada e muito usada na medicina popular nas desordens: artrite, reumatismo, dores de cabeça, retenção de líquidos e obesidade. Mas dentre as propriedades mais descrita em estudos científicos por estudos científicos estão: seu poder antioxidante, hipoglicemia e hipercolesterolêmico. 

A molécula LDL (considerada a fração “ruim” do colesterol plasmático) pode sofrer ação dos radicais livres, levando à sua oxidação, o que causa mais danos ainda por quem sofre com hipercolesterolemia. E a ingestão de chá mate diminui a peroxidação dessas moléculas no plasma em indivíduos saudáveis.

Um trabalho de 2009 mostrou que a erva mate diminui ainda mais o colesterol daqueles que fazem uso de estatina!

A erva aumenta a concentração de antioxidantes no corpo, por isso, é sim considerada um antioxidante muito eficiente na dieta. E alguns trabalhos mostram ação da erva-mate na obesidade, por conter cafeína e ácidos clorogênicos, esse último, aliás, pode ajudar no controle da glicemia, e pode ser muito saudável sua inclusão em dieta de diabéticos, por exemplo. 



Lembre-se: chá mate tem cafeína e para quem sofre com insônia, pode prejudicar ainda mais, e cuidado com sensibilidade estomacal. 

Procure não ser essa a única fonte de bebida em dias quentes, pois ela tem efeito diurético. 

exto elaborado por: Priscila Di Ciero

Nutricionista formada em 2001, sou pós-graduada em Nutrição Esportiva Funcional e estou em formação para obtenção da certificação do Functional Medicine Institute (USA). Sou self e professional Coach formada pelo IBC e certificada pelo Internacional Society of Sports Nutrition (USA). Atualmente curso pós-graduação em Fitoterapia e atendo em consultório particular na zona sul de São Paulo (SP).

 As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

quinta-feira, 21 de maio de 2020

Adoçante ou Açúcar?


Os brasileiros consomem três vezes mais açúcar que a média mundial. A substituição do adoçante pelo açúcar é muito procurada por quem está preocupado com uma reeducação alimentar ou sofre com a diabetes. Há alguns tipos de adoçantes que podem substituir o açúcar. Os indicados são os artificiais, como os produtos a base de sacarina, aspartame e sucralose. Já os adoçantes naturais, como a frutose e o manitol, que podem aumentar a glicemia, não são recomendados.

Prestar atenção nos ingredientes dos produtos industrializados e reduzir o consumo de açúcar são hábitos essenciais para quem busca uma melhor qualidade de vida.

Mas o adoçante então substitui nossa necessidade diária de glicose? Não é bem assim. Não é o adoçante que vai oferecer glicose. Todos os alimentos que consumimos durante o dia trazem a glicose suficiente para o nosso organismo, começando pelo pão integral do café da manhã, passando pela carne do almoço.

Além dos cuidados necessários, é preciso se preocupar com o peso. Manter um peso adequado com sua altura e idade contribui bastante para reduzir a diabetes.

Confira as dicas abaixo para fazer a escolha ideal:

Açúcar refinado

É importante procura substituir. Ele perde mais de 90% de seus nutrientes no processo de refinamento e contém substâncias químicas para que fique branco e fino

Açúcar cristal

Também perde praticamente todos os seus nutrientes, mesmo não possuindo tantos aditivos químicos quanto o refinado

Açúcar mascavo

Não passa pelo processo de branqueamento, cristalização e refino, por isso contém maior concentração de nutrientes, com destaque para os minerais cálcio e ferro

Mel

Contém cálcio, fósforo, potássio, sódio e manganês, vitaminas C e B e proteínas, além de possuir nutrientes funcionais como FOS (fruto-oligossacarídeos), importantes para o intestino

É importante saber que o açúcar mascavo e mel são mais saudáveis por conterem mais nutrientes, mas, assim como o açúcar branco, aumentam a glicemia e favorecem o ganho de peso

Açúcar demerara

Passa por um leve processo de refinamento, porém, não recebe nenhum aditivo químico, preservando melhor seus nutrientes

Açúcares orgânicos

Não possuem nenhum tipo de ingrediente artificial, são mais grossos e mais escuros do que o refinado, porém, com o mesmo poder adoçante

Açúcar light

É a combinação entre o açúcar refinado comum e adoçantes artificiais, deixando-o com maior poder adoçante.

O ideal é preservar o gosto naturalmente doce dos alimentos e fazer uso moderado das substâncias

Lembre-se: o consumo excessivo de açúcar refinado pode causar hiperatividade, inflamações, acne, lipogênese (acúmulo de gordura corporal) e risco de desenvolvimento de diabetes.

Adoçante

Compostos por edulcorantes, que são substâncias que apresentam um poder adoçante muito superior ao da sacarose (açúcar refinado) e, por isso, devem ser utilizados em quantidades bem menores. Entre os edulcorantes estão os naturais e os artificiais. Os naturais são: frutose, sorbitol, manitol e steviosídeo. Já os artificiais são: aspartame, ciclamato, sacarina, acessulfame-K, sucralose.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Rodrigues, S. Adoçante ou açúcar? Saiba como escolher. Secretaria de Saúde do Estado de São Paulo. Disponível em: www.saude.sp.gov.br Acessado em 21/05/2020.