quinta-feira, 30 de outubro de 2014

TERAPIA NUTRICIONAL PARA PACIENTES COM CÂNCER

O câncer é a uma degeneração da função celular que ao se multiplicar ataca os demais órgãos lhes causando danos que podem paralisar completamente.

O desenvolvimento do câncer resulta de uma interação entre fatores endógenos e ambientais. Acredita-se que os tipos de câncer podem ocorrem através de interação de dietas e hábitos de vida inadequados. Estudos realizados em alguns países revelam que uma alimentação saudável ajuda na prevenção de doenças, incluindo diversos tipos de câncer.

O aumento de atividade física, da manutenção de peso corporal e do não uso do tabaco promove modificações para se adotar uma dieta mais saudável, podendo reduzir cerca de 60% a 70% a incidência de câncer no mundo.

A dietoterapia ou terapêutica nutricional é a parte fundamental no tratamento e na qualidade de vida de pacientes oncológicos em cuidados paliativos, uma vez que um dos prazeres que ainda pode estar conservado é o consumo de alimentos.

Para a intervenção nutricional, faz-se necessário conhecer o perfil nutricional desses doentes, a fim de permitir melhor manejo, reduzir as complicações, de forma a manter ou recuperar o estado nutricional. Para sucesso no tratamento, o paciente deve procurar um profissional nutricionista desde o início para evitar a desnutrição ou recuperar o bom estado nutricional.

 A alimentação é de vital importância para a sobrevivência do ser humano, pois é a partir dela que ingerimos os nutrientes essenciais para que as atividades metabólicas sejam realizadas. Na atualidade a má alimentação tem sido fator preponderante para o aparecimento de uma série de enfermidades. A ingestão excessiva de produtos industrializados, comidas com alto teor calórico tem cooperado bastante para agravar mais essa situação. Uma alimentação saudável contribui bastante para a prevenção de inúmeras doenças, como colesterol, hipertensão arterial, diabetes, e outras, inclusive alguns tipos de cânceres.

Há várias evidências que a alimentação tem um papel importante nos estágios de iniciação, promoção e propagação do câncer. Entre as mortes por câncer atribuídas a fatores ambientais, a dieta contribui com cerca de 35%, seguida pelo tabaco com 30% e outros, como condições e tipo de trabalho, álcool, poluição e aditivos alimentares, os quais contribuem com menos de 5%. Acredita-se que uma dieta adequada poderia prevenir de 3 a 4 milhões de casos novos de cânceres a cada ano.

Nos estudos que envolvem câncer e dieta em diversas populações, um dos temas mais discutidos é a existência de uma diferença na incidência das várias formas de câncer, que pode estar relacionada às variações na ingestão de determinados componentes da dieta.

O planejamento alimentar é a parte fundamental do tratamento do câncer. Uma alimentação correta durante essa fase pode contribuir para o bem estar e fortalecimento, evitando a degeneração dos tecidos do corpo e ajudando a reconstruir aqueles que o tratamento possa ser prejudicado. Pacientes com uma boa alimentação durante o tratamento tem mais condições de vencer os efeitos colaterais e de enfrentar, com êxito, a administração de doses mais altas de certos medicamentos, adquirir menos infecções e estarem aptos a ter uma vida normal. Os efeitos colaterais do tratamento podem ser amenizados com uma alimentação adequada. Portanto, é preciso encontrar maneiras de se alimentar. Nesse sentindo, o uso de suplementos alimentares vem ganhado espaço no processo de nutrição de pacientes com câncer.
           

Recomendações para alimentação saudável: Pesquisas realizadas em diversos países mostram que milhares de pessoas desenvolvem alguns tipos de câncer ou irão desenvolver futuramente. Cientistas afirmam que uma alimentação saudável, rica em proteínas, vitaminas e outros, é um grande aliado no combate a inúmeras doenças inclusive alguns tipos de câncer. Alguns alimentos como as leguminosas tem um grande potencial em vitaminas que ajudam o organismo a produzir anticorpos aumentando assim as defesas do organismo no combate as enfermidades.

A terapia nutricional adequada melhora a resposta clínica e o prognóstico do paciente. A intervenção nutricional pode ser realizada por meio de suplementação oral, nutrição enteral e/ou parenteral, desde que se avaliem seus benefícios, indicações e contra-indicações.

Como exposto, estudos epidemiológicos têm apontado o papel protetor da dieta contra o desenvolvimento do câncer. O Comitê de peritos da World Cancer Research Fund, desenvolveram as principais recomendações, visando à prevenção do câncer.

Sabemos que uma alimentação saudável, rica em nutrientes, auxilia não só na prevenção de outras doenças como também na prevenção e no tratamento do câncer, pois alguns nutrientes, essenciais para o bom funcionamento do nosso organismo, podem melhorar a imunidade, atuar na supressão do tumor e ajudar a evitar a caquexia – estado de desnutrição e emagrecimento – comum em pacientes com câncer. É possível combatê-lo a partir de hábitos saudáveis, que apesar da carga genética ser um fator importante no desenvolvimento do câncer, em muitos casos, a doença tem relação direta com a alimentação e o estilo de vida.

Texto elaborado por: Dra. Juliana Gonçalves

Nutricionista. Mestre e Doutora em Ciências da Saúde pelo Instituto de Cardiologia, RS.
 Especialista em Nutrição Clínica pela ASBRAN.
Especialização em Fitoterapia pela Universidade de Léon (Espanha).
Especialização em Nutrição Clínica pela Faculdade CBES.
Autora do Manual de Atendimento em Nutrição Estética, 2ª edição, editora IPGS (2011).
Coautora do livro Atendimento Nutricional em Cirurgia Plástica - Uma Abordagem Multidisciplinar, editora Rúbio (2013).

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

FINK, B.N.; STECK, S.E; WOLFF, M.E; BRITTON, J.A; Kabat, G.C. Dietary flavonoid intake and breast câncer risk among women on Long Island. American Journal of Epidemiology 2007; 165: 514-23.

GOMES, F.S.; COUTO; S.G. Alimentação em favor da vida: a prevenção do câncer na ótica da promoção da saúde. Rev. APS 2010;  13(3): 391-2.

INCA (Instituto Nacional do Câncer). Estimativa 2010: Incidência de câncer no Brasil.

KALLIANPUR, A.R.; LEE, S.A; GAO, Y.T; LU, W.; ZHENG, Y. et al. Dietary animal-derived iron and fat intake and breast cancer risk in the Shanghai Breast Cancer Study. Breast Cancer Research and Treatment 2008; 107 (1): 123-32.

MACHADO, M.; SOUSA, A.; COELHO, N.; CHAVES, D. O alho e acebola na prevenção do câncer. Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Maranhão – IFMA 2011.

Nunes, C.P.; LEITE, I.C.G.; CARMO, W.F.S.A. Consumo alimentar e câncer de mama: revisão de estudos publicados entre 2000 e 2008. Rev. APS 2009; 12 (3): 328-38.
Silva CM, Burgos MGPA, Moura ISC.  Perfil nutricional de pacientes oncológicos submetidos à terapia nutricional enteral.  Rev Bras Nutr Clin 2009; 24 (3): 149-54.

Toscano BAF, Coelho MS, Abreu HB, Logrado MH, Fortes RC. Câncer implicações nutricionais. Comun ciênc saúde 2008; 19 (2): 171-180.


VAN GILS CH et al. Consumption of vegetables and fruits and risk of breast cancer. JAMA 2005;  293 (2): 183-93.
Postar um comentário