quarta-feira, 7 de junho de 2017

Flavonoides



Flavonoides são produtos do metabolismo secundário de plantas, pertencentes à classe dos compostos fenólicos, atuando, principalmente, na defesa do organismo que a produz. Também apresentam outras funções nos produtores como atrair agentes polinizadores, dar pigmentação em frutas, sementes e flores e proteger em relação à radiação ultravioleta. São encontrados nas plantas na forma glicosilada, que nada mais é do que combinados a moléculas de açúcares.

Os flavonoides, de modo geral, são formados pela combinação de compostos gerados a partir da fenilalanina (um tipo de aminoácido) e ácido acético. Sua estrutura química é caracterizada pela presença de três anéis fenólicos. No nosso organismo, estas substâncias atuam como importantes antioxidantes prevenindo diversas doenças.

Como são subdivididos e classificados

Os flavonoides são uma categoria de polifenóis subdivididas em classes, cujas principais são:

● os flavonóis: onde se encontram compostos como a quercetina e o kaempferol;

● flavonas: categoria na qual se encaixam a luteolina e a apigenina;

● flavanonas: como a taxifolina e a naringenina;

● flavanóis: como a catequina e a epicatequina;

● antocianidinas: na qual se encaixam a cianidina, malvidina, pelargonidina;

● isoflavonas: como a gliciteína, daidzeina e genisteína.

Benefícios à saúde:

Estudos realizados sugerem a capacidade de uma alimentação rica em flavonoides prevenir doenças cardiovasculares e até mesmo alguns tipos de câncer, isso ocorre devido à função antioxidante que esses compostos exercem em nosso organismo, se ligando aos radicais livres e inativando-os, antes que os mesmo interajam com alguma molécula biológica, provocando reações danosas. Desse modo, os flavonoides são eficientes no combate a moléculas oxidantes que atuam provocando danos ao DNA e a formação de tumores.

Além da função antioxidante, eles também possuem funções anti-inflamatórias e são capazes de atuar na inibição do ciclo celular de células cancerosas, impedindo a proliferação das mesmas. Também tem propriedades que auxiliam no controle do Diabetes e previnem o surgimento de doenças cerebrovasculares. 



Fontes Alimentares

Os polifenóis, categoria na qual se encaixam os flavonoides, não são produzidos pelo nosso corpo, sendo fundamental a ingestão de cerca de 1 a 2 gramas/ dia dos mesmos.

Vamos conhecer um pouco mais sobre os alimentos que são fontes dessas substancias:

Chás: segundo estudos, os chás preto e verde são fontes consideráveis de quercetina, miricetina e kaempferol, recebendo os maiores destaques. A erva-mate é rica apenas quercetina e kaempferol e os chás de camomila, morango e boldo apesar de serem boas fontes, acabam possuindo as mesmas substancias em menores quantidades. Chás como os de hortelã e erva-cidreira apresentam quantidades bem menos significativas.

Frutas: as maiores quantidades de flavonoides encontradas em frutas amplamente consumidas no Brasil foram na acerola, nas frutas cítricas em geral, na pitanga e na maçã. Outras fontes que também merecem destaque são o caju, a goiaba, o morango, as uvas, cerejas, groselhas, amoras, framboesas e mirtilos; sendo que as cinco últimas não apresentam consumo significativo pela população brasileira.

Hortaliças: entre as hortaliças mais consumidas no Brasil, as que mais contêm flavonoides são a cebola branca, a couve, a rúcula, a salsa, a pimenta, o almeirão e a cebola roxa. Destaques também vão para os pimentões, tomates, espinafre e brócolis.

É importante também ressaltar que alimentos que sofrem processamentos apresentam menores quantidades de flavonoides do que alimentos in natura, isso pode ocorrer devido ao fato de muitas vezes descascarmos os alimentos, perdendo quantidades de matérias-primas com porções significativas de flavonoides.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Barnes, J; Anderson, LA; Phillipson JD. St John's wort (Hypericum perforatum L.): a review of its chemistry, pharmacology and clinical properties. J Pharm Pharmacol 2001; 53(5):583-600. 

De Vries JH, Janseen PL, Hollman PC, Van Staveren WA, Katan MB. Consumption of quercetin and kaempferol in free living subjects eating a variety of diets, Cancer Lett 1997; 114:141-4.

Hoffmann-Ribani, R.; Rodriguez-Amaya, DB. Otimização de método para determinação de flavonóis e flavonas em frutas por cromatografia líquida de alta eficiência utilizando delineamento estatístico e análise de superfície de resposta. Quím. Nova, no prelo.

Huber, LS; Rodriguez-Amaya, D. Flavonóis e flavonas: fontes brasileiras e fatores que influenciam a composição em alimentos. Alimentos e Nutrição, Araraquara, v. 19, n. 1, p.97-108, mar. 2008.

Loureiro, MP. Flavonoides. Grupo de Estudos em Alimentos Funcionais – GEAF, ESALQ/USP. Disponível em: www.grupoalimentosfuncionais.blogspot.com.br

MARCHAND, L. L. Cancer preventive effects of flavonóides – a review. Biomed Pharmacother. v. 56, p. 296-301, 2002.

Oliveira, W. C. et al. Flavonoides: potencial terapêutico no estresse oxidativo. Revista de Ciencias Farmacêuticas Básica e Aplicada, Araraquara, v. 28, n. 3, p.241-249, jul. 2007. 


Zuanazzi JAS, Montanha JA. Flavonóides. In: Simões CMO, Schenkel EP, Gormann G, Mello JCP, Mentz LA, Petrovick PR. Farmacognosia: da planta ao medicamento. 5.ed. Porto Alegre/Florianópolis: Editora da UFRGS; 2002. p.577-614.
Postar um comentário