quinta-feira, 13 de março de 2014

Ácido Fólico na Gestação

     
O ácido fólico ou vitamina B9 é uma vitamina hidrossolúvel do complexo B, considerada um nutriente essencial para a gravidez. Também conhecido como folato, quando encontrado naturalmente nos alimentos (termo genérico para os compostos que têm atividade vitamínica similar a do ácido). O termo ácido fólico é a forma sintética encontrada nos suplementos vitamínicos e alimentos fortificados.

O ácido fólico tem papel fundamental na biossíntese de purinas e pirimidinas e, consequentemente, na formação do DNA e RNA, aspecto indispensável ao desenvolvimento fetal.

O consumo de ácido fólico antes e durante a gestação reduz as chances de malformação no tubo neural (anencefalia e a espinha bífida), lábio leporino e fenda palatina; malformações cardíacas e do trato genito-urinário; prematuridade e baixo peso ao nascimento. As gestantes são propensas a desenvolverem deficiência de ácido fólico provavelmente devido ao aumento da necessidade deste nutriente para o crescimento fetal e dos tecidos maternos. Outros fatores que contribuem para a deficiência de ácido fólico são: a dieta inadequada, hemodiluição fisiológica gestacional (aumento do plasma sanguíneo) e influências hormonais.

A deficiência de folato na mulher grávida tem sido relacionada além da anemia megaloblástica, a uma série de complicações obstétricas, particularmente sangramento no terceiro trimestre, aborto, deslocamento da placenta, prematuridade, baixo peso do bebê ao nascer, hipertensão específica da gravidez.

Sua absorção (50%) ocorre no intestino delgado. Circula livremente ou ligado as proteínas no organismo, sendo estocado principalmente no fígado. Excretado minimamente por meio das fezes e da urina, uma vez que a maior parte do folato alimentar absorvido é reabsorvida via circulação entero-hepática. Também pode ser sintetizado pelas bactérias intestinais.


As principais fontes alimentares de folato são espinafre, feijão branco, ervilha, aspargos, hortaliças de folha verde escura, couve-de-bruxelas, soja e derivados, laranja, melão, maçã, brócolis, gema de ovo, fígado, peixes, gérmen de trigo, salsinha, beterraba crua, amendoim, grãos integrais, castanhas e cereais prontos fortificados. O cozimento prolongado dos alimentos pode destruir até 90% do ácido fólico.

A suplementação de folato deve ser iniciada ainda antes da concepção, pois o tubo neural, estrutura precursora do cérebro e da medula espinhal, se fecha de 22 a 28 dias após a concepção, ou seja, antes mesmo da mulher constatar a gravidez, que geralmente acontece somente após o atraso da menstruação, em geral 20 a 30 dias após a concepção.

Segundo as recomendações dietéticas, as mulheres que pretendem engravidar devem consumir 400µg/dia de ácido fólico proveniente de suplementos e/ou alimentos fortificados além de uma dieta com fontes naturais de ácido fólico, e mulheres grávidas devem consumir 600µg/dia, valores difíceis de serem alcançados por alimentação básica.

Em situações específicas, tais como mulheres que tiveram filhos com defeito do tudo neural (DTN) ou que apresentam ocorrência desse tipo de problema na família, com antecedentes de filhos com ou sem familiares, o Comitê de Drogas e Nutrição da Academia Americana de Pediatria recomenda 4 a 5mg/dia de folato sob supervisão médica pelo menos um mês antes do início da gestação e nas primeiras oito semanas gestacionais. O DTN refere-se a recém-nascidos que apresentam deficiências congênitas como mielomeningocele, hidrocefalia, anencefalia (más-formações relativas à medula).

Atualmente, aproximadamente 40 países, sendo a maioria da América do Sul e, em menor proporção, da África e Ásia, tornaram obrigatória a fortificação da farinha de trigo com ácido fólico. No Brasil, essa prática foi adotada desde junho de 2004. Em 2002, a Agência de Vigilância Sanitária (ANVISA), por meio da Resolução nº 344, determinou a obrigatoriedade da fortificação das farinhas de trigo e milho com ácido fólico e ferro no Brasil. Segundo a legislação, cada 100 gramas de farinhas de milho e trigo deverão conter, no mínimo, 4,2mg de ferro e 150mg de ácido fólico.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Accioly, E; Saunders, C; Lacerda, EMA. Nutrição em Obstetrícia e Pediatria. 1 ed. Rio de Janeiro: Cultura Médica 2004.

Brandalize, APC. Análise dos fatores genéticos e ambientais relacionados ao metabolismo do ácido fólico/homocisteína como fatores de risco para a síndrome de down e suas malformações maiores. [Tese de Doutorado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2009.

Lewinski, IW. Qual a importância do ferro, ácido fólico e cálcio na saúde da mulher? Disponível em: www.nutritotal.com.br Acessado em: 03/03/2014.

Mezzomo, CLS. Et al. Prevenção de defeitos do tubo neural: prevalência do uso da suplementação de ácido fólico e fatores associados em gestantes na cidade de Pelotas, Rio Grande do Sul, Brasil. Cad. Saúde Pública, 2007; v.23, n.11: p. 2716-2726.

Oliveira, JM. A importância do ácido fólico na gestação. Disponível em: www.nutrociencia.com.br Acessado em: 03/03/2014.

Uehara, SK; Rosa, G. Associação da deficiência de ácido fólico com alterações patológicas e estratégias para a sua prevenção: uma visão crítica. Rev Nutr. 2010; v.23, n.5: p. 881-894.

Vidigal, FC. Deficiência de vitamina B12 e ácido fólico e sua relação com a aterosclerose. [Monografia de Especialização]. Grupo de Apoio a Nutrição Enteral e Parenteral – GANEP, 2010.

Vitolo, MR. Nutrição: da Gestação à Adolescência. 1 ed. Rio de Janeiro: Reichmann & Affonso Editores, 2003.


Vitolo, MR. Nutrição: da Gestação ao Envelhecimento. 1 ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2008.
Postar um comentário