sexta-feira, 21 de setembro de 2018

Disbiose Intestinal


Sem dúvida a alimentação influencia diretamente a saúde e a qualidade de vida das pessoas. Chamamos de disbiose um desequilíbrio na flora intestinal, em que a quantidade de bactérias patogênicas é superior as bactérias benéficas, afetando a integridade da parede do intestino assim, perde-se a ”barreira” protetora contra os micro-organismos invasores. 

A microbiota natural ajuda na digestão de alimentos, produz as vitaminas K, B12, tiamina e riboflavina e são responsáveis pela produção de ácidos graxos de cadeia curta (AGCC) que auxiliam ainda mais na proteção do intestino e constituem a principal fonte de energia para os enterócitos e colonócitos, estimulando a proliferação celular do epitélio, o fluxo sanguíneo visceral e intensificando a absorção de sódio e água. Enfim, nossa flora intestinal é indispensável, pois exerce muitos papeis importantes.

Causas da disbiose:

● Baixos níveis de ácido clorídrico no estômago;
● Uso indiscriminado de antiácidos (sal de fruta);
● Envelhecimento;
● Causas genéticas;
● Uso de laxantes;
● Uso repetido de antibióticos;
● Sensibilidades e alergias alimentares;
● Uso excessivo de álcool;
● Uso de corticosteroides;
● Estresse;
● Cirurgias gastrointestinais;
● Deficiências imunológicas (HIV e outras);
● Insuficiências nutricionais.

Sintomas:

● Diarreia;
● Constipação;
● Flatulência;
● Esteatorreia (fezes com gordura);
● Distensão abdominal;
● Dor abdominal;
● Refluxo Gastroesofágico;
● Baixa imunidade;
● Intolerância a carboidratos;
● Erupções na pele;
● Sintomas generalizados relacionados à má digestão e deficiências de vitaminas, minerais, aminoácidos, ácidos graxos e etc.;
● Dores de cabeça;
● Febres de origem desconhecidas;
● Alergia;
● Fadiga;
● Acne.

Dicas Nutricionais:

● Consuma vegetais ricos em FOS (fruto-oligossacarídeos), chicória, alho poro, alho, cebola, frutas, castanhas. Eles ajudam no desenvolvimento das bactérias benéficas;

● Procure ingerir iogurtes e leites fermentados (probióticos), estes auxiliam na recomposição da flora intestinal. Em alguns casos, também é necessária a orientação de uma nutricionista para o uso de lactobacilos em cápsulas;

● Alimentação rica em fibras também é muito importante (cereais integrais, maçã, morango, aveia, quinua), elas auxiliam no trânsito intestinal aumentando a maciez e volume das fezes;

● Diminua ao consumo de carboidratos refinados (pão, macarrão, qualquer alimento feito com farinha branca ou que contenha açúcares), pois este macronutriente leva as bactérias no intestino grosso a uma maior fermentação;

● Diminua a ingestão das carnes vermelhas, de leite e outros produtos ricos em proteína e de difícil digestão, durante a fase de disbiose, pois as proteínas podem ser absorvidas sem serem digeridas devido ao aumento da permeabilidade intestinal, podendo ocasionar os sintomas de alergia;

● Procure ingerir menos colesterol, gorduras saturadas e gorduras trans (carne com gordura, pele de frango, embutidos e produtos industrializados), pois estas provocam um desequilíbrio na flora intestinal piorando o quadro de disbiose;

● Beber água e praticar exercícios físicos são ótimas formas de aumentar a motilidade intestinal.

Texto elaborado por: Patrícia Bertolucci

Nutricionista pela Universidade Federal de Goiás – UFG.

Assessoria a Clubes e Empresas ligadas ao esporte ou com interesse em qualidade de vida.

Responsável pela empresa Patrícia Bertolucci Consultoria em Nutrição.

 As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

quarta-feira, 19 de setembro de 2018

Alimentos x Pressão Alta


Os vasos sanguíneos são recobertos por uma camada muito fina e delicada, sendo assim, quando o sangue está circulando em alta pressão, este tem capacidade de danificá-los, podendo com o passar dos anos levar ao entupimento ou rompimento dos mesmos. Quando os vasos do coração se rompem, uma das consequências é a angina, ou seja, uma forte dor no coração. Essa por sua vez pode acarretar no infarto. No cérebro, o entupimento ou o rompimento de um vaso leva ao “derrame cerebral” ou acidente vascular cerebral (AVC). Com relação aos rins, esses órgãos podem sofrer alterações na filtração e como consequência mais grave a paralisação dos órgãos.

Apesar da hipertensão não ter cura ela pode ser controlada e evitada com algumas mudanças de hábito. A primeira maneira de controlar a pressão, evitando que ela fique alta é o controle do sal na alimentação. Outra maneira importante é o controle do peso, uma vez que a obesidade é uma das principais responsáveis pelo desenvolvimento da doença.

A prática de atividade física também é muito importante, pois os hipertensos apresentam retenção de líquidos, sendo assim, ao realiza-las o indivíduo melhora a circulação contribuindo para que haja redução na retenção de líquido e consequentemente a redução da pressão arterial.

Com a correria e o estresse do nosso dia a dia, inúmeras vezes não temos tempo de prestar atenção em nossa alimentação, ingerindo assim algo que é mais prático ao invés do que é saudável, fato preocupante uma vez que pode auxiliar na piora ou no surgimento de doenças, como é o caso da hipertensão. Dessa forma, a alimentação saudável constitui um ponto fundamental, recomendando-se a ingestão de pouca gordura saturada, aumento do consumo de legumes e verduras, laticínios com pouco teor de gordura e grãos integrais.

Alimentos ricos em ômega 3: as principais fontes desse ácido graxo são representados pela sardinha, azeite, linhaça, atum e salmão e a inclusão desses alimentos deve-se ao fato de que o ácido graxo ômega 3 está intimamente relacionado com a diminuição da vasoconstrição e com o aumento da vasodilatação.

Ervas: o tomilho, louro, manjericão, sálvia, alecrim, coentro, cebolinha e salsa são ótimos exemplos de temperos naturais que podem ser utilizados como substitutos do famoso sal de cozinha. Como já foi falado, a diminuição do sal é de extrema importância, uma vez que com a sua redução também ocorre a redução na ingestão de sódio. Este mineral é um dos principais vilões para os pacientes hipertensos, pois auxilia na retenção de líquidos no organismo, provocando também a elevação da pressão arterial e aumentando também o risco das doenças renais e cardiovasculares.

Alho: este alimento tem a capacidade de atuar na diminuição dos radicais livres, os responsáveis pelo envelhecimento precoce, pelo câncer e pelas doenças cardíacas, pois possui em uma composição a vitamina C, um potente antioxidante. Além disso, a combinação de diferentes elementos presentes no alho, como por exemplo, o magnésio, podem auxiliar de forma discreta na dilatação dos vasos sanguíneos, promovendo a redução da pressão e melhorando a circulação do sangue.

Amêndoa e nozes: constituem ótimas fontes de magnésio e por esse motivo possuem ação vasodilatadora, isto é, ampliam os vasos sanguíneos, auxiliando no controle da pressão arterial. Além disso, são ricos em vitamina E (antioxidante natural) que auxiliam no retardo do envelhecimento e inúmeras complicações cardíacas.

Cereais integrais: Alimentos como farelo de trigo, semente de linhaça, germe de trigo e gergelim são alguns dos cereais integrais que devem ser incluídos na dieta devido a sua concentração de magnésio, que como já foi relatado estimula a dilatação dos vasos sanguíneos, auxiliando também na diminuição do inchaço devido à retenção de líquidos.

Aveia: é uma excelente fonte de fibras, vitaminas e minerais, tendo capacidade de retardar o esvaziamento gástrico, prolongando assim a sensação de saciedade. Por esse motivo, a aveia é fundamental no controle da glicose sanguínea, importante ferramenta para hipertensos. Além disso, a aveia também possui magnésio em usa composição, que quando unido ao cálcio auxilia no relaxamento da musculatura, promovendo uma redução no inchaço do corpo.

Leite e derivados: constituem importante fonte de cálcio, não podendo assim estar fora da sua dieta. O cálcio é um mineral com atividade hipotensora, estimulando a eliminação de sódio e consequentemente a redução da pressão sanguínea. Os nutricionistas recomendam ainda que esses alimentos sejam consumidos em versões desnatadas e com baixo teor de gordura, como por exemplo, o consumo de queijo branco.

Alimentos ricos em potássio: esse elemento pode ser encontrado em alimentos como inhame, laranja, maracujá, espinafre, cenoura, abóbora e feijão preto. O potássio é importante para o controle da pressão arterial, pois estimula a eliminação do nosso vilão sódio.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Bachiega, P. Hipertensão: saiba como combater o inimigo silencioso. Grupo de Estudo em Alimentos Funcionais – GEAF, ESALQ/USP. Disponível em: www.grupoalimentosfuncionais.blogspot.com.br Acessado em: 04/09/2018.

SALGADO, Jocelem Mastrodi SALGADO, Previna Doenças, Faça do seu alimento o seu medicamento, São Paulo: editora Madras, 2002.