segunda-feira, 2 de junho de 2014

Constipação Intestinal

            A obstipação ou constipação intestinal é um problema de origem funcional comum nas sociedades ocidentais e atinge principalmente crianças, mulheres e idosos. É uma disfunção decorrente de um mau funcionamento intestinal relacionado a evacuação insatisfatória, esforço excessivo para evacuar, evacuação incompleta e fezes endurecidas. Ainda podem ocorrer períodos prolongados entre uma e outra evacuação, distensão abdominal e flatulência.

            Pode ser classificada por hábito intestinal não frequente ou menor do que 3 vezes/semana, tempo de trânsito intestinal superior a 4 dias, o tipo de fezes, que normalmente precisam ser pastosas, não fragmentadas e umedecidas e peso fecal abaixo de 50g/dia.

        As principais causas para o desenvolvimento da constipação são hábitos alimentares errôneos como dieta sem fibras, uso excessivo de proteínas e alimentos industrializados e refinados; doenças metabólicas, endócrinas e neurológicas; condições psicológicas (estresse, depressão e ansiedade); anormalidades estruturais (fístula anal, hemorroidas, doenças inflamatórias intestinais, dentre outras), uso de fármacos, inclusive o uso excessivo de laxantes.

         Se a constipação intestinal não for tratada adequadamente, a longo prazo, pode evoluir e gerar complicações para o organismo como:

Diverticulose: herniações da parede do cólon do intestino. Este processo pode resultar de uma dieta com baixo conteúdo de fibras e a incidência pode aumentar com a idade.

Hemorróidas: dilatação dos vasos sanguíneos da região anal, que podem sangrar, causar dor e prurido (coceira), provocados por fezes ressecadas e esforço ao evacuar.

Fístulas anais: pequenos “cortes” na região anal, provocada por fezes ressecadas e esforço ao evacuar, gerando dor, ardência e sangramento.

Tratamento

         O tratamento da constipação se constitui na adaptação da dieta, com ingestão de fibras, alimentos funcionais prebióticos e probióticos, além da ingestão habitual de líquidos e exercícios físicos.

          Uma dieta rica em fibras forma um bolo fecal volumoso, o que estimula a evacuação. As fibras insolúveis são a celulose, a lignina e algumas hemiceluloses. Elas são pouco fermentáveis e aumentam a absorção de água, acelerando o tempo de trânsito intestinal. Estão presentes no farelo de trigo, grãos integrais e verduras. Já as fibras solúveis, que são representadas pela pectina, gomas e mucilagens, retardam o esvaziamento gástrico e o trânsito intestinal. São altamente fermentáveis que alteram o metabolismo do cólon e aumentam o bolo fecal, estimulando a evacuação. Suas principais fontes são frutas, verduras, leguminosas e o farelo de aveia.


        Os alimentos prebióticos são alguns tipos de fibras alimentares, carboidratos não digeríveis e assim resistentes à ação de enzimas, e apresentam funções importantes contra a obstipação, como atuar na manutenção da flora intestinal e contribuir com a consistência normal das fezes.

         Probióticos são bactérias que produzem efeitos benéficos no hospedeiro. Um dos seus papeis é equilibrar a flora intestinal. Podem ser componentes de alimentos industrializados como leites fermentados e iogurtes, ou podem ser encontrados na forma de pó ou cápsulas. As bactérias mais utilizadas nos alimentos fermentados ou iogurtes são as Bifidobacterium e Lactobacillus, como exemplo o Lactobacillus acidophillus.

          A ingestão de líquidos ajuda no aumento o trânsito intestinal e na expulsão do bolo fecal, de maneira facilitada, pois hidrata o bolo fecal e o deixa amolecido. É recomendado pelo menos 1,5L de água por dia.

          A recomendação de fibras diárias é de 25-30g para adultos saudáveis e mais 5g/dia para crianças. A recomendação para homens de 50-70 anos e mais de 70 anos é de 30g/dia; para mulheres de 50-70 anos e mais de 70 anos é de 21g/dia.
Dicas:
1. Inclua fibras na sua alimentação consumindo maior quantidade de verduras, legumes e frutas. Prefira estes alimentos crus e com casca, se possível.
2. Tome sucos naturais, ou seja, da própria fruta. Lembre-se que estes sucos não devem ser coados e deve-se evitar adicionar açúcar refinado, pois estes podem provocar ainda mais o sintoma.
3. Substitua os alimentos refinados pelos integrais. Assim, prefira o pão integral ao branco, o arroz integral ao refinado. Pequenas trocam trazem excelentes resultados.
4. Consuma bastante água ao longo do dia. O ideal é consumir de 10 a 12 copos por dia, pois o consumo de água ajuda a manter a mucosa intestinal hidratada.
5. Faça de 6 a 7 refeições por dia, diminuindo a quantidade consumida em cada refeição. Este hábito simples estimula o intestino e melhora a constipação.
6. Pratique atividade física regularmente, orientada por profissional educador físico. O fortalecimento dos músculos, principalmente os da região abdominal, facilita o trabalho intestinal.
7. Mastigue bem os alimentos. Não transfira para o intestino o trabalho que deve ser feito pela boca. Se isto acontecer, o trabalho do intestino não será bem feito, prejudicando a evacuação.
8. Estabeleça horário para ir ao banheiro. Fazendo desta maneira, você estará educando seu intestino a funcionar melhor e no horário certo.
9. Alguns cereais auxiliam muito ao combate da prisão de ventre. Podemos citar a aveia, o trigo integral, farelo de trigo, milho, entre outras. Adicionar estes alimentos ao iogurte é uma boa opção para os que querem melhorar o funcionamento do intestino.
10. Evite alguns alimentos como chocolates, chás escuros, carne vermelha, queijos, açúcar, pão branco, refrigerantes, goiaba, jabuticaba, caqui e brócolis.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Biggs WS, Dery WH. Evaluation and treatment of constipation in infants and children. Am Fam Physician. 2006; v.73, n.3: p. 469-4677.
 
Constipação Intestinal. Disponível: www.hc.fmb.unesp.br Acessado em: 25/05/2014.
 
Gonsales, SCR; Alvarez, TS; Oliveira, PA; Cukier, C; Magnoni, D. Recomendações e Necessidades Diárias. Nutrição na Terceira Idade. 1 ed. São Paulo: Sarvier, 2005, p. 37-42.
 
Hsieh C. Treatment of constipation in older adults. Am Fam Physician. 2005; v.72, n.11: p.2277-2284.
 
Muniz, T. Constipação intestinal e alimentação. Disponível em: www.einstein.br Acessado em: 25/05/2014.
 
Paula, PB; Braga, GT. Melhore o seu intestino acabando com a prisão de ventre. Disponível em: www.einstein.br Acessado em: 25/05/2014.
 
Pfrimer, K; Ferriolli. Recomendações nutricionais para idosos. Nutrição da Gestação ao Envelhecimento. 1 ed. Rio de Janeiro: Rubio, 2008, p. 451-457.
 
Slavin JL, Greenberg NA. Partially hydrolyzed guar gum: clinical nutrition uses. Nutrition. 2003; v.19, n.6: p. 549-552.

Thompson MJ, Boyd-Carson W, Trainor B, Boyd K; Royal College of Nursing. Management of constipation. Nurs Stand. 2003; v. 18, n.14-16: p. 41-42.
Postar um comentário