segunda-feira, 2 de janeiro de 2017

O Papel da Água no Corpo Humano



A água é essencial para a vida, pois, apesar dos seres humanos conseguirem sobreviver por algumas semanas sem comida, é impossível sobreviver sem água por mais que poucos dias. Ela constitui a maior parte do peso do nosso corpo, podendo variar de 45 a 75% deste peso, a depender da idade e sexo, sendo considerado em média 60% para adultos.

A água está distribuída em dois espaços principais, dentro e fora das células, denominados intracelular e extracelular, respectivamente. No espaço intracelular está cerca de 65% do total de água corporal, restando ao espaço extracelular os demais 35%, divididos nos espaços intersticiais (entre as células) e nos líquidos corporais, como o sangue.

Para a manutenção da saúde, os seres humanos devem consumir água constantemente. Uma pequena parte da água que precisamos para suprir nossas necessidades diárias é formada pelo nosso corpo, quando ocorrem alguns processos do metabolismo. Porém, essa quantidade, em torno de 250-350ml apenas, é insuficiente para todas as necessidades diárias, tornando essencial a busca por outras fontes. É possível consumi-la bebendo água ou por meio da ingestão de água que está presente na comida e nas bebidas.

A água participa de diversas funções do nosso organismo. Primeiramente, ela é o componente fundamental para a formação dos líquidos corporais. Dessa forma, ela está presente de modo essencial na saliva (que ajuda na digestão dos alimentos), no líquido sinovial (que auxilia na mobilidade das articulações), no humor vítreo e nas lágrimas (que preenchem e lubrificam os olhos, respectivamente), no liquor (que circunda o sistema nervoso central), na produção da urina pelos rins e no sangue, permitindo a ele fluidez e perfusão dos órgãos e tecidos.

Outro ponto essencial para o organismo é que a água é considerada um solvente, no qual estão dissolvidas substâncias, chamadas solutos. Os mais importantes solutos presentes nos líquidos corporais são os sais (principalmente, o sódio, cloreto, fosfatos e sais proteinados), quantidades variáveis de cálcio, magnésio e potássio, além de hormônios e metabólitos em geral. Adicionalmente, nutrientes como carboidratos e proteínas estão presentes na água, que é fundamental para seu transporte e utilização.

A razão entre quantidade de solutos que está dissolvida na água (solvente) é chamada de osmolaridade e esta característica é controlada de modo bastante rígido pelo corpo. O sódio é o principal soluto que determina a osmolaridade. Então, variações pequenas na quantidade de água ou sódio corporal vão alterar a osmolaridade, que será corrigida rapidamente no indivíduo saudável por meio de mecanismos como a sede e a diurese.

Dentre outras funções da água, é importante citar a manutenção da temperatura corporal por meio do suor e da absorção do calor produzido pelos processos metabólicos, além de participar da absorção e transporte de nutrientes e outros produtos do metabolismo através do plasma.

BALANÇO HÍDRICO

O balanço hídrico pode ser definido como a diferença entre a água que entra no organismo, por meio da ingestão de água, bebidas e alimentos, e a água produzida pelo metabolismo, menos o total de água perdido através dos diversos mecanismos corporais.

Quadro 1. Balanço hídrico

Fonte
Produção (mL/dia)
Perda (mL/dia)
Respiratória

250 a 350
Urinária

1.000 a 2.000
Fecal

100 a 200
Insensíveis/suor

450 a 900
Produção metabólica
250 a 350

Total (aproximado)
250 a 350
1.800 a 3.450
Balanço

-1.500 a -3.100
Obs: 1) Esses valores são estimados para adultos saudáveis, em condições climáticas amenas e com pouca atividade física. 2) Atividade física e condições climáticas influenciam muito nas perdas de água. 3) Atletas em temperatura elevada podem aumentar em 2L/hora a perda de água. 



A água presente nas comidas é extremamente variável, sendo em torno de 80% da composição de sopas, frutas e vegetais, 40 a 70% das refeições quentes, 30% dos produtos derivados de cereais (como pães e biscoitos) e 10% de salgadinho e de produtos relacionados a confeitaria. Pode ser obtida também através de todas as bebidas ingeridas, fazendo parte de cerca de 90% ou mais da composição destas, como sucos, chás, refrigerantes, iogurtes, leite e café, além do próprio consumo de água. As bebidas alcoólicas contêm água, porém, devido ao seu efeito diurético, elas podem levar a perdas importantes e consequentemente balanço hídrico negativo.

RECOMENDAÇÕES DIÁRIAS

A quantidade de água necessária para o bom funcionamento do organismo é variável, considerando que essa pode ser afetada pelo clima, roupas, atividades físicas ou outros fatores. Isso dificulta a criação de recomendações específicas para o total de água que deve ser ingerida diariamente.

Quadro 2. Recomendação diária para ingestão adequada de água.

Idade
Água Total (alimentos e bebidas) (L/dia)
Bebidas (incluindo a água) (L/dia)
Bebidas (incluindo a água) (copos/dia)
0 a 6 meses

0,7 – leite materno

7 a 12 meses
0,8
0,6
3
1 a 3 anos
1,3
0,9
4
4 a 8 anos
1,7
1,2
5
9 a 13 anos – masculino
2,4
1,8
8
9 a 13 anos – feminino
2,1
1,6
7
14 a 18 anos – masculino
3,3
2,6
11
14 a 18 anos – feminino
2,3
1,8
8
19 a 70 anos – masculino
3,7*
3,0
13
19 a 70 anos – feminino
2,7
2,2
9
Gestantes
3,0
2,3
10
Mulheres em amamentação
3,8
3,1
13
*European Food Safety Authority – H: 2,5L e M: 2,0L

Com relação aos adultos, sabe-se que mulheres têm menor necessidade de ingestão hídrica que homens, devido a menor massa corporal e menor proporção de água corporal. Estima-se que a necessidade do total de água para homens sedentários é de aproximadamente 2,5L/dia, podendo aumentar até 6,0L em casos de atividades físicas ou temperaturas quentes.

As mulheres necessitam de maior aporte de fluidos em situações específicas, como gestação e lactação. O Institute of Medicine (IOM) recomenda que haja um aumento no consumo em torno de 0,3L/dia para gestantes e 1,1L/dia para mulheres em amamentação, enquanto que a European Food Safety Authority (EFSA) recomenda um aumento de 0,7L/dia para lactantes.

As necessidades de água nos idosos não são diferentes daquelas para adultos jovens. Entretanto, existe uma série de condições, tanto fisiológicas quanto mórbidas, que alteram o balanço hídrico nesta população específica, colocando-os sob maior risco em relação a estados de desidratação.

Crianças apresentam diferenças fisiológicas importantes em comparação aos adultos, como sua maior área de superfície em relação a massa corpórea, a menor habilidade para produzir suor e um maior metabolismo da água. Além disso, recém-nascidos apresentam 75% do peso corpóreo composto por água, sendo esta a maior proporção de água corpórea em toda a vida do indivíduo.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referência Bibliográfica:

Água, Desidratação e Saúde. Sociedade Brasileira de Alimentação e Nutrição – SBAN, 2016.
Postar um comentário