domingo, 23 de dezembro de 2012

Ceia de Natal


Fim de ano, festas, comilança.....

Até parece que foi um dia destes o Natal de 2011, e já estamos novamente bem próximos das festas de fim de ano. Cada vez mais parece que o tempo voa.

Quando paro para pensar, me lembro das festas do tempo de criança, com presentes, brinquedos e muita comida sobre a mesa. Apesar do passar dos anos, a tradição continua.

Hoje, como profissional experiente, reflito sobre a ceia de Natal daquela época e de agora. Percebo que apesar dos modismos, as preparações básicas da ceia não mudam, às vezes com uma “roupagem” nova, mas o assado, as frutas frescas e secas, as castanhas e nozes, os bons vinhos não deixam de ter seu destaque nesta noite tão importante para a maioria das pessoas, apesar de muitas vezes nem lembrarem o motivo de tanta festa.

No meu modo de ver, como deve ser uma ceia de Natal? Vamos começar pela parte sensorial. Não só neste dia, mas deveríamos sempre nos preocupar com a aparência, com a decoração dos pratos. Nada melhor para aguçar a vontade de comer do que uma travessa com alimentos coloridos, frescos, bem distribuídos, com cortes adequados para cada tipo de alimento, enfeitados. A forma como o alimento é apresentado, o aspecto é o primeiro passo para despertar o desejo de comê-lo.

Depois do visual explorado, podemos passar para o olfato. O aroma, o cheiro aguça o interesse pelo alimento, e as ervas aromáticas são excelentes para este propósito. Não podemos deixar de lado o azeite de oliva, que além de aromatizar, faz muito bem à saúde.

A textura do alimento, ou seja, sua crocância, obtida com as castanhas, maciez, com as frutas secas, suculência, com os molhos, cremes, ajudam a complementar o quadro.

Mas falta um sentido, segundo muitos, o mais importante, o paladar. O sabor das preparações deve fazer as pessoas perderem o fôlego (brincadeirinha). A finalização de toda esta parte sensorial culmina com o sabor que deve estar em sintonia com os demais sentidos.

Alimentos frescos, de preferência orgânicos, devem fazer parte desta festa. Entradas, petiscos, saladas, com hortaliças e frutas, sucos naturais além de serem menos calóricos, são fonte de vitaminas, minerais e compostos bioativos. São alimentos fundamentais na prevenção de várias doenças, incluindo nesta lista diabetes, dislipidemias, doenças coronarianas, câncer e muitas outras.

Infelizmente, o brasileiro tem consumido cada vez mais alimentos industrializados em detrimento dos mais naturais. Os paulistanos ou moradores de grandes cidades logo pensam que é por causa da correria do dia a dia, que falta tempo para preparar os alimentos in natura, e, portanto mais fácil utilizar alimentos semi ou mesmo já prontos. O que não se imagina é que moradores da zona rural consomem menos frutas e hortaliças do que moradores da área urbana.

Este é o momento de começar a aumentar o consumo de hortaliças e frutas. Estes são os alimentos que dão cor ao prato devido a sua pigmentação. Não só deixam a refeição mais atrativa, mas mais nutritiva.


O assado sempre é a atração da noite. É bom mesmo que esta carne seja preparada desta forma, pois assim, o excesso de gordura acaba indo para a assadeira. Só é necessário ter cuidado para não usar esta gordura eliminada no preparo de farofas e molhos.Normalmente as aves têm menos gordura do que o pernil, leitão, cabrito, carneiro. Diferentes e boas substituições para o peru, e chester são as codornas, o marreco e o próprio frango. 

O peixe, não muito utilizado nas ceias também é uma ótima opção. Menos calórico e ainda se for oriundo de águas salgadas e profundas, melhor ainda, porque terá em sua composição o tão importante para nossa saúde, ômega 3.

As nozes, amêndoas, avelãs, castanhas, castanhas-de-caju, castanhas-do-Brasil, macadâmias podem ser usadas nas preparações que vão acompanhar a carne. Sempre dão crocância, sabor e o mais importante, são alimentos que contêm boas fontes de lipídeos e proteínas, mas cuidado com os exageros, porque são bastante calóricas.


 Essas nozes e sementes são boas fontes de fitoesteróis, e de minerais, principalmente cálcio, ferro, zinco, selênio e potássio; de tocoferóis, e de fibras alimentares insolúveis. Esses alimentos contêm alta densidade de nutrientes e de substâncias bioativas que potencializam seus efeitos benéficos à saúde.


Alternativas saudáveis e saborosas para as guarnições são os mix de cereais integrais com nozes, a quinua com lascas de amêndoa, massas com recheios com castanha do Brasil ou de caju, é só usar a imaginação....


As sobremesas finalizam a ceia. Doces ou frutas? As frutas são mais bem-vindas do que os doces, mas quem não consegue festejar sem os mesmos, que tal compota com frutas frescas e secas? Além de serem deliciosas, são menos calóricas do que tortas, cremes, chantili, dentre outros.


Sabe-se que a presença de parentes e amigos e também refeições muito demoradas, propiciam o aumento do consumo de alimentos. E normalmente, é isto que ocorre nas festas de fim de ano, sem contar que na maioria das vezes estas festas são repletas de alimentos altamente calóricos, gordurosos e com muito açúcar.

No final das contas sempre se come um pouco mais do que se deveria, e se isto for inevitável, ou mesmo para os que conseguem manter seu ritmo normal de alimentação, tenha sempre preparações apetitosas mais saudáveis para propiciar escolhas mais apropriadas.

O importante é festejar, é estar com a família, com os amigos e com o propósito de que no próximo ano tentaremos ser e fazer melhor.  


  


Texto elaborado por:  Profa Dra Liliana Mistura
                                             Nutricionista, mestre e doutora em Ciência dos Alimentos pela USP.
                                             Professora na Faculdade de Medicina do ABC no curso de Nutrição.
                                             Professora da Universidade Nove de Julho nos cursos de Nutrição e Medicina.

 
Referências Bibliográficas:
 
Freitas JB, Naves MMV, Composição química de nozes e sementes comestíveis e sua relação com a nutrição e saúde. Rev. Nutr., Campinas, 2010; 23(2):269-279.

Levy-Costa RB, Sichieri R, Pontes NS, Monteiro CA.  Disponibilidade domiciliar de alimentos no Brasil: distribuição e evolução (1974-2003). Rev Saúde Pública, 2005; 39(4):530-40.

Toral N, Slater B. Abordagem do modelo transteórico no comportamento alimentar. Ciência & Saúde Coletiva, 2007; 12(6):1641-1650.

Postar um comentário