terça-feira, 15 de novembro de 2016

O Milagre dos Exercícios Físicos Para Os Diabéticos



A recomendação da prática regular de atividades físicas é praticamente obrigatória para a prevenção de muitas doenças. No caso da diabetes tipo 2, não é diferente. De acordo com a diretora do Departamento de Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo (SOCESP), um dos maiores desafios do combate ao diabetes tipo 2 é a melhora do controle glicêmico, como a diminuição da glicose sanguínea, hemoglobina glicada e melhora da sensibilidade à insulina. “De maneira interessante ou “milagrosa”, o exercício pode ajudar e muito. Já se sabe, há algum tempo, que pode promover a melhoria do controle glicêmico no diabetes”.

A última diretriz do American Heart Association sobre diabetes e exercício resume: o treinamento físico aeróbio (caminhada, corrida, natação, bicicleta etc.e o resistido (musculação, pilates etc.) colaboram para a melhora do controle glicêmico, independentemente da perda de peso.

Porém, a especialista ressalta ser importante saber qual é o melhor exercício, cuidados e contraindicações, para a realização de atividade física pelos pacientes diabéticos.

Camila explica que, primeiramente, ambos os tipos de exercício (aeróbio e musculação) são recomendados para melhora do controle glicêmico. “No que diz respeito ao diabetes, parece que os exercícios que trazem mais benefícios são aqueles nos quais podemos ter um grande gasto calórico, mas se deve ter bastante cuidado com pacientes que  têm comorbidades associadas (hipertensão, obesidade) ou lesão em órgãos alvo (retinopatia, nefropaia). Esses pacientes devem realizar exercícios de intensidade leve à moderada. Com relação à duração do exercício, os pacientes com neuropatia periférica, por exemplo, têm diminuição de sensibilidade nas extremidades, o que pode deixar passar despercebidas lesões periféricas (possíveis machucados nos pés)”.

Abaixo a educadora física prescreve alguns cuidados que diabéticos precisam ter:

- A troca de tênis e verificação diária dos mesmos é muito importante principalmente os pacientes com neuropatia periférica, para verificar se não há sangue nas meias e tênis.

- Pacientes que fazem o uso de insulina devem ficar atentos ao local de aplicação. E não deve realizar exercício no músculo próximo à aplicação, pois a metabolização da insulina é mais rápida e pode causar hipoglicemia. Estes devem também, mensurar a glicemia antes de iniciar exercício e não realizar a atividade com glicemia acima de 250 ou abaixo de 80. A hipoglicemia é menos comum em diabéticos que não fazem uso de insulina.

- Paciente que possuem neuropatia autonômica apresentam, em sua maioria, hipotensão postural e deve-se evitar mudanças posturais bruscas, além disso, uma recuperação lenta do exercício é importante para que não cause sintomas relacionados à hipotensão.

Texto elaborado por: Camila Paixão Jordão.

Graduação em Educação Física pela Universidade São Judas Tadeu.

Mestrado em Biodinâmica do Movimento Humano pela Escola de Educação Física e esporte da Universidade de São Paulo.

Professora de Educação Física na Unidade de Reabilitação cardiovascular do INSTITUTO DO CORACAO - HCFMUSP desde 2008.

Diretora Científica do Departamento Educação Física da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. 

Membro do conselho editorial do suplemento da revista da Sociedade de Cardiologia do Estado de São Paulo. 

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Postar um comentário