segunda-feira, 16 de setembro de 2013

Reeducação Alimentar




A procura por orientação nutricional para perda de peso tem crescido nos últimos anos, em decorrência dos altos índices de excesso de peso e obesidade e da preocupação demasiada com estética, em virtude do padrão de beleza valorizado pela sociedade.

O excesso de peso e a obesidade causam além das complicações fisiológicas e funcionais, que constituem fatores de risco adicionais para doenças cardiovasculares, diabetes e alguns tipos de câncer, problemas de cunho psicológico e social.

     Sabe-se que a obesidade apresenta etiologia multifatorial, na qual há um balanço energético positivo (se consome mais energia do que se gasta), fortemente relacionado aos maus hábitos alimentares e a inatividade física. Atualmente, as opções alimentares escolhidas são aquelas que poupam o tempo disponível para se alimentar e que fornecem elevada densidade calórica, pobre valor nutritivo, excesso de gorduras e açúcares, e são pobres em carboidratos complexos e fibras.

       A mudança ou ao menos a melhora do comportamento alimentar é o foco principal dos profissionais da área de saúde, e também um dos mais difíceis, uma vez que envolve todas as ações com relação ao alimento, inclusive o contexto familiar e social, exposição a um determinado alimento, prestígio destes, preço, religião, geografia, crenças, aspectos sensoriais, neurofisiológicos, e ainda aspectos emocionais e simbólicos.

       É em virtude de todos os fatores que envolvem o hábito alimentar que a adesão e a manutenção à prescrição dietoterápica são frágeis e são desmotivadas com facilidade.

Dietas Milagrosas

      Dietas milagrosa, prometem emagrecimento rápido, seguro, sem sofrimento e crescem na mesma velocidade que o peso da população mundial. A cada quilo a mais que a balança acusa, surgem novas fórmulas ditas infalíveis na roda de amigos e no café entre colegas, na empresa e na universidade. O motivo é o mesmo: pessoas insatisfeitas com a própria silhueta, fora dos padrões de uma sociedade que cultiva a magreza como sinônimo de beleza.

    Além de chás e medicamentos de origem duvidosa, esse mercado de soluções “comprovadas” é composto também por regimes alimentares “infalíveis” que, divulgados na televisão, jornais, revistas e, principalmente, na internet arrebanham milhares de seguidores para testar a promessa de emagrecimento rápido. Esse tipo de dieta existe em inúmeras versões e todas elas têm em comum o fato de apresentar deficiência de nutrientes e não contar, na maioria das vezes, com o aval de profissionais da área de saúde.

      A rápida perda de peso inicial deixa a pessoa motivada e a anima a prosseguir. A questão é que a balança não reflete necessariamente a mudança de composição corporal. Boa parte do peso perdido, principalmente no início, é apenas de líquidos. Ao longo da dieta, além da água, é perdida massa magra (músculo), por causa do desbalanceamento dos nutrientes.

      Aquele que experimenta todos os regimes que entram na moda acaba por acreditar que é um expert em dietas e não precisa aconselhar-se com um nutricionista. Com isso, passa inúmeras vezes pelo ciclo de engordar e emagrecer das dietas muito restritivas, o que prejudica o organismo além de ser extremamente frustrante.


      São comuns as dietas que restringem a ingestão de carboidratos, com consequente aumento do consumo de proteínas e gorduras. Nesses casos, pode haver elevação dos níveis de colesterol, sobrecarga hepática e renal e problemas cardiovasculares.

       Há dietas que prescrevem apenas a alimentação com frutas. Como a maioria delas não oferece nutrientes como ferro, vitamina B12 e cálcio, essa opção é vista como inadequada do ponto de vista nutricional. Também são desaprovadas as dietas que se limitam a tigelas de sopa. Algumas podem ser muito nutritivas e substituir refeições, mas na maioria das dietas da moda os ingredientes são somente verduras cozidas. Nesse caso, faltam nutrientes essenciais, normalmente encontrados em refeições completas, que contêm grãos, carnes e hortaliças.

       Outra modalidade comum de regime alimentar sugere longos períodos à base de líquidos. Embora importantes na dieta, é contra-indicado restringir-se a eles. Por ser muito restritiva, uma dieta assim pode repercutir em danos cerebrais, pois está muito próxima do jejum prolongado, cujos efeitos são deletérios para o sistema nervoso central.

       É fundamental que o profissional de nutrição esteja engajado na divulgação nos malefícios que dietas excessivamente restritivas trazem à saúde. Um dos seus principais papéis é atuar no aspecto educativo para que a pessoa obesa não apenas siga a dieta correta pelo tempo necessário como adquira hábitos que permitam a ela continuar com uma alimentação saudável. Corrigir não é tarefa fácil. Por isso, o profissional também deve insistir na educação nutricional como fator preventivo, principalmente na infância, que é quando se formam os hábitos que os indivíduos tendem a seguir por toda a vida.
 
Dicas Alimentares

1) Consuma diversos tipos de alimentos e, pelo menos, três refeições diárias: café da manhã, almoço e jantar, além de lanches intermediários;

2) Utilize alimentos locais, como arroz, feijão, farinhas, pão, leite, como base de suas refeições. Dê preferência para versões integrais e desnatadas;

3) Consuma sempre muitas frutas, legumes e verduras da época;

4) Consuma carnes, sal e açúcar em quantidades moderadas;

5) Utilize óleo vegetal no preparo da comida e diminua o consumo das gorduras animais;

6) Dê preferências aos alimentos grelhados, assados, ensopados e cozidos;

7) Evite refrigerantes e sucos industrializados, bolos, biscoitos doces e recheados, sobremesas e outras guloseimas;

8) Beba, diariamente, bastante água;

9) Faça as refeições em um ambiente agradável e mastigue bem os alimentos;

10) Torne sua vida mais saudável. Pratique pelo menos 30 minutos de atividade física todos os dias e evite as bebidas alcoólicas e o fumo. Mantenha o peso dentro de limites saudáveis.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:
Alimentação saudável para todos: siga os dez passos. Ministério da Saúde. Disponível em: www.brasil.gov.br Acessado em: 05/02/2013.
Cuppari L. Guias de medicina ambulatorial e hospitalar UNIFESP/ Escola Paulista de Medicina -nutrição clínica no adulto. 1a ed. São Paulo: Manole. 2002. p. 131-150.
Dietas Milagrosas. Rev Nutrir – Revista do Conselho Regional de Nutricionistas, 2009.
Koehnlein, EA; Salado, GA; Yamada, AN. Adesão à reeducação alimentar para perda de peso: determinantes, resultados e a percepção do paciente. Rev Bras Nutr Clin 2008; v.23, n.1: p.56-65.
Postar um comentário