terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Alimentos e Pele Bronzeada



A sociedade modificou seu conceito de beleza, passando a valorizar um corpo cada vez mais bronzeado. Entretanto, os profissionais da área da saúde tem contestado esse modelo estético, apontando os numerosos malefícios da exposição solar exagerada, o que apesar de toda a informação que se tem hoje em dia, não impede o crescimento do número de casos de câncer de pele.

A luz solar consiste em radiações de diferentes comprimentos de onda (raios gama, raios X, o UV, o infravermelho (IV), micro-ondas, e ondas de rádio). De todas essas que atingem a Terra a que está intimamente ligada com o bronzeado da pele é a UV, a porção mais energética, a qual é dividida em UVA, UVB e UVC.

Os raios UVA são os menos energéticos, mas são capazes de acionar os mecanismos de bronzeamento e pode ser responsável por alguns efeitos nocivos na pele. Os UVB são associados à vermelhidão das queimaduras solares e também um dos grandes causadores de alguns tipos de câncer. Já o UVC são os mais nocivos aos tecidos vivos.

Diversos fatores podem iniciar ou contribuir para alterações no equilíbrio antioxidante na pele, sendo que muitos aceleram o envelhecimento cutâneo, sendo a exposição solar um dos fatores mais importantes, por seus efeitos cumulativos, podendo ter como consequência o câncer de pele.

Os danos da radiação solar causados à pele são consideráveis, pois, ao ultrapassar a epiderme e chegar à derme, a hidratação da pele e a nutrição ficam comprometidas, atingindo o colágeno afetando assim a elasticidade, deixando a pele com pouca luminosidade, favorecendo o aparecimento de rugas e envelhecimento precoce.

Assim como qualquer tecido a pele necessita do fornecimento apropriado de componentes nutricionais, os quais chamamos de antioxidantes dietéticos. Os alimentos contem compostos antioxidantes, os quais podem existir com naturalidade ou ser introduzido durante o processo para o consumo. Pode-se citar aqui as frutas vermelhas, os legumes, que possuem naturalmente em sua composição vitamina C, E e A, clorofila, flavonoides e carotenoides.

Carotenoides: Um dos mais importantes grupos da natureza. O betacaroteno age de modo ativo na recuperação da pele e é responsável por protegê-la dos raios solares e conferir bronzeamento. Quando ingerida, deposita-se sobre a pele e as mucosas, conferindo-lhes sua cor, amarelada. Além do betacaroteno, temos também o licopeno como um carotenoide, possui um papel protetor, pois além de acelerar o processo de bronzeamento ele protege a pele dos raios solares e evita a vermelhidão. As principais fontes de betacaroteno incluem cenoura, batata-doce, abóbora, buriti e a maioria dos vegetais verde escuros, como brócolis e espinafre. Já as fontes de licopeno são tomate, cenoura e pimenta verde.

Vitamina E: Por sua capacidade antioxidante comprovada, essa vitamina é muito utilizada na prevenção do fotoenvelhecimento da pele. As fontes de vitamina E são germe de cereais, óleos vegetais, nozes, castanhas, folhas verde escuras, semente de girassol, ovos, manteiga, fígado, entre outros.

Vitamina C: A vitamina C participa de vários processos metabólicos, entre eles a formação do colágeno. Como a exposição solar atua na desestruturação das fibras colágenas e elásticas, a vitamina C tem papel fundamental na fotoproteção. As fontes de vitamina C são abacaxi, acerola, laranja, limão, morango, entre outros.

Flavonoides: Principal grupo de compostos fenólicos encontrado em plantas, os flavonoides apresentam uma série de atividades biológicas antioxidante, quimioprotetora, anticarcinogênica, anti-inflamatória. Algumas fontes de flavonoides são uva, amora, framboesa, frutas cítricas, brócolis, repolho, chá verde, romã, mirtilo, entre outras.

Ômega-3: A primeira resposta observada na pele após a exposição ao sol é a inflamação, que se caracteriza por eritema, edema e calor. Há uma alteração no sistema imunológico, diminuindo sua capacidade de eliminar células alteradas. Isso é ocasionado pelas alterações na produção de citocinas pelas células cutâneas gerando perda na função celular. O ômega-3 diminui a formação de inflamação na pele induzida por UVB.

Uma boa conduta alimentar à base de vitaminas e minerais pode contribuir de modo significativo para um bronzeado saudável e duradouro. A utilização de alimentos como agentes antioxidantes representa uma nova abordagem na inibição dos danos ocasionados pela exposição solar. É importante destacar que a fotoproteção através dos alimentos é complementar à fotoproteção tópica (uso de bloqueadores solares).

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:
Meuer, MC; Rocha, GDW. Alimentos e pele bronzeada. Instituto Ana Paula Pujol. Disponível em: www.institutoanapaulapujol.com.br Acessado em: 09/01/2017.

Pujol, AP. Fotoproteção Oral. In: Ana Paula Pujol (org). Nutrição Aplicada à Estética. 1 ed. Rio de Janeiro: Editora Rubio, 2011. 281-299.



Postar um comentário