quinta-feira, 5 de março de 2015

Fertilidade



Designamos fertilidade como a capacidade de reprodução humana, nas mulheres está associada ao fato de engravidar (liberação óvulos que possam ser fecundados) e nos homens associamos a fertilidade, a capacidade de produzir espermatozoides que fecundem os óvulos.

Infertilidade

A infertilidade afeta 1 a cada 10 casais em idade fértil e podem ter muitas causas, algumas de origem nutricionais.

Feminina

A infertilidade feminina pode ser causada por alterações da ovulação, ausência de menstruação ou ciclo irregular, endometriose, doenças sexualmente transmissíveis e até mesmo por falta de nutrientes como vitaminas e minerais.



Masculina

Já no homem problemas glandulares de hipófise, tireoide ou suprarrenal, traumas ou problemas congênitos dos testículos; problemas provocados pelo uso de medicamentos, varicocele, distúrbios do sistema imunológico, cirurgia de vasectomia e carência de vitaminas e minerais, podem comprometer a qualidade, quantidade e a motilidade dos espermatozoides.

Desnutrição x Excesso de Peso x Fertilidade

Tanto o baixo peso e o sobrepeso quanto à obesidade são fatores importantes que comprometem a fertilidade (masculina e feminina), alterando a ovulação ou diminuindo o número de espermatozoides. 

Nutrição x Fertilidade

A nutrição tem um importante papel na fertilidade, pois a deficiência de vitaminas e minerais pode ser vista como um fator de risco para infertilidade, assim como o consumo excessivo de carboidratos simples (açúcares), gordura saturada, sódio e toxinas.


Dicas Nutricionais

● Procure consumir alimentos ricos em vitamina B6 (carnes de aves, peixes, fígado, ovos, grãos de soja, aveia, produtos com trigo integral e nozes), pois estudos comprovam a eficiência dessa vitamina no controle hormonal e na diminuição dos sintomas da TPM;


● Alimentos integrais e nozes possuem vitamina E, que aumenta a motilidade dos espermatozoides e auxilia o desenvolvimento de uma placenta mais saudável (diminui riscos de aborto);

● O zinco (presente nas carnes, cereais integrais, fígado, frutos do mar, amêndoas), é um dos minerais mais importantes para a função reprodutiva, pois atua de forma direta sobre os hormônios sexuais, estimulando a fertilidade. O zinco é necessário para a produção de esperma e manutenção da potência masculina, tendo fama de aumentar a libido. Sabe-se ao certo que a carência de zinco provoca infertilidade e impotência;

● O gengibre que pode ser utilizado em diversas preparações, como em sucos, chás, sopas, aperitivos e temperos, é conhecido por ser um alimento afrodisíaco, pois melhora a circulação para os órgãos genitais masculinos, auxiliando na ereção; e, além disso, aumenta a concentração do hormônio masculino (testosterona);

● Procure aumentar o consumo de vitamina C (acerola, laranja, limão, goiaba, kiwi, brócolis, rúcula e pimentão), pois esta vitamina atua na função ovariana e no desenvolvimento dos óvulos e nos homens regula a produção de espermatozoides;

● Os bioflavonoides fortalecem o útero para implantação do embrião, está presente em vegetais como brócolis, repolho e pimentão verde. Também se encontra nas uvas, laranja, tomate e vinho tinto;

● Para evitar a deficiência de vitamina A, consuma alimentos com beta caroteno (cenoura, mamão, abóbora, brócolis, aspargos, espinafre) este nutriente é essencial para a produção normal de espermatozoides;

● Com relação ao selênio (grãos integrais e ovos) assim como o zinco é importante para produção de um esperma saudável;

● Estudos comprovam que há uma relação direta entre sensibilidade ao glúten e desordens reprodutivas na mulher, para isso é importante que essa intolerância seja diagnosticada e controlada;

● Consuma alimentos fonte de arginina (carnes, aves, peixes, cereais integrais, castanhas), precursora do óxido nítrico, um dos componentes fundamentais na ocorrência da ereção. Ele promove a vasodilatação, importante para o bom funcionamento do aparelho reprodutor masculino, permitindo um maior fluxo sanguíneo;

● Para os homens é interessante verificar o uso de anabolizantes, pois estes prejudicam o funcionamento dos testículos, resultando em uma produção de espermatozoides com baixa capacidade de fecundação;

● Evite o consumo de alimentos com agrotóxicos, prefira os orgânicos, pois estudos mostram que a exposição aos agrotóxicos ao longo do tempo pode levar a distúrbios do sistema reprodutivo (como infertilidade, câncer de testículo, ma formações congênitas);

● Também evite outros poluentes ambientais como o bisfenol A. Essa substância contida em embalagens plásticas pode passar para alimentos principalmente em altas temperaturas. Por isso evite consumir alimentos quentes ou aquecê-los em recipientes plásticos. O bisfenol A está relacionado com a diminuição da contagem de espermatozoides e piora da qualidade do esperma e em mulheres com a piora da fertilidade e irregularidades do ciclo menstrual;

● Evite o consumo de álcool, pois além de afetar a qualidade do esperma, pode prejudicar a absorção de minerais essenciais ao organismo como o zinco, o selênio e o magnésio, antioxidantes, importantes na manutenção das células germinativas;

● Para garantir uma boa função reprodutora, diminua o consumo de carboidratos refinados (açúcares), pois estes alimentos são pobres em vitaminas e minerais.


As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Texto elaborado por: Patrícia Bertolucci
Nutricionista pela Universidade Federal de Goiás – UFG.
Assessoria a Clubes e Empresas ligadas ao esporte ou com interesse em qualidade de vida.
Responsável pela empresa Patrícia Bertolucci Consultoria em Nutrição.
 



 



Postar um comentário