segunda-feira, 5 de janeiro de 2015

Antocianinas, Catequinas e Quercetina



        Os fitoquímicos constituem uma ampla classe de compostos bioativos não-nutrientes encontrados nas frutas, vegetais e cereais. Esses compostos têm recebido cada vez mais atenção dos pesquisadores devido ao crescente número de evidências comprovando efeitos benéficos à saúde, principalmente relacionados ao estresse oxidativo, envolvido na etiologia de uma ampla gama de doenças crônicas. Dessa forma, os fitoquímicos têm sido considerados também compostos nutracêuticos por definição. Nutracêutico é todo alimento ou parte de um alimento que proporciona benefícios à saúde, incluindo a prevenção e/ou tratamento de doenças. Tais produtos podem abranger desde os alimentos a compostos isolados, suplementos dietéticos na forma de cápsulas até os produtos geneticamente modificados. Os mais de 5000 fitoquímicos já identificados podem ser classificados como carotenoides, compostos fenólicos, alcaloides, compostos contendo nitrogênio e compostos organosulfurados.


Antocianinas
            
          As antocianinas são uma subclasse dos flavonoides e conferem as cores vermelha, azul e roxo a muitas frutas e vegetais, com níveis particularmente altos nas bagas dos frutos. As principais fontes alimentares incluem amora, morango, groselha, uva vermelha e cereja. Dentre os potenciais benefícios observados em estudos in vitro estão inibição da liberação de espécies reativas de oxigênio, redução da peroxidação lipídica mediada por radicais livres, além da redução da oxidação das partículas de LDL. Em estudos realizados com animais, observou-se a diminuição dos níveis séricos de colesterol total e sua fração LDL. 


Catequinas
             
          As catequinas, também denominadas flavonois, são outra subclasse dos flavonoides e incluem a epicatequina, epigalocatequina, epicatequina-3-galato, epigalocatequina-3-galato. Essa classe de compostos é encontrada principalmente nas folhas de alguns chás, como o preto e o verde, que são provenientes da mesma planta Camellia sinensis. Apesar de a Camellia sinensis ser a principal fonte de catequinas, esta subclasse de fitoquímicos também é encontrada no suco de uva, vinho tinto, cacau, maçã, cebola, feijões, damasco, cereja e pêssego. Dentre os seus possíveis efeitos benéficos estão na redução da pressão arterial, melhora da função vascular, inibição da captação de LDL-colesterol oxidado, redução da reatividade plaquetária, melhora da sensibilidade à insulina e efeitos antiinflamatórios.


Quercetina
             
          A quercetina também é um dos compostos da subclasse flavonois, sendo a mais amplamente distribuída na natureza. Está presente em alimentos como maçãs, cebolas, frutas vermelhas e vinho tinto. Estudos in vitro têm demonstrado ação antioxidante, antiinflamatória, antitrombótica, vasodilatadora, redução da expressão de moléculas de adesão como a vascular cell adhesion molecule-1 (VCAM-1) e intercellular adhesion molecule-1 (ICAM-1), e inibição da expressão gênica do monocyte chemoattractant protein-1 (MCP-1), moléculas importantes tanto no processo de inflamação quanto de aterogênese. Já estudos com animais observaram redução da pressão arterial e propriedades vasodilatadoras após o seu consumo.

 
As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referência Bibliográfica:

Strack, MH; Souza, CG. Antocianinas, catequinas e quercetina: evidências na prevenção e no tratamento de doenças cardiovasculares. Rev Bras Nutr Clin 2012; v.27, n.1, p: 43-50.

Postar um comentário