sexta-feira, 22 de maio de 2015

Freirinhas de Santa Rita de Cássia



       Santa Rita nasceu no dia 22 de maio de 1381, na Itália, recebendo o nome de Margherita Mancini. Aos 18 anos, casou-se e teve dois filhos. Contudo, ela não foi feliz, pois seu marido era violento, infiel e egoísta (daí o fato de ser a santa dos problemas matrimoniais). Rezou para amansar o coração do marido e o milagre se fez: ele acabou mudando de vida e de costumes, mas já era tarde, pois foi assassinado. Os filhos decidiram vingar a morte do pai. Ela implorou que desistissem, mas, como não voltaram atrás, Rita pediu a Deus que os levasse para o Céu. Viúva e sem filhos, pode seguir seu verdadeiro caminho: entrar para um convento. Antes, ela se dedicou a socorrer pobres e doentes, já que o Convento das Irmãs Agostianas de Santa Maria Madalena, em Cássia, não queria aceitá-la por ser viúva. Ela rezou, então, aos seus santos de devoção: São João Batista, Santo Agostinho e São Nicolau de Tolentino. Um novo milagre: os três santos apareceram, arrombaram a porta do convento e colocaram Rita bem no meio do coro, onde as freiras recitavam as orações da manhã. A partir desse momento foi aceita e, finalmente, vestiu o hábito das agostianas. Um dia, rezando perante o crucifixo, pediu a Jesus a graça de sofrer com Ele. Imediatamente, um espinho desprendeu-se da coroa da imagem de Cristo e fincou-se na testa da santa, abrindo uma ferida dolorosa e purulenta, que a fez sofrer por mais de quinze anos. A santa morreu de tuberculose na mesma data em que nasceu, do ano de 1457. No momento em que entregou sua alma a Deus, os sinos do convento começaram a repicar festivamente, sem que ninguém os tocasse. A chaga da fronte fechou-se imediatamente e no lugar do mau cheiro sentiu-se um suave perfume. Ela foi canonizada em 1900 por ter realizado milagres e graças. Ficou conhecida como a Santa dos Impossíveis.

Pedir e Resistir

            Se você está desesperado (a), eleve seu pensamento a Santa Rita, que durante quinze anos teve um espinho da coroa de Cristo cravado na testa. Quinze anos de sofrimento, sem nenhum lamento. Símbolo de absoluta resistência espiritual, ela dará forças a você para superar qualquer coisa. Santa Rita – esposa, mãe, viúva, freira – vai proteger seu casamento e sua família. Faça as “freirinhas” e encha a casa com o aroma desses biscoitinhos saídos do forno. É um primeiro passo para confortar sua alma, uma energia boa que tomara conta do seu lar. É também uma forma de alimentar a fé. A partir daí, nada é impossível!

Receita

Ingredientes:

● 500g de farinha de trigo;
● 100g de açúcar;
● 250g de manteiga ou margarina;
● 8 ovos grandes;
● 4 colheres de chá de fermento em pó.

Calda:

● 500g de açúcar;
● 250ml de água.

Modo de Fazer:

Massa: Misture a farinha, o fermento com o açúcar, a manteiga e os ovos. Amasse tudo muito bem. Enrole os biscoitinhos em forma de argolas, coloque em uma assadeira untada e leve ao forno moderado até que estejam dourados.

Calda: Leve o açúcar e a água ao fogo e ferva até o ponto de bala mole (dica: molhe duas “freirinhas” na calda e encoste uma na outra, se colar, a calda está no ponto). Coloque todas as “freirinhas” em um prato grande, regue-as com a calda e mexa com uma colher, com muito cuidado, até que todas estejam envolvidas. Deixe secar. Se quiser, polvilhe com açúcar cristal.

Oração para salvar casamentos (e também para causas impossíveis, casos, desesperados, socorro urgente e outras graças).

Santa Rita de Cássia, minha querida santa, vós sabeis o que é o martírio do coração pelas dores atrozes que sofrestes, pelas lágrimas que derramastes. Vinde em meu auxílio, falai, rezai, intercedei por mim que não ouso fazê-lo junto ao coração de Deus, Pai de Misericórdia e fonte de toda a consolação. Alcançai-me a graça que tanto desejo e necessito (fazer o pedido). Apresentada por Vós, que sois tão cara a Deus, a minha prece será certamente atendida. Dizei ao Senhor que essa graça servirá para melhorar a minha vida e proclamar na Terra e no Céu a Misericórdia Divina. Amém.

Rezar: 3 Pais-Nossos, 3 Ave-Marias e fazer o Sinal da Cruz.

Referências Bibliográficas:

Abrão, S. Santa Receitas. São Paulo: Editora Gente, 2007.
Postar um comentário