domingo, 25 de setembro de 2016

Estrias e Flacidez



Viver com saúde e boa forma é uma das preocupações que perpassa todos os segmentos da sociedade, principalmente o do público feminino.

As demarcações de um corpo bonito traduzem insígnias de uma nova ordem que se instaurou e que ganha destaque neste início de século: corpos fortes, torneados, magros e perfeitos. A sociedade de consumo atual não os exime das exigências quanto ao padrão de beleza que impõe, desconsiderando as inúmeras desigualdades e diversidades existentes.

Ao longo dos anos a alimentação no mundo ocidental tem se modificado drasticamente, passando, basicamente de uma dieta baseada em alimentos frescos e vegetais para uma dieta farta em alimentos processados, refinados e de origem animal.

É fato que grande parte das desordens é de caráter nutricional, e há aquelas que acabam aparecendo na estética do indivíduo. Buscando citar algumas dessas desordens estéticas, destacam-se a flacidez e a estria. Tais desordens se devem ao envolvimento de causas endógenas como deficiências dietéticas, principalmente de vitaminas e ácidos graxos essenciais.

O que são estrias?

As estrias são alterações cutâneas indesejáveis, definidas como cicatrizes lineares visíveis que se dispõem paralelamente umas as outras, podendo ser raras ou numerosas e indicam uma lesão na pele, pois ocorre um desequilíbrio elástico localizado. Há evidências que o seu aparecimento seja multifatorial, não somente fatores mecânicos e endocrinológicos, mas também predisposição genética e familiar. As estrias podem ser encontradas em ambos os sexos, mas com predominância no sexo feminino a partir da adolescência. Nas meninas, a maior incidência ocorre dos 12 aos 14 anos, e nos meninos entre os 12 e 15 anos. A mulher saudável apresenta 2,5 vezes mais chances de desenvolver estrias que o homem nas mesmas condições.

O que é flacidez?

A flacidez é um processo lento e progressivo que faz com que as fibras de sustentação da pele, o colágeno e a elastina, enfraqueçam com o passar do tempo, principalmente por causa do envelhecimento natural do organismo. Além deste fator, a genética influencia consideravelmente no aparecimento da flacidez. Ela pode ser dividida em 2 tipos: a muscular, que é profunda, e a dérmica que é superficial. Podem ocorrer isoladamente ou associadas.

Alimentação

A alimentação deve ser elaborada com alimentos ricos em proteínas e vitamina C, pois a vitamina C pode auxiliar na síntese do colágeno. É importante diminuir o consumo de gordura, pois proporcionam a quebra de colágeno e a atividade física impede a evolução da flacidez muscular. Abaixo são listados nutrientes importantes para prevenção de flacidez e estrias.

Proteína: é necessário um adequado aporte proteico, pois é a base para a construção dos músculos e do colágeno;

Vitamina C: envolvido na hidroxilação da prolina e lisina para a biossíntese do colágeno;

Silício: importante na renovação do tecido conjuntivo, reestruturando as fibras de sustentação da pele (colágeno e elastina). Sua reposição é essencial para regeneração dos tecidos danificados A principal fonte é a aveia seguida da cevada, salsa, nabo e avelã. A recomendação diária de Silício é de 15 a 20 miligramas por dia;

Colágeno: os principais aminoácidos precursores de colágeno são glicina, prolina, alanina, entre outros;

Alguns aminoácidos promovem a produção endógena como a arginina, encontrada nas nozes e castanhas em grande quantidade. Alguns estudos têm mostrado que a síntese de colágeno é otimizada na administração combinada de arginina e glicina que promovem uma adequada síntese de colágeno.

A suplementação do colágeno hidrolisado, também é uma forma de repor e garantir a produção desta substância no organismo. Não existem alimentos fontes de colágeno e sim fontes dos aminoácidos e vitaminas que promovem uma otimização da síntese de colágeno. Portanto, seria ideal uma dieta rica em proteína magra para estimular a produção de colágeno: atum, salmão, ovo, peito de peru ou frango, queijo cottage, iogurte desnatado.

Uma adequada hidratação oral previne a flacidez no sentido de prevenir o ressecamento da pele. Outro ponto importante de ressaltar é que o excesso de raios ultravioleta A e B estimula os radicais livres e prejudica a renovação do colágeno, portanto, também é papel da nutricionista, como de todo profissional da saúde, alertar sobre os danos causados pela exposição excessiva ao sol.

O que devo fazer?

Para prevenir e tratar a flacidez da pele e importante fornecer a energia necessária para preservação da massa magra e ter um consumo adequado de proteínas e vitamina C. Esta e encontrada em todas as frutas e verduras cruas, salientando como ótimas fontes a goiaba e a acerola. Pode se adicionar na alimentação a gelatina sem sabor (fonte de lisina e prolina para o pool de aminoácidos) preparada com suco natural, que fornecera parte dos nutrientes necessários à síntese de colágeno sem a presença de corantes e edulcorantes artificiais, que são substancias que desgastam nutrientes do organismo.

A base de um adequado cardápio estético deve ser de baixo índice glicêmico, para poder tratar ou prevenir o aparecimento de estrias e/ou flacidez:

Frutas vermelhas: ricas em antioxidantes. Exemplo: mirtilo, morango, framboesa;

Cereais e leguminosas: principalmente os que contêm grande quantidade de fibras e proteínas. Exemplo: feijão, lentilha, arroz integral;

● Crucíferas: preferir o cozimento no vapor e não na água. Exemplos: brócolis, repolho, couve e couve-flor;

Ervas e condimentos: deve dar preferência ao alecrim, salsa, orégano ricos em antioxidantes e diuréticos;

Quinua: um dos alimentos mais completos que existem. Possui níveis altíssimos de proteínas e carboidratos complexos, além de ferro e vitamina B;

Soja: grande fonte de proteínas e rica em isoflavonas, substância com ação semelhante ao estrogênio no corpo, reduzindo o risco de problemas ligados à menopausa.

Dicas importantes para sua vida

Estrias: uso alimentos hidratantes; minerais e proteínas.

Flacidez: melhor aproveitamento do uso de proteínas de alto e baixo valor biológico; uso de alimentos com vitamina C para estimular o colágeno.

– Procurar não tomar refrigerante e sucos diet, pois desidratam o organismo;

– Beber dois litros de água sem gás durante o dia ou sucos naturais;

– Evitar o uso de adoçantes artificiais. Se diabético (a), usar estévia ou sucralose;

– Chás recomendados: verde e alecrim;

– Ervas (tempero-verde, coentro, manjericão, etc.);

– Especiarias (curry, cominho, cravo, gengibre, etc.);

– Refogar carnes e verduras com requeijão light;

– Usar vinagre, suco de limão, uma colher de chá de azeite de oliva e uma colher de sopa de gergelim para temperar saladas;

– Ovos quentes ou cozidos até 3x/semana.

Sempre tenho que ter...

Um programa elaborado com alimentos ricos em proteínas e vitamina C, ajudando na síntese do colágeno, o que vai refletir numa pele mais firme e saudável.

Mesmo com estudos comprovados a respeito do valor dos alimentos no tratamento da estética corporal, não devemos usá-los isoladamente. O programa alimentar, com alimentos estético-funcionais deve ser uma terapia coadjuvante, juntamente com o tratamento estético corporal específico.

Alimentação correta, juntamente com exercícios físicos, é a base para qualquer tipo de tratamento ou prevenção para a flacidez  e/ ou estrias.

Texto elaborado pela nutricionista: Dra. Juliana da Silveira Gonçalves.
Mestre e doutoranda em Ciências da Saúde – Instituto de Cardiologia, RS.
Especialista em Nutrição Clínica pela Associação Brasileira de Nutrição (ASBAN).
Especialista em Nutrição Clínica – CBES, RJ.
Fitoterapia – Universidade de Léon, Espanha.
Docente convidada em cursos pós-graduação e aperfeiçoamento/ extensão em diferentes instituições de ensino no Brasil.
Autora do Manual de Atendimento em Nutrição Estética 2ª ed.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

  1. Witt JSGZ, Schneider AP. Nutrição Estética: valorização do corpo e da beleza através do cuidado nutricional. Ciên & Saúde Coletiva 2011; 16 (9): 3909-3916. 
  1. Pujol AN. Nutrição aplicada à estética. Rio de Janeiro: Editora Rúbio, 2011.
  2. Gonçalves JS, Viana AC, Lana D. Desordens estéticas e carências de nutrientes: uma revisão. Nutrição em Pauta 2012; 20 (116): 29-33.
  3. Ribeiro CJ. Cosmetologia aplicada a Dermoestética. São Paulo: Pharmabooks, 2006.
  4. Guirro ECO, Guirro RRJ. Fisioterapia Dermato-Funcional: fundamentos, recursos, patologias. 3ªed.  Barueri: Manole, 2002
  5. Bello GB, Witt JSGZ. Manual de atendimento em nutrição estética. 2ª ed. Editora: IPGS, 2011.
  6. Schneider AP. Nutrição estética. São Paulo: Atheneu, 2009.



Postar um comentário