domingo, 2 de agosto de 2015

Semana Mundial de Aleitamento Materno: "Amamentação e Trabalho - Para Dar Certo, o Compromisso é de Todos".



O trabalho materno fora do lar pode ser um importante obstáculo à amamentação, em especial à exclusiva. A manutenção da amamentação nesse caso depende do tipo de ocupação da mãe, do número de horas no trabalho, das leis e de relações trabalhistas, do suporte ao aleitamento materno na família, na comunidade e no meio ambiente do trabalho e, em especial, das orientações dos profissionais de saúde para a manutenção do aleitamento materno em situações que exigem a separação física entre mãe e bebê.

            Para as mães manterem a lactação após retornarem ao trabalho, é importante que o profissional de saúde estimule os familiares, em especial o companheiro, quando presente, a dividir as tarefas domésticas com a nutriz e oriente a mãe trabalhadora quanto a algumas medidas que facilitam a manutenção do aleitamento materno.

Antes do Retorno ao Trabalho

● Manter o aleitamento materno exclusivo;

● Conhecer as facilidades para a retirada e armazenamento do leite no local de trabalho (privacidade, geladeira, horários);

● Praticar a ordenha do leite (de preferência manualmente) e congelar o leite para usar no futuro. Iniciar o estoque de leite 15 dias antes do retorno ao trabalho.

Após o Retorno ao Trabalho

● Amamentar com frequência quando estiver em casa, inclusive à noite;

● Evitar mamadeiras; oferecer a alimentação por meio de copo e colher;

● Durante as horas de trabalho, esvaziar as mamas por meio de ordenha e guardar o leite em geladeira. Levar para casa e oferecer à criança no mesmo dia ou no dia seguinte ou congelar. Leite cru (não pasteurizado) pode ser conservado em geladeira por 12 horas e, no freezer ou congelador, por 15 dias;

● Para alimentar o bebê com leite ordenhado e congelado, este deve ser descongelado, de preferência dentro da geladeira. Uma vez descongelado, o leite deve ser aquecido em banho-maria fora do fogo. Antes de oferecê-lo à criança, ele deve ser agitado suavemente para homogeneizar a gordura;

● Realizar ordenha, de preferência manual, da seguinte maneira:

1)    Dispor de vasilhame de vidro esterilizado para receber o leite, preferencialmente vidros de boca larga com tampas plásticas que possam ser submetidos à fervura durante mais ou menos 20 minutos. Procurar um local tranquilo para esgotar o leite;

2)    Prender os cabelos;

3)    Usar máscara ou evitar falar, espirrar ou tossir enquanto estiver ordenhando o leite;

4)    Ter à mão pano úmido limpo e lenços de papel para a limpeza das mãos;

5)    Lavar cuidadosamente as mãos e antebraços. Não há necessidade de lavar os seios frequentemente;

6)    Secar as mãos e antebraço com toalha limpa ou de papel;

7)    Posicionar o recipiente onde será coletado o leite materno (copo, xícara, caneca ou vidro de boca larga) próximo ao seio;

8)    Massagear delicadamente a mama como um todo em movimentos circulares da base em direção à aréola;

9)    Procurar estar relaxada, sentada ou em pé, em posição confortável. Pensar no bebê pode auxiliar na ejeção do leite;

10)  Curvar o tórax sobre o abdômen, para facilitar a saída do leite e aumentar o fluxo;

11)  Com os dedos da mão em forma de “C”, colocar o polegar na aréola acima do mamilo e o dedo indicador abaixo do mamilo na transição aréola-mama, em oposição ao polegar, sustentando o seio com os outros dedos;

12)  Usar preferencialmente a mão esquerda para a mama esquerda e a mão direita para a mama direita, ou usar as duas mãos simultaneamente (uma em cada mama ou as duas juntas na mesma mama – técnica bimanual);

13)  Pressionar levemente o polegar e o dedo indicador, um em direção ao outro, e levemente para dentro em direção a parede torácica. Evitar pressionar demais, pois pode bloquear os ductos lactíferos;

14)  Pressionar e soltar, pressionar e soltar. A manobra não deve doer se a técnica estiver correta. A princípio o leite pode não fluir, mas depois de pressionar algumas vezes o leite começará a pingar. Poderá fluir em jorros se o reflexo de ocitocina for ativo;

15)  Desprezar os primeiros jatos, assim, melhora a qualidade do leite para redução dos contaminantes microbianos;

16)  Mudar a posição dos dedos ao redor da aréola para esvaziar todas as áreas;

17)  Alternar a mama quando o fluxo de leite diminuir, repetindo a massagem e o ciclo várias vezes. Lembrar que ordenhar leite de peito adequadamente leva mais ou menos 20 a 30 minutos, em cada mama, especialmente nos primeiros dias, quando apenas uma pequena quantidade de leite pode ser produzida;

18)  Podem ser ordenhados os dois seios simultaneamente em um único vasilhame de boca larga ou em dois vasilhames separados, colocados um embaixo de cada mama. 



O leite ordenhado deve ser oferecido à criança de preferência utilizando-se copo, xícara ou colher. Para isso, é necessário que o profissional de saúde demonstre como oferecer o leite à criança. A técnica recomendada é a seguinte:

● Acomodar o bebê desperto e tranquilo no colo, na posição sentada ou semi-sentada, sendo que a cabeça forme um ângulo de 90° com o pescoço;

● Encostar a borda do copo no lábio inferior do bebê e deixar o leite materno tocar o lábio. O bebê fará movimentos de lambida do leite, seguidos de deglutição;

● Não despejar o leite na boca do bebê.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Caderno de Atenção Básica. Saúde da criança: nutrição infantil: aleitamento materno e alimentação complementar. Ministério da Saúde, 2009.

Postar um comentário