quarta-feira, 27 de junho de 2018

Alimentação e Performance de Atletas


Horas de treinamentos táticos e físicos, talento, foco, sorte ... O que define uma vitória ou uma derrota no esporte de alto rendimento?  O quanto a alimentação pode determinar o fracasso ou a glória de um atleta? A alimentação é importante para manter a saúde e maximizar os resultados.

A baixa disponibilidade de energia, ou seja, uma alimentação que não forneça tudo o que o atleta precisa, pode resultar em perda indesejada de massa muscular, disfunção menstrual e distúrbios hormonais, além de aumentar o risco de fadiga, lesão e doença. A recuperação também é afetada. 

A alimentação correta do jogador de futebol, por exemplo, é importante para evitar diversos fatores durante o jogo, entre eles: desidratação, desequilíbrio eletrolítico, depleção de glicogênio, hipoglicemia e desconforto gastrointestinal. Alimentos ou suplementos consumidos antes, durante e/ou após os jogos podem reduzir ou retardar o aparecimentos desses fatores.

Cardápio de Alta Performance

Independente de amador ou profissional, um atleta precisa seguir uma regra básica na dieta: uma alimentação saudável e equilibrada. A quantidade e os horários, porém, devem ser calculados de maneira personalizada de acordo com o treinamento (do atleta). É necessário, para isso, considerar preferências alimentares e avaliar a necessidade de suplementação. 

O planejamento nutricional de um atleta precisa ser personalizado levando em conta o tipo de esporte praticado, a especificidade do evento esportivo, as metas de desempenho e composição corporal, as preferências alimentares do atleta e as respostas individuais às várias estratégias.

o planejamento nutricional deve ser periodizado (de acordo com o programa de treinamento) levando em conta as necessidades das sessões diárias de treinos (que pode ser de alta ou baixa intensidade). 

Nutrientes e Resultados 

Quais os grupos de nutrientes essenciais para quem pratica esporte?

Carboidratos: devem ser feitas recomendações individualizadas considerando o programa de treinamento e a importância de realizá-lo com alto ou baixo carboidrato de acordo com a prioridade de promover o desempenho no exercício versus melhorar o estímulo de treinamento /adaptação;

Proteínas: levar em consideração a quantidade diária total consumida, horários (“timing”) e fontes proteicas;

Gorduras boas: fontes de ômega 3 e vitaminas lipossolúveis;

Vitaminas e minerais, especialmente ferro, cálcio, vitamina D e antioxidantes (advindos dos alimentos e não de suplementos): os atletas devem ser educados de que a ingestão de suplementos vitamínicos e minerais não melhora o desempenho, a menos que se reverta uma deficiência pré-existente.
  
E o que evitar consumir antes da atividade física?

Alimentos ricos em gorduras e fibras que podem causar desconfortos gastrointestinais.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referência Bibliográfica:

Del Favero, S. Alimentação pode interferir na performance do atleta. Hospital Israelita Albert Einstein. Disponível em: www.einstein.br Acessado em: 25/06/2018.

Nenhum comentário: