quinta-feira, 2 de março de 2017

Lichia



De origem chinesa a lichia é uma fruta tropical e subtropical de alto valor comercial pela sua cor vermelha atraente e muito apreciada por seu sabor doce. Ela tem sido descrita desde 1500 A.C. pelos descendentes Malaios e cultivada durante milhares de anos na China, se disseminado pelo mundo inteiro, principalmente no Brasil onde ela se tornou popular e passou a ser muito consumida pela população. Segundo estudos, o estado de São Paulo é o maior produtor do fruto, sendo que em 2006 respondeu por mais de 90% da produção nacional. Sendo que na gastronomia brasileira ela é utilizada fresca, enlatada, desidratada ou processada em sucos, vinhos, picles, compotas, sorvetes e iogurtes.

Em média, uma unidade de lichia contém cerca de 6 calorias. E seus valores nutricionais médios em 100 gramas do fruto são de 0,8 gramas de proteínas, 0,4 gramas de gorduras, 16,3 gramas de carboidratos, 02 gramas de fibra e 10 miligramas de cálcio. Ela também é considerada uma ótima fonte de vitaminas como a C onde seus níveis são comparáveis aos da laranja, do limão, e da carambola. Esta vitamina é conhecida por ter ação antioxidante, fornecer proteção contra doenças cardiovasculares, e auxiliar na manutenção da pele, unhas e cabelos. 

A lichia também é rica em outras vitaminas como a riboflavina (B2), niacina (B3) e tiamina (B1). Quanto aos minerais ela é considerada uma ótima fonte de potássio que por sua vez ajuda na regulação da pressão arterial e também em fósforo que é importante para a saúde dos dentes e ossos do corpo e na lichia os seus teores são superiores aos do pêssego e da laranja. Outro mineral considerável na lichia é o magnésio que é essencial para o transporte e produção de energia. 

Mais um nutriente não muito conhecido da lichia é a cianidina, que age sobre as gorduras e também, possui ação antioxidante, combatendo o envelhecimento precoce e diversas doenças.

Porém, mesmo sendo uma fruta com altos teores de vitaminas e minerais ela também por ter alto teor de frutose, deve ser consumida com moderação.  Recomenda-se ao indivíduo que consome frequentemente, ou que nunca consumiu, procurar orientação profissional, para que não haja nenhuma desventura.

Texto elaborado por: Dra. Caroline de Salve – CRN3. 28964

Nutricionista formada pelo Centro Universitário São Camilo 

Especialista em Nutrição Humana pelo Instituto Metabolismo e Nutrição (IMEN)

Especialista em Nutrição e Pediatria pelo HCMUSP

Nutricionista Responsável pelo Colégio Piaget

Nutricionista Responsável por unidade Salutem Nutrição e Bem Estar em São Caetano do Sul e atendimentos na Unidade Salutem de São Caetano do Sul. 

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.





Postar um comentário