quarta-feira, 14 de outubro de 2015

Câncer de Mama



    O câncer de mama é o segundo tipo mais frequente no mundo e o tumor que mais acomete as mulheres. Se diagnosticado e tratado precocemente, o prognóstico em geral é bom. Existem os riscos não modificáveis – relacionados à idade, genética, história familiar, raça etc. Os modificáveis, que são aqueles que podem ser diminuídos conforme o estilo de vida e as decisões da própria pessoa, como ser mãe antes dos 30, amamentar, evitar o uso de álcool, praticar atividade física, manter um peso saudável. Além disso, ingerir alimentos de boa qualidade tem papel fundamental na prevenção do tumor. Tente, aos poucos, incluí-lo em sua dieta. Pode fazer diferença no futuro.

          Comer bem e “em cores” é fundamental para o organismo ficar bem equilibrado, assim como para o corpo que precisa recuperar seu ponto de equilíbrio. Bom, isso vale tanto para o organismo saudável quanto para aquele que passa por um período de tratamento e recupera-se de alguma doença.

            Um prato colorido é quase sempre garantia de estarmos ingerindo, na dose certa, os nutrientes necessários ao nosso organismo. São eles as vitaminas, as proteínas, os lipídios, os carboidratos, as fibras e os sais minerais. Quanto mais colorido, mais saudável: então, lembre-se de colocar sempre no prato uma boa dose de verde – verduras e legumes crus ou cozidos (vitaminas e sais minerais); uma bela pincelada de tom solar, como o vermelho da carne ou o amarelo-ovo (representando as proteínas) e, para completar, cores claras, beges, amarelos, o branco – presentes no pão, nas massas e arroz (carboidratos) e tons suaves de roxo, verde-claro, bege-dourado, como o feijão, a lentilha, a soja (leguminosas ou grãos) e a aveia, farinhas (os cereais, sempre fundamentais).



            Para beber, suco de frutas de todos os tons (grande fonte de vitaminas). Experimente, a cada dia, variar seu prato substituindo os alimentos tente não repetir os legumes, as verduras e as frutas do dia anterior; substitua a carne vermelha por frango ou peixe; procure comer, ao máximo, os vários tipos de grãos disponíveis – lentilha, ervilha, feijão, grão-de-bico, soja, entre outros. A cada dia, novas combinações de cores e de ânimos no prato.

Peixes: Segundo estudo recente do periódico British Medical Journal (BMJ), comer duas porções de atum, salmão ou sardinha por semana pode ajudar a reduzir o risco de uma mulher desenvolver a doença. A explicação deve-se ao fato de que esses peixes contêm gordura insaturada que, ao contrário da gordura saturada, faz bem à saúde. Além disso, a sardinha é rica em vitamina D, um proto-hormônio que pode interferir no crescimento do câncer.

Brócolis, Couve e Repolho: A ingestão regular de brócolis, couve e repolho pelo menos uma vez por semana também pode diminuir o risco de ter câncer de mama. Um estudo feito com 5 mil mulheres suecas apontou que o consumo de uma ou duas porções diárias está associado a um risco 40% menor de câncer de mama. Essas hortaliças são boas fontes de nutrientes – como vitamina C, carotenoides precursores de vitamina A, fibras, cálcio, ácido fólico -, e seu poder preventivo viria da abundância de moléculas fitoquímicas capazes de eliminar substâncias tóxicas que induzem o câncer.

Frutas: Esse grupo de alimentos contribui para a prevenção na medida em que fornece menos calorias, mais fibras e auxilia na manutenção de peso saudável. A recomendação da Sociedade Americana de Câncer é consumir cinco porções de frutas por dia.

Fibras: São necessárias mais pesquisas, mas estudos sugerem que as fibras contribuem para o aumento da excreção de estrogênio, o que implica em menor risco de câncer de mama. A American Dietetic Association (ADA) estabelece como recomendação o consumo de 25 a 30g de fibras por dia, sendo 30% desse valor de fibras solúveis, encontradas principalmente na aveia e em frutas como abacate, pera e banana. A dica é inserir um produto rico em fibras, como pão integral e cereais, em todas as cinco refeições que você fizer no dia.

Gordura: Evite consumir alimentos muito gordurosos como pasteis, lanches, leite integral e doce de leite. Evidências científicas relacionam o consumo excessivo de gorduras com o aumento dos índices de câncer de mama, especialmente na pós-menopausa, quando há maior correlação entre o teor de gordura da dieta e os níveis séricos de estradiol, hormônio ligado ao crescimento de tumores.

Carne Vermelha: O alto consumo desse alimento pode contribuir para o ganho de peso e estímulo de processos inflamatórios no organismo, fatores de risco para o desenvolvimento da doença. O Instituto Americano de Pesquisas em Câncer (AICR) recomenda o consumo limitado de carnes vermelhas a 300g por semana, o que equivale a três bifes grandes. A medida é por semana.



As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Comida que cuida 1: mais cor no prato e na vida durante o tratamento do câncer. A.C.Camargo Cancer Centar. Disponível em: www.accamargo.org.br Acessado em: 10/10/2015.

Conte, J. Alimentação para prevenir o câncer de mama. Vencer o Câncer. Disponível em: www.vencerocancer.com.br Acessado em: 10/10/2015.
Postar um comentário