quinta-feira, 9 de maio de 2013

Semente de Chia



A chia (Salvia hispanica L) é uma oleaginosa muito nutritiva nativa do sul do México e do norte da Guatemala. A semente de chia contém boas quantidades de gordura, de proteína, de carboidrato, de fibra dietética, vitaminas e minerais, bem como uma quantidade alta de antioxidantes. Os nutrientes que mais chamam a atenção por sua quantidade elevada são os ácidos graxos poli-insaturados (ácido linolênico) e a fibra alimentar (fibra solúvel) (Mohd Ali e cols., 2012).  É importante destacar que a dieta do brasileiro é rica em alimentos ricos em ácidos graxos poli-insaturados n-6, como por exemplo, os óleos de milho, girassol e soja, enquanto que o consumo de alimentos ricos em ácidos graxos poli-insaturados n-3 ainda é baixo. É sabido que a ingestão adequada dessas gorduras tem um papel importante na prevenção e melhora de doenças crônicas não transmissíveis, como a aterosclerose, o diabetes melitus e a obesidade (Andrade & Carmo, 2006; IBGE, 2011). 

Poucos estudos foram conduzidos avaliando o benefício da chia. Um estudo conduzido por Nieman e cols., (2009) avaliou o efeito da semente de chia sobre os fatores de risco associados à obesidade e a perda de peso em adultos com sobrepeso/obesidade. Os autores verificaram que a ingestão de 50 gramas por dia da semente chia por 12 semanas não influenciou a massa corporal ou composição, não acarretando efeitos, também, sobre várias medidas de fatores de risco da obesidade. Por outro lado, em estudo conduzido por Chicco e cols. (2009) sobre dislipidemia e resistência à insulina induzida pela ingestão de uma dieta rica em sacarose, o qual investigou os benefícios da ingestão da semente chia por ratos durante 16 semanas, pôde-se verificar que a semente de chia preveniu o aparecimento de doenças crônicas não transmissíveis, uma vez que, em longo prazo, a semente na dieta reduziu a adiposidade visceral e normalizou os quadros de dislipidemia e a resistência à insulina. No entanto, se tentarmos reproduzir este estudo em humanos, ficaremos impossibilitados de obter estes efeitos benéficos, visto que a quantidade oferecida aos animais é impossível de ser obtida via alimentação. Por outro lado, a suplementação poderia ser uma alternativa mais viável e interessante para se conseguir tais benefícios em humanos. 

O mercado oferece diversas formas de consumo de chia, como por meio da própria semente, do óleo e da farinha, além de cápsulas. Em 2000, as Diretrizes Alimentares dos EUA recomendaram o consumo de até 48 g /dia de semente de chia. Isto representaria a quantidade aproximada de 3 colheres de sopa de semente ou de farinha de chia por dia. No entanto, é importante que as pessoas procurem um nutricionista para avaliar a sua utilização.

O uso histórico de Salvia hispânica L. sugere que este alimento é seguro para consumo por indivíduos não alérgicos (Ulbricht e cols., 2009). No entanto, futuros estudos ainda precisam ser realizados a fim de se comprovar os promissores benefícios à saúde que este alimento pode trazer. Não devemos esperar que um único alimento seja a salvação para todos os problemas de saúde. Uma alimentação balanceada ainda é a chave para se prevenir, curar e/ou controlar doenças.



As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Escrito por:
Mini-currículo- June Carnier

Docente da Universidade de Mogi das Cruzes. Doutora em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (04/2012). Mestre em Ciências pelo Programa de Pós-graduação em Nutrição da Universidade Federal de São Paulo (2008). Graduada em Nutrição pelo Centro Universitário São Camilo (2006). Experiência na área de obesidade, transtornos alimentares e equipe interdisciplinar.


Referências Bibliográficas

- Andrade PMM, do Carmo MGT. Ácidos graxos n-3: um link entre eicosanóides, inflamação e imunidade. Mn – metabólica. 2006;8(3).
- Chicco AG, D'Alessandro ME, Hein GJ, Oliva ME, Lombardo YB. Dietary chia seed (Salvia hispanica L.) rich in alpha-linolenic acid improves adiposity and normalises hypertriacylglycerolaemia and insulin resistance in dyslipaemic rats. Br J Nutr. 2009;101(1):41-50.
- Pesquisa de orçamentos familiares 2008-2009: análise do consumo alimentar pessoal no Brasil / IBGE, Coordenação de Trabalho e Rendimento. - Rio de Janeiro: IBGE, 2011.
- Mohd Ali N, Yeap SK, Ho WY, Beh BK, Tan SW, Tan SG. The promising future of chia, Salvia hispanica L. J Biomed Biotechnol. 2012;2012:171956.
- Nieman DC, Cayea EJ, Austin MD, Henson DA, McAnulty SR, Jin F. Chia seed does not promote weight loss or alter disease risk factors in overweight adults. Nutr Res. 2009;29(6):414-8.
- Ulbricht C, Chao W, Nummy K, Rusie E, Tanguay-Colucci S, Iannuzzi CM, Plammoottil JB, Varghese M, Weissner W. Chia (Salvia hispanica): a systematic review by the natural standard research collaboration.). Rev Recent Clin Trials. 2009;4(3):168-74.




Postar um comentário