quinta-feira, 5 de fevereiro de 2015

Azeite



O consumo de azeite é importante, pois fornece ácidos graxos essenciais, que não são produzidos pelo organismo e são necessários para a produção de alguns hormônios e formação da membrana das células. Os óleos e azeites também favorecem a absorção das vitaminas chamadas de lipossolúveis, que são as vitaminas A, D, E e K e melhoram o sabor, aroma e textura dos alimentos.


O azeite é uma das gorduras mais saudáveis, pois apresenta um alto teor de ácidos graxos monoinsaturados e polifenóis. Em geral os ácidos graxos insaturados (poli e mono) e polifenóis estão relacionados com a prevenção de doenças cardiovasculares, mas o azeite tem a vantagem de aumentar o HDL, colesterol bom do nosso corpo.

Além disso, o azeite possui maior quantidade de ômega-3 quando comparado com o óleo de soja, por exemplo. Este é mais rico em ômega-6. Na nossa alimentação precisa haver um equilíbrio entre a ingestão dos ômegas. A dieta atual contém muito ômega-6 proveniente de produtos industrializados e fast food, dessa forma, deve-se priorizar o consumo de alimentos fonte de ômega-3 na dieta.

O consumo de uma dieta adequada; contendo pouca gordura saturada, pouco açúcar refinado e muitos vegetais frescos; associado com a ingestão de gordura monoinsaturada, pode prevenir doenças cardiovasculares e diabetes, pela diminuição do acúmulo de gordura abdominal, que é fator de risco para essas doenças.

Sabe-se que a obesidade abdominal está associada com a resistência à insulina, mas os mecanismos ainda não foram bem esclarecidos. Alguns estudos sugerem que dietas ricas em gorduras monoinsaturadas, comparadas com dietas ricas em carboidratos ou ricas em gordura saturada, modificam a distribuição de gordura corporal, favorecendo o menor acúmulo na região abdominal associada com maior sensibilidade à insulina.

Além desse fator hormonal, a presença de gordura na dieta, diminui o efeito glicêmico das refeições. Quanto maior a carga glicêmica da dieta, maior propensão a desenvolver resistência à insulina e acúmulo de gordura na região abdominal. Para isso, o melhor tipo de gordura a ser adicionado a dieta é a gordura monoinsaturada.

Na hora de comprar, dê preferência os azeites extra-virgem, que são obtidos por prensagem e não por refinamento. A acidez deve ficar entre 0% e 0,8%, mas o ideal é que seja menor que 0,5%. Este tipo de azeite é extraído após a primeira prensagem a frio, portanto é mais puro e quanto menor a acidez, maior é a pureza e a garantia dos bons componentes.

Um azeite legítimo não traz solventes ou substâncias químicas, é somente o suco da azeitona. O que muda é o sabor, a textura, a cor ou o aroma. Ou seja se tiver algum outro óleo junto (soja, girassol ou outro) já não é um azeite de oliva genuíno, e sim um óleo composto.
 

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Texto elaborado por: Patrícia Bertolucci

Nutricionista pela Universidade Federal de Goiás – UFG.

Assessoria a Clubes e Empresas ligadas ao esporte ou com interesse em qualidade de vida.

Responsável pela empresa Patrícia Bertolucci Consultoria em Nutrição.
 

Postar um comentário