segunda-feira, 11 de maio de 2015

Registro Alimentar ou Diário Alimentar



        Da mesma forma que o recordatório de 24 horas, o diário alimentar recolhe informações sobre a ingestão atual de um indivíduo ou de um grupo populacional. Neste método, também conhecido como registro alimentar, o paciente ou pessoa responsável anota, em formulários especialmente desenhados, todos os alimentos e bebidas consumidos ao longo de um ou mais dias, devendo anotar também os alimentos consumidos fora do lar. Normalmente, o método pode ser aplicado durante três, cinco ou sete dias, períodos maiores que sete dias podem comprometer a aderência e a fidedignidade dos dados.

            A aplicação do registro alimentar, independentemente dos dias selecionados, deve ser em dias alternados e abrangendo um dia de final de semana. O diário alimentar pode ser aplicado de duas maneiras: na primeira, o indivíduo deve registrar o tamanho da porção consumida; na segunda, todos os alimentos devem ser pesados e registrados antes de serem consumidos e, da mesma maneira, as sobras devem ser pesadas e registradas. Essa última maneira de aplicação é utilizada, em geral, em estudos nos quais é necessário estimar com precisão nutrientes ou compostos bioativos, nem sempre disponíveis em tabelas de composição de alimentos, e tem emprego escrito na prática clínica. Em ambos os casos, o indivíduo registrará de forma detalhada o nome da preparação, os ingredientes que a compõem, a marca dos alimentos e a forma de preparação. Devem também ser anotados detalhes como adição de sal, açúcar, óleo e molhos, se a casca do alimento foi ingerida e também se o alimento ou bebida consumido era regular, diet ou light. Para a melhor estimativa do tamanho da porção, o paciente poderá contar com o auxílio de medidas caseiras tradicionalmente usadas, podendo recorrer também a fotografias de diferentes tamanhos de porções ou modelos tridimensionais de alimentos.




            O registro alimentar que inclui o uso de balança pode ser considerado método bastante preciso, mas requer treinamento, esforço e muita vontade de colaboração, fatores que fazem que seja pouco utilizado. Uma das limitações é a tendência de se modificar os hábitos alimentares, diminuindo o consumo de alimentos para ser mais simples o registro.

Quadro 1. Comparação entre o registro alimentar estimado e o registro alimentar por peso dos alimentos.

Registro Estimado
Registro por Peso
Quantidades dos alimentos, das bebidas e sobras são estimadas por meio do auxílio de medidas caseiras, de fotos de porções, modelos de alimentos.
Os alimentos, as bebidas e as sobras são pesados em balanças, sendo o peso anotado.
Considerado menos preciso que o registro do peso.
Mais preciso que o registro estimado.
Bem aceito para coletar ingestão de grupo de pessoas.
Requer cooperação e treinamento dos participantes.
O entrevistador tende a cooperar, pois a responsabilidade de transformar medidas caseiras em gramas é do entrevistador.
Pode alterar o hábito alimentar do indivíduo, preparação mais sofisticada requer mais tempo, e também o indivíduo pode considerar que sua alimentação está inadequada.

Custo pode ser elevado, em razão da aquisição e da calibração das balanças.
Fonte: Fisberg et al, 2005.

            Uma variação desse método é o registro através de foto ou filmagem das porções ingeridas. No caso de fotos, o entrevistado necessita ser treinado sobre como fotografar os alimentos, além de anotar em um diário algumas características dos alimentos que não podem ser identificadas através das fotos, como, por exemplo, bebidas diet e light. Quando a opção é a filmagem dos alimentos ingeridos, o envolvimento dos entrevistados é menor, tendo o benefício de não alterar os hábitos alimentares das pessoas. Geralmente, esse recurso é utilizado em refeitórios de instituições como creches e casas de repouso. Estudos de validação relativa, em que os resultados são comparados com registros alimentares pesados, mostram que as duas técnicas estimam bem a ingestão de nutrientes. As desvantagens recaem no alto custo com equipamentos e treinamento para interpretar as porções.

Quadro 2. Vantagens e Desvantagens do Registro Alimentar.

Vantagens
Desvantagens
Os alimentos são anotados no momento do consumo.
Consumo pode ser alterado, pois o indivíduo sabe que está sendo avaliado.
Não depende da memória.
Depende mais do entrevistado.
Menor erro quando há orientação.
Há dificuldade de estimar as porções.
Mede o consumo atual.
Menor adesão de pessoas do sexo masculino.
Maior precisão (registro do peso) e exatidão das porções ingeridas.
O número de dias de registro depende do que será avaliado (nutriente).

As sobras são computadas como alimentos ingeridos.

Requer tempo.

Custo elevado (registro do peso).

O indivíduo deve conhecer medidas caseiras.
Fonte: Fisberg et al, 2005.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Fisberg, RM; Marchioni, DML; Colucci, ACA. Avaliação do consumo alimentar e da ingestão de nutrientes na prática clínica. Arq Bras Endocrinol Metab 2009; v.53, n.5, p: 617-624.

Fisberg, RM; Slater, B; Marchioni, DML; Martini, LA. Inquéritos Alimentares: Métodos e bases científicos. Barueri, SP: Manole, 2005.

Pino, DLD. Adaptação e validação de um questionário de frequência alimentar para crianças de 6 a 10 anos. [Dissertação de Mestrado]. Universidade Federal do Rio Grande do Sul – UFRGS, 2009.
Postar um comentário