quinta-feira, 4 de setembro de 2014

Diarreia


        A diarreia é caracterizada por evacuações líquidas acima de três episódios por dia, que podem levar à desidratação pela perda de líquidos e eletrólitos (sobretudo sódio e potássio) do seu organismo.

      São várias as causas da diarreia; dentre elas a gastroenterite viral, alimentos e/ou água contaminada e algumas doenças.


Quadro 1. Classificação e etiologia da diarreia.


Tipo de Diarreia
Etiologia
Osmótica
Presença no intestino de solutos osmoticamente ativos, inadequadamente absorvidos (por exemplo: na deficiência de lactase).
Secretória
Ocorre secreção ativa de eletrólitos e água pelo epitélio intestinal (por exemplo: por exotoxinas bacterianas, por vírus).
Exsudativa
Associadas a lesões de mucosa, que levam à eliminação de muco, sangue e proteínas plasmáticas (por exemplo: colite ulcerativa, enterite por radiação).
Contato mucoso limitado
Condições em que há exposição inadequada do quimo no epitélio intestinal (por exemplo: síndrome do intestino curto).
Fonte: Cuppari, 2002.

Recomendações Nutricionais:

● Beba muito líquido durante o dia. Isso é muito importante, porque o corpo pode deixar de absorver água suficiente para repor as perdas durante a diarreia. A água de coco é interessante por ser rica em potássio, bebidas isotônicas também podem ser usadas;

● Normalmente o leite e seus derivados são evitados porque o nível de lactase nos enterócitos encontra-se diminuído e pode haver intolerância;

● Procure ingerir alimentos como banana, maçã sem casca, goiaba sem casca e sementes, limão (refresco coado), água de coco, caju, batatas, chuchu, cenoura cozida, aipim, inhame, cará, creme ou água de arroz, pois eles ajudam a controlar ou evitar a diarreia. Além destes, você pode comer arroz, macarrão com molho caseiro coado, farinhas, torradas, biscoito água e sal ou de maisena, gelatina, pera sem casca, carnes grelhadas (frango, peixe ou boi) e leite de soja (que deve ser utilizado também nos casos de rejeição ao leite de vaca);

Evite frituras e alimentos gordurosos, verduras, mamão, laranja, ameixa e aveia, condimentos fortes como pimenta, além do leite e seus derivados;

● Lembre-se de lavar sempre as mãos, principalmente antes das refeições, para evitar contaminação, que pode levar a infecções intestinais.

Dica:

Se a diarreia for muito persistente, faça um soro caseiro, desta forma:

- 1 litro de água mineral ou de água fervida (mas já fria);
- 1 colheres de sopa rasa de açúcar;
- 1 colher (tipo cafezinho) de sal.

                  OU 

- 1 copo de água
- 1 medida rasa de sal (da colher-padrão*)
- 2 medidas rasa de açúcar (da colher-padrão*)

Essa colher padrão é fornecida em qualquer posto de saúde, gratuitamente. 

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Referências Bibliográficas:

Baxter YC, Waitzberg DL. Nutrição Oral nas Afecções Digestivas Cirúrgicas. In: Waitzberg DL, eds. Nutrição Oral, Enteral e Parenteral na Prática Clínica, 3ª edição. São Paulo, Atheneu, 2001. pp 481-512.

Caderneta de saúde da criança. Ministério da saúde, 2007. Disponível em: http://189.28.128.100/nutricao/docs/geral/caderneta_saude_da_crianca.pdf. Acessado em: 04/09/2014.

Caruso, L; Simony, RF; Silva, ALND. Dietas Hospitalares: Uma Abordagem na Prática Clínica. 1. ed. São Paulo: Editora Atheneu, 2004.

Cuppari, L. Nutrição Clínica no Adulto. 1 ed. Barueri: Manole, 2002.

Diarreia e desidratação. Dicas em saúde. Ministério da saúde. Disponível em: http://bvsms.saude.gov.br/bvs/dicas/214_diarreia.html Acessado em: 04/09/2014.
Postar um comentário