segunda-feira, 16 de junho de 2014

Chá Verde

O chá é uma bebida amplamente utilizada, apresentando um consumo mundial per capita de, aproximadamente, 120mL/dia, perdendo apenas para a água como a bebida mais consumida no mundo. Dependendo do nível de fermentação ou oxidação, o chá proveniente das folhas da Camellia sinensis pode ser categorizado em três tipos: chá verde, o qual não sofre fermentação durante o processamento e deste modo retém a cor original de suas folhas, sendo amplamente consumido em países da Ásia; o chá oolong o qual é parcialmente fermentado, resultando em um chá verde-preto, tendo sua produção e o consumo acentuados na China; e o chá preto, cujo processo de fermentação é maior do que o do chá oolong, contribuindo assim para uma coloração escurecida, além de lhe conferir sabor característico.

            O chá verde contém componentes polifenólicos, que incluem flavonóis, flavonoides e ácidos fenólicos, que totalizam cerca de 30% do peso seco das folhas. A maioria dos polifenóis do chá verde se apresentam como flavonóis, e dentre estes, predominam as catequinas. As principais catequinas do chá verde são: epicatequina (EC), 3-galato de epicatequina (GEC), epigalocatequina (EGC) e 3-galato de epigalocatequina (GEGC).


                                Fonte: Lamarão & Fialho, 2009.

Uma típica bebida de chá verde, preparada em uma proporção de 1 grama de folhas para 100mL de água por 3 minutos de fervura, geralmente, contém cerca de 35-45 mg/100mL de catequinas e 6 mg/100mL de cafeína, dentre outros constituintes. Estimou-se que uma xícara de 240mL de chá verde contém cerca de 200mg de GEGC, o maior constituinte polifenólico do chá verde.

As catequinas são flavonóides que auxiliam contra diversos tipos de câncer, pois agem varrendo os radicais livres que oxidam as células no nosso organismo. Estas substâncias favorecem ainda a remineralização óssea, sendo ótima para evitar osteoporose; outros benefícios são atividade antibacteriana (atua contra diversas bactérias), antivirótica (age contra diversos tipos de vírus), antifibrótica (age contra o endurecimento das artérias e de outras fibras ligadas a diversos órgãos, auxiliando também como anti-inflamatório) e neuroprotetora (protege os neurônios contra o envelhecimento precoce e contra sua perda), além de ser excelente fonte de antioxidantes no combate ao envelhecimento precoce de maneira geral.

Câncer

      O consumo de chá tem-se mostrado prática protetora contra agentes químicos indutoras de carcinoma (câncer) no estômago, pulmão, esôfago, duodeno, pâncreas, fígado, mama, cólon. Vários derivados de epicatequina presentes nos chás verdes têm mostrado atividade em reduzir e impedir a formação de tumores cancerígenos. O mais ativo deles é a epicatequina-3-galato (EGCG). Embora os mecanismos dos efeitos quimiopreventivos do chá não estejam completamente esclarecidos, várias teorias têm sido propostas. Essas propriedades dos polifenois dos chás exibem efeito quimiopreventivo contra agentes de iniciação, promoção e progressão no desenvolvimento dos cânceres.

        Parece que as substâncias presentes no chá verde, principalmente a EGCG, evitam o sangramento de tumores de pele, impedem o aparecimento de lesões cancerosas no estômago, ajudam no tratamento do câncer de intestino e desestimulam a proliferação das células cancerígenas do pulmão.

       As catequinas e outros bioflavoides exibem atividade antioxidante semelhante à das vitaminas C e E, que também demonstram reduzir o risco de certos tipos de câncer, quando administradas como suplementos ou constituem naturalmente parte importante da alimentação.

Obesidade


Entre uma variedade de efeitos benéficos do chá verde, grande atenção tem sido dada à redução da gordura corporal. Evidências sugerem que o extrato do chá verde contendo 25% de epigalocatequina (GEGC) possa reduzir o apetite e aumentar o catabolismo de gorduras. As doses de chá verde que surtem tais efeitos variam largamente, mas tipicamente ficam em torno de 3 copos por dia, equivalente a, aproximadamente, 240 a 320mg de polifenois.

Alguns autores estudaram o efeito do chá verde no conteúdo de gordura e de proteína corporal, na ingestão alimentar, na digestibilidade e na energia despendida em ratos que foram alimentados com uma dieta hiperlipídica (30% de gordura). Os autores também avaliaram se os efeitos do chá estavam associados à ativação do β-adrenoreceptor e da termogênese no tecido adiposo marrom. Um dos grupos experimentais que recebeu alta concentração de gordura na sua dieta associada ao extrato aquoso de chá verde (ECV) na concentração de 20g/kg de dieta preveniu o incremento no ganho da gordura corporal sem afetar a ingestão energética e o peso corporal, quando comparado com o grupo controle, que recebeu dieta normolipídica. A administração simultânea de propranolol, um antagonista de β-adrenoreceptor, na concentração de 500mg/kg de dieta, inibiu o efeito supressor do chá verde em relação à gordura corporal e ao conteúdo protéico no tecido adiposo marrom. O autor concluiu que o efeito inibidor promovido pelo chá verde no ganho de gordura corporal em ratos com dieta contendo alto teor de gordura foi resultante, em parte, da redução na digestibilidade e do incremento da termogênese e do conteúdo proteico no tecido adiposo marrom pela ativação do β-adrenoreceptor.

Em estudo semelhante, investigou o efeito das catequinas do chá verde no metabolismo lipídico, no status antioxidante e no excesso de massa corporal em ratos durante a administração de uma dieta hiperenergética por 7 semanas. Um dos grupos experimentais recebeu as catequinas na quarta semana de experimento e ao final do tratamento esse grupo apresentou diminuição na concentração de colesterol total, triglicerídeos, LDL (lipoproteína de baixa densidade) e de gordura visceral.

Estilo de vida saudável, associado a uma dieta adequada, prática de exercícios físicos, abstinência de bebidas alcoólicas e do tabaco, podem combater a doença além de contribuírem para a melhora da qualidade de vida. Além disso, o consumo de certos alimentos funcionais, que produzem efeitos metabólicos, fisiológicos e benéficos à saúde parece ser muito útil no controle do peso. Enquanto alguns desses alimentos são capazes de promover saciedade, caso das fibras, outros possuem ação termogênica e aumentam a oxidação de gorduras, como é o caso do chá verde.

Doenças Cardiovasculares

            A presença dos antioxidantes naturais parece conferir o segundo principal benefício do chá verde, que é a probabilidade de redução do desenvolvimento da doença arterial coronária. A oxidação das lipoproteínas de baixa densidade (LDL) é uma das causas importantes no desenvolvimento da doença coronária.

            Alguns estudos realizados em animais, sobre a oxidação lipídica, revelaram que certas catequinas são cerca de 10 vezes mais eficazes, como antioxidantes, do que a vitamina E. Os flavoides existentes no chá verde também demonstraram, em experiências laboratoriais, limitar a peroxidação potencialmente prejudicial das LDL. Também existem provas de que as catequinas existentes no chá verde poderão reduzir o aumento da taxa de colesterol e, em particular, do colesterol LDL, quando é administrada aos animais experimentais dieta rica em gorduras.

Dica:

► Calcule uma colher rasa do chá verde para cada xícara de água fervendo. Deixe-o em infusão por 4 a 8 minutos, tempo necessário para os princípios ativos passarem para a água.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Referências Bibliográficas:

Cardoso, GA. Chá verde: uma planta milenar a favor da saúde. Disponível em: www.alimentofuncional.webnode.com Acessado em: 02/06/2014.

Cardoso, GA. Efeito do consumo de chá verde aliado ou não ao treinamento de força sobre a composição corporal e a taxa metabólica de repouso em mulheres com sobrepeso ou obesas. [Dissertação de Mestrado] Universidade de São Paulo – USP, 2011.

Chá verde é aliado na perda de peso e gordura corporal. Disponível em: www.usp.br Acessado em: 04/06/2014.

Grenteski, J. Chá verde na prevenção do câncer. Disponível em: www.nutritotal.com.br Acessado em: 02/06/2014.

Lamarão, RC; Fialho, E. Aspectos funcionais das catequinas do chá verde no metabolismo celular e sua relação com a redução da gordura corporal. Rev Nutr 2009; v.22, n.2: p. 257-269.

Resende, FCP; Cordeiro, R; Navarro, F. O Papel do chá verde na alteração da composição corporal de indivíduos obesos sedentários. Rev Bras Nutr Esportiva 2009; v.3, n. 18: p. 529-536.


Salgado, JM. Faça do alimento o seu medicamento. 7. ed. São Paulo: Madras, 2004. p.51-53.
Postar um comentário