segunda-feira, 9 de junho de 2014

CONDUTA NUTRICIONAL NO TRATAMENTO DA HIDROLIPODISTROFIA

A busca de um corpo perfeito com minimização da celulite tem se tornado assunto de destaque em todo o mundo. A celulite ou hidrolipodistrofia ocorre em maior incidência nas mulheres, podendo acometer qualquer parte do corpo exceto couro cabeludo, palmas das mãos e dos pés. É caracterizada por um aspecto acolchoado ou “casca de laranja“. A exata etiologia da celulite é desconhecida, contudo fatores genéticos, hormonais, sexo, hipertensão arterial, obesidade, fumo, sedentarismo e má alimentação predispõem o aparecimento da hidrolipodistrofia.

CONDUTA NUTRICIONAL NO TRATAMENTO DA HIDROLIPODISTROFIA

São vários os fatores que contribuem para desenvolver ou agravar o surgimento da hidrolipodistrofia, sendo um deles, maus hábitos alimentares. A nutrição é o campo da área da saúde mais promissor para que a população permaneça em excelente estado de saúde, promovendo uma pele mais saudável com minimização da hidrolipodistrofia. Sendo, um dos meios mais saudáveis para se combater a hidrolipodistrofia em detrimento de outras técnicas, como o uso indiscriminado de medicamentos, cirurgias plásticas e tratamentos estéticos. Ainda há falta de estudos mais recentes sobre o tema, que elucidem seu quadro multifatorial, além de pesquisas sobre a relação da nutrição com a mesma (SCHNEIDER, 2009).

De acordo com Sandoval (2003), o tratamento não promove a cura da celulite, mas uma melhora de seu aspecto. Na literatura há poucos estudos bibliográficos, o que limita a comprovação científica da conduta nutricional do tratamento e da prevenção. Entretanto, percebe-se na prática clínica e por meio de dados subjetivos e objetivos (perimetria e registro fotográfico) que há uma melhora considerável no quadro quando considerada a seguinte conduta: dieta anti- inflamatória, dieta desintoxicante, dieta de baixo índice glicêmico (IG) e carga glicêmica (CG). Juntamente, com o controle do efeito tóxico da constipação intestinal, acúmulo do tecido adiposo, permeabilidade capilar, fator hormonal e insuficiência linfática.

DIETA ANTI-INFLAMATÓRIA

O processo inflamatório é a principal característica das desordens cutâneas, a nutrição pode auxiliar na melhora dos sintomas por meio da modulação do sistema inflamatório (BRIGANTI & PICARDO, 2003). O alto consumo dietético de açúcares e gorduras saturadas está associado com aumento dos níveis circulantes de glicose e ácidos graxos livres (KLEIN et al, 1998; KELLEY, 2003), gerando glicotoxicidade e lipotoxicidade, que alteram a função mitocondrial, promovendo um aumento na formação de radicais livres e, consequentemente, aumento de substâncias pró-inflamatórias (BELLIN et al, 2006; MEYER et al, 2006). Dentre os nutrientes e fitoquímicos que tem ação de modular o estado inflamatório são: ômega 3 (HUDERT et al, 2006), lignanas (NAM, 2006; LEE et al, 2005), catequinas (ANDREADI et al, 2006; HAN et al, 2006; PFEFFER et al, 2005), beta-glucanas (EVANS, et al 2005), curcumina (KIM et al, 2005) antocianinas (PERGOLA, et al 2006; AFAQ, et al 2005), ácidos graxos insaturados (MORENO, 2003) e isoflavonas (LAM et al, 2004; SEAVER &SMITH, 2004).



DIETA DESINTOXICANTE

Arcangeli (2002), expressa que uma dieta equilibrada, rica em frutas e verduras, com baixo teor de gordura saturada e trans e com moderado consumo de sal e açúcar, garante um organismo mais harmonioso, livre de toxinas e que uma importante forma de eliminação de toxinas do corpo é o consumo de água. Para reduzir o consumo de sal é preciso diminuir tanto o consumo de alimentos processados com a alta quantidade de sódio e evitar adicionar sal aos alimentos já preparados. Produtos enlatados têm até 20 vezes mais sal que o produto natural (PUJOL, 2011).

DIETA DE BAIXO ÍNDICE GLICÊMICO (IG) E CARGA GLICÊMICA (CG)

Jenkins e colaboradores (1981) constataram que as dietas de alto IG apresentam menor poder de saciedade, resultando em excessiva ingestão alimentar e favorecendo o aumento do peso corporal, que de acordo com Francischelli (2003), há uma relação direta entre gordura corporal total ou regional aumentada com hidrolipodistrofia. Além disto, Fonseca-Alaniz et al (2006) observaram que, a dieta de alto IG poderia contribuir para a isquemia e a redução do fluxo sanguíneo, uma vez que, na hidrolipodistrofia há um comprometimento circulatório com redução do fluxo sanguíneo. Já dieta de alta CG promove a hiperinsulinemia, que favorece hipertrofia dos adipócitos, inibe a lipólise e pode contribuir para elevar os níveis de estrogênio, importante hormônio desencadeador da hidrolipodistrofia, já que o aumento da adiposidade influencia a síntese e a viabilidade dos hormônios esteroides sexuais.    Dieta de baixo IG é recomendada, tendo em vista a redução do fluxo sanguíneo, estimulo da lipogênese e inibe lipólise, retém líquido por reabsorção de sódio e água, favorece a síntese de estrogênios e o processo inflamatório. (PUJOL, 2011).

EFEITO TÓXICO DA CONSTIPAÇÃO INTESTINAL

A constipação intestinal é um fator predisponente da hidrolipodistrofia (SCHNEIDER, 2009). Para que se possa controlar o efeito tóxico da constipação intestinal devemos incluir na alimentação alimentos que possuam fibras alimentares, prebióticos e probióticos (MALETT et al, 2002; SAAD, 2006).




 As fibras insolúveis agem acelerando o trânsito intestinal (BORTOLOTTI et al, 2008) e aumentando o peso das fezes por trabalho mecânico de absorção de água em sua matriz (NELSON et al, 1994). As fibras insolúveis (75% da RDA de fibras totais) estão presentes em farelos de cereais, grãos integrais entre outros (COZZOLINO & COLLI, 2001).  As fibras solúveis desempenham papel importante no trânsito intestinal, não apenas pela ação mecânica de captação de água, mas essencialmente por serem matéria-prima de fermentação bacteriana, aumentando, assim, a microbiota saudável (TAN & SEOW-CHOEN, 2007). Já os probióticos são organismos vivos que, quando administrados em quantidades adequadas, conferem benefícios á saúde do hospedeiro (FAO-WHO, 2001). Os principais microrganismos bacterianos considerados como probióticos são aqueles dos gêneros Lactobacillus e Bifidobacterium, além de Escherichia, Enterococcus e Bacillus. Os prebióticos encontram-se em formulações disponíveis comercialmente em produtos como leites fermentados e iogurtes, contendo culturas probióticas (BELLO & WITT, 2011). E por fim, os prebióticos estimulam seletivamente as bactérias ou colônias de bactérias da microbiota do cólon intestinal quando chegam ao intestino delgado, proporcionando efeito benéfico á saúde do indivíduo (FAO-WHO, 2002). A inulina e os FOS são os principais prebióticos encontrados nos alimentos. A inulina está presente em quantidade significativa nos vegetais. Os FOS são produzidos a partir da inulina fermentada por bifidobacterias, a recomendação de FOS é em média 3 a 10 gs-dia (FREITAS & NAVES, 2010).

            Juntamente com os termos descritos acima, a ingestão hídrica adequada é de extrema importância, sendo indispensável na elaboração do bolo fecal e com propriedade detoxificantes (SOARES & OLIVEIRA, 2007) e evitando o consumo de cereais refinados ou polidos, como arroz branco, além de alto consumo de proteínas e gorduras, pois dificultam a digestão e o peristaltismo intestinal (GARCIA, 2003).

REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS

ANDREADI, C.K. et al. Involvement of Nrf2, p 38, B-Raf, and nuclear factor-kappa B, bur not phosphatidymositol 3-kinase, in induction of hemeoxygenase- I by dietary polyphenols. Mol Pharmacol 2006; 69(3):1033-40.
ARCANGELI C. Beleza para a vida inteira. São Paulo: Senac, 2002.
BELLIN, C. et al. Generation of reactive oxygen species by endothelial and smooth muscle cells: influence of hyperglycemia and metformin. Horm Metab Res2006; 38 (11):732-9.
BELLO, B. GABRIELA; WITT, Z.G.J. Manual de Atendimento em Nutrição Estética 2edição, 2011.
BRIGANTI, S.; PICARDO, M. Antioxidant activity, lipid peroxidation and skin diseases. What’s new. J Eur Acad Dermatol Venereol 2003; 17(6): 663-9.
COZZOLINO, S.M.F; COLLI, C. Uso e aplicações das DRIs: Novas recomendações de nutrientes e interpretação e utilização, 4-15p. 2001.
FAO-WHO. Evaluation of health and nutritional properties of probiotics in food including powder milk with live lactic acid bacteria. Córdoba, 2001.
FONSECA-ALANIZ, M.H “et al.” O tecido adiposo como centro regulador do metabolismo. Arq Bras Endocrinol Metab 2006; 50 (2):216-29.
FRANCISCHELLI, R.T; NETO, M.F; OLIVEIRA, A.P. Estudo da Composição Corporal e suas Implicações no Tratamento da Hidrolipodistrofia e da Síndrome de Desarmonia Corporal. Revista Oficial da Sociedade Brasileira de Medicina Estética 2003.
FREITAS, J.B; NAVES, M.M. Composição química de nozes e sementes comestíveis e sua relação com a nutrição e saúde. Revista de Nutrição 2010.
GARCIA, D.R.W. Reflexos da globalização na cultura alimentar: considerações sobre as mudanças na alimentação urbana. Campinas, Rev Nutr 2003.
HAN, D.W. LIM, H.R, BAEK, H.S. et al. Inhibitory effects of epigallocatechin-3-O-gallate on serum-stimulated rat aortic sfhooth muscle cells via nuclear faxtor-kappa B down-modulation. Biochem Biophys Res Commun 2006; 345(1):148-55.
HUDERT, C.A.; WEYLANDT, K.H.; LU, Y. et al. Transgenic mice rich in endogenouns omega-3 fatty acids are protected from colitis. Proc Natl Acad Sci U S A 2006; 103(30):11276-81.
JENKINS, D.J; et al. Glycemic índex of foods: a physiological basis for carbohydrate exchange. Am J Clin Nutr 1981; 34(3):362-6.
KLEIN, C .J.; STANEK, G.S.;WILES, C.E. Overfeeding macronutrients to critically ill adults : metabolic complications. J Am Diet Assoc 1998; 98(7):795-806.
 KELLEY, D.E. Sugars and starch in the nutritional management of diabetes mellitus. Am J Clin Nutr 2003; 78 (4): 858S-864S.
LAM, N.A.; DEMASI, M.; JAMES, M.J. et al. Effect of red clover isoflavones on Cox-2 activity in murine and human monocyte-macrophage cells. Nutr Cancer 2004; 49(1): 89-93.
LEE, J.; JUNG, E.; J. et al. Anti-inflammatory effects of magnolol and honokiol are mediated through inhibition of the downstream pathway of MEKK-I in NF-kappa B activation signaling. Planta Med 2005; 71(4): 338-43.
MALETT, J.A; MCBURNEY, M.I; SLAIN, J.L. American Dietetic Association. Position of the American Dietetic Association: health implications of dietary fiber. J Am Diet Assoc 2002; 102:933 1000.
MEYER, L.E.; MACHADO, L.B.; SANTIAGO, A.P. et al. Mitochondrial creatine kinase activity prevents reactive oxygen species generation: antioxidant role of mitochondrial kinase-dependent ADP re-cycling activity. J Biol Chem 2006; 281 (49): 37361-71.
MORENO. J.J. Effect of olive oil minor components on oxidative stress and arachidonic acid mobilization and metabolism by macrophages RAW 264.7. Free Radic Biol Med 2003; 35(9): 1073-81.
NAM, N.H. Naturally occurring NF-kappa B inhibitors. Mini Rev Med Chem 2006; 6(8):945-51.
NELSON, J.L.; ALEXANDER, W.; GIANOTTI, L. Influence of dietary fiber in microbial growth in vitro and bacterial translocation after burn injury mice. Nutrition 1994; 10:32-36.
PFEFFER,U.; FERRARI, N.; DELL’EVA, R.et al. Molecular mechanisms of action of angiopreventive anti-oxidants on endothelial cells: microarray gene expression analyses. Mutar Res 2005; 591(1-2):198-211.
PUJOL, A.P. Nutrição Aplicada á Estética. 1ed. Editora: Rubio 2011.
SEAVER, B.; SMITH, J.R. Inhibition of COX isoforms by nutraceuticals. J Herb Pharmacother 2004; 4(2):11-8. Ciências Farmacêuticas, v.42, n 1.jan-fev. 2006;
SANDOVAL, B. Fibroedema gelóide subcutâneo: qué conocemos de esta entidad clinica Folia Dermatol 2003; 14(1)38-42.
SCHNEIDER, A. P. Nutrição Estética. São Paulo:Editora Atheneu, 2009.
SOARES, M.C.L.; OLIVEIRA, R.C. Driblando a celulite. Rev. Nutrição em Pauta. Ano IV, n 20, São Paulo, set-out 2007.
TAN, K.Y.; SEOW-CHOEN, F. Fiber and colorectal diseases: separating fact from fiction.World J Gastroenterol 2007; 13(31):4161-7.

Texto elaborado por: Dra. Juliana Gonçalves
Nutricionista. Mestre e Doutora em Ciências da Saúde pelo Instituto de Cardiologia, RS.
 Especialista em Nutrição Clínica pela ASBRAN.
Especialização em Fitoterapia pela Universidade de Léon (Espanha).
Especialização em Nutrição Clínica pela Faculdade CBES.
Autora do Manual de Atendimento em Nutrição Estética, 2ª edição, editora IPGS (2011). Coautora do livro Atendimento Nutricional em Cirurgia Plástica - Uma Abordagem Multidisciplinar, editora Rúbio (2013).


As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.
Postar um comentário