segunda-feira, 27 de maio de 2013

Diet X Light X Zero



Alimentos Diet
  
          De acordo com a Agência Nacional de Vigilância Sanitária - ANVISA, o termo diet pode ser utilizado nos seguintes produtos:

1) Alimentos para dietas com restrição de nutrientes, como por exemplo: carboidratos, gorduras, proteínas, sódio, glúten, entre outros.

2) Alimentos para dietas com ingestão controlada de nutrientes (para manutenção de peso ou controle de açúcares, entre outros). Estes alimentos não podem ter a adição de nutrientes. Assim, alimentos para ingestão controlada de açúcar não pode haver inclusão desse nutriente. Sendo permitida apenas a existência de açúcar natural do alimento.

          Quando a palavra diet está estampada no rótulo de um alimento ou bebida, significa que existe a ausência total de algum ingrediente, que pode ser o açúcar, o sal, a gordura, etc. Produtos específicos para diabéticos devem ser totalmente isentos de açúcar; para pessoas com problemas cardiovasculares, deve-se ter restrição de gorduras; para os hipertensos, produtos que não contenham sal.

           Isso nem sempre quer dizer que ocorra uma redução nas calorias do produto. Podemos citar os chocolates diet, nos quais todo o açúcar utilizado na sua fabricação é substituído por adoçantes. Mas o que poucos sabem é que a troca do açúcar por adoçantes no momento da fabricação modifica em grande parte a estrutura do alimento. Os fabricantes acabam adicionando mais gordura, o que faz com que o total de calorias do chocolate diet fique equivalente ao do chocolate convencional.

É por esse motivo que o consumo de chocolates e também de outros produtos ricos em gordura deve ser moderado, uma vez que a ingestão inadequada desse nutriente altera o controle glicêmico. O produto não é o problema, mas sim o possível excesso de consumo do mesmo. Mais uma vez entra em destaque a importância da alimentação balanceada, mesmo quando falamos de produtos sem adição de açúcar.

Alimentos Light

       Os alimentos considerados light são aqueles com baixo teor de componentes (sódio, açúcar, gorduras, colesterol) e mesmo de calorias. Quer dizer, há redução na quantidade, mas não isenção total, como ocorre com os diet. Esses alimentos não possuem como finalidade atender às necessidades de alguém diabético, por exemplo, que não pode ingerir nenhuma quantidade de açúcar. Também não estão indicados para dietas específicas.

         Para serem classificados como light é preciso que o produto tenha uma redução de pelo menos 25% da quantidade de um determinado nutriente e/ou caloria em relação ao alimento convencional. No caso de alimento sólido, no que se refere às calorias, o valor total da redução deve ser no mínimo de 40 calorias para cada 100g de alimentos. Para alimentos líquidos, esse valor diminui para 20 calorias.

          Assim como os diet, os alimentos light também podem causar confusão. Existem certos adoçantes light que podem colocar em risco a saúde de pessoas diabéticas, pois contêm açúcares em sua composição (vide post sobre adoçantes). É fundamental também que o rótulo do alimento acuse o nutriente cuja quantidade está sendo reduzida com o objetivo de tornar o alimento light.

A real diferença entre diet e light está na quantidade permitida de nutrientes. Enquanto que o diet precisa ser isento 100%, o light deve apresentar uma diminuição mínima de 25% de nutrientes ou calorias. Outra diferença, é que o alimento light não é, necessariamente, indicado para pessoas que apresentem algum tipo de doença (diabetes, colesterol elevado,celíacos, fenilcetonúricos). Se, o alimento light apresentar eliminação de um determinado nutriente, por exemplo, açúcar (refrigerante light), poderá ser consumido por pessoas com diabetes.

Importante lembrar que esses produtos devem ser consumidos nas porções recomendadas. Geralmente as pessoas acreditam que podem consumir mais, por
ter menos calorias.

Alimentos “Zero”

          O termo “zero” significa que o produto tem como característica a ausência do açúcar em sua composição e possui combinações de ingredientes que buscam a semelhança do produto original. Quando comparados aos produtos diet, não observa-se a diferença nesse aspecto, pois também apresentam a isenção de alguma substância presente no alimento original, a exemplo do açúcar. A única mudança entre “zero” e “diet” é que os alimentos “zero” geralmente possuem menos quilocalorias que os produtos originais.
 

Ler os rótulos dos produtos e compará-los com o alimento convencional será a melhor forma de verificar se eles atendem as suas necessidades. Portanto solicite ao seu nutricionista que o oriente a leitura de rótulos dos produtos e fique sempre atento na hora da compra, pois como estes podem ter maior custo, quando comparados com os convencionais, você poderá gastar mais por um produto, sem que haja necessidade de ser substituído.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Referências Bibliográficas:

Branco, FC. Alimentos Diet e Light. Sociedade Brasileira de Diabetes. Disponível em: www.sbd.org.br Acessado em: 06/05/2013.
Costa, AA; Neto, JSA. Alimentos dietéticos (diet ou light). Manual de diabetes. 4 ed. São Paulo: Sarvier 2004, p. 53.
Manual de orientação aos consumidores – Educação para o consumo saudável. Agência Nacional de Vigilância Sanitária. Disponível em: www.anvisa.gov.br Acessado em: 06/05/2013.
Salgado, JM. Alimentos diet x light: saiba quais são as diferenças. Alimentos Inteligentes. 1 ed. São Paulo: Prestígio 2005, p.135-139.
Strufaldi, MB. Alimentos Diet, Light e Zero: Nutricionista Explica por que não Devemos Exagerar. Associação de Diabetes Juvenil. Disponível em: www.adj.org.br Acessado em: 06/05/2013.
Postar um comentário