quinta-feira, 14 de março de 2013

Iogurte




         Iogurte é leite fermentado, naturalmente ou artificialmente. Uma cultura de fermentos lácteos (Lactobacilus bulgaricus e Streptococcus thermophilus) é adicionada ao leite, a uma temperatura de aproximadamente 45ºC, mantendo-se o leite em incubação. Além de leite e fermentos, são empregados na fabricação de iogurtes ingredientes que caracterizam o sabor de cada variedade do produto: açúcar, mel, frutas ou cereais.

         Os lactobacilos utilizam o açúcar do leite (lactose) para produzir energia e se proliferar e eliminam ácido láctico, substância que aumenta a acidez da flora intestinal e inibe a proliferação das bactérias nocivas. Os lactobacilos são resistentes ao ácido gástrico e à bile e, por isso, chegam ao intestino. Acredita-se que o alimento começou a ser consumido há mais de 3 mil anos pelos povos nômades, que utilizavam conhecimentos milenares para conservar alimentos perecíveis.

          Os iogurtes são muito utilizados para o consumo no café da manhã, em lanches, ou como complementação e refeições rápidas. Servem também como ingredientes de várias preparações frias ou quentes; o uso mais comum é em tempero de saladas ou em molhos e sopas.

           No iogurte encontramos proteínas (necessárias na construção, reparação e renovação dos tecidos do organismo. Participam da produção de anticorpos, hormônios e enzimas); cálcio (mineral fundamental na formação e manutenção dos ossos, dentes e unhas, além de participar das contrações musculares); vitamina A (restauração e construção de novos tecidos. É fundamental na saúde da visão e da pele, auxilia no tratamento de acne e da queda de cabelo); vitaminas do complexo B (participam do metabolismo de proteínas, lipídios e carboidratos. Têm papel importante na produção de energia, na oxidação das células, na produção de neurotransmissores e nas funções neurológicas normais).
 
        O iogurte é um excelente alimento para todas as fases da vida. Protege contra os desgastes dos ossos, garante o bom funcionamento do intestino e geralmente tem baixo teor ou é isento de gordura. Como faz parte do grupo de lácteos, seu consumo diário não deve ultrapassar três porções, somando a outros alimentos como leite e queijos.

        Outro benefício do iogurte é a grande quantidade de probióticos, que contém lactobacillus e bifidobactérias. Esses microorganismos estão presentes, ainda, nos leites fermentados, sobremesas lácteas, sorvetes e diversos tipos de queijo.

         Segundo alguns estudiosos, os probióticos desempenham papel importante na saúde do intestino. Seu consumo proporciona maior resistência a doenças infecciosas, principalmente as do intestino e menor duração de casos de diarréia. Também possui efeito antiinflamatório e de controle da função intestinal. Sua ingestão não é cumulativa. Portanto, os efeitos dos probióticos não aumentam com um maior consumo de alimentos com a substância.

        De duas décadas para cá a produção de iogurtes no Brasil cresceu significativamente. São em média 400 mil toneladas por ano: 76% do total de produtos lácteos produzidos no país. A versão light está entre as preferidas. Na gôndola do supermercado há diversos tipos e sabores.

        O iogurte deve ser conservado sob refrigeração e depois de aberto, consumido em 24 horas. Existem vários tipos de iogurte:

Natural: resultado da fermentação do leite, não tem adições além das culturas microbianas e dos ingredientes previstos na embalagem;

Desnatado: considerado iogurte magro, tem teor reduzido de lipídios;

Light: tem 25% de redução em algum dos seus componentes, contribuindo para diminuir o valor calórico total;

Diet: sua composição apresenta restrição total de açúcares ou de outros componentes;

Com aromas, polpas ou pedaços de frutas: é incrementado com frutas das mais diversas formas: frescas, congeladas, em conservas ou em compota, além do mel, café, cacau e especiarias. Alguns iogurtes também recebem adição de sementes ou parte de sementes, como as de maracujá.

Para beber: depois de coagulado, fica menos consistente.

Iogurte Grego

          Recentemente, foram lançados às gôndolas dos supermercados, o iogurte grego. Ele possui até o dobro de calorias e três vezes mais gordura que o iogurte tradicional.

          As marcas lançaram campanhas divulgando as vantagens do iogurte, que já é velho conhecido nos Estados Unidos e na Europa. As principais diferenças em relação ao tradicional são a consistência mais firme e a menor acidez.

        Deve-se tomar cuidado porque, em comparação com o tradicional, ele possui uma quantidade maior de açúcar e gordura saturada (vide post lipídios).

        Este novo iogurte pode, entretanto, funcionar para matar a vontade de comer doce. Ele é fonte de cálcio e proteína.


As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Referências Bibliográficas:

Iogurte: poderoso alimento. Disponível em: www.einstein.br Acessado em: 23/02/2013.

Novidade no mercado, iogurte grego tem mais gordura que o tradicional. Disponível em: www.folha.uol.com.br Acessado em: 23/02/2013.

Philippi, ST. Nutrição e Técnica Dietética. 1 ed. São Paulo: Manole, 2003. p. 107.
Postar um comentário