domingo, 8 de novembro de 2015

Os Benefícios da Fitoterapia na TPM



A Síndrome Pré-Menstrual (SPM) trata-se do conjunto de queixas somáticas e/ou psicológicas recorrentes que ocorrem especificamente durante a fase lútea do ciclo menstrual (tipicamente nas 2 últimas semanas do ciclo menstrual) e que desaparecem logo após o surgimento da menstruação ou após o final desta, sendo as alterações suficientemente intensas para interferir com o normal funcionamento da mulher, com a sua qualidade de vida e as suas relações interpessoais.

É considerada síndrome, pois engloba sintomas muito abrangentes, tanto psíquicos como físicos. Os principais são: depressão, confusão, irritabilidade, fadiga, dor nas mamas, distensão abdominal, dor de cabeça, edema, ganho de peso e acne discreta.

O sistema endócrino, o reprodutor e o serotoninérgico tendem a realizar a regulação do comportamento. As alterações nos níveis de estrógeno e de progesterona, durante o ciclo menstrual, agem sobre a função serotoninérgica e em mulheres mais sensíveis, podem ocorrer manifestações emocionais da síndrome pré-menstrual.

A SPM possui sintomas com grande duração, número e intensidade, podendo ser divididos em sintomas físicos ou somáticos e emocionais. Os sintomas somáticos descritos referem-se à mastalgia, distensão abdominal, cefaleia e inchaço de extremidades ou sensação de “inchaço geral”, oligúria, ganho de peso, dor pélvica e aumento das mamas. Os sintomas emocionais relatados são depressão, fúria, irritabilidade, ansiedade, confusão, isolamento social, dificuldade de concentração, indecisão, transtornos de sono e agressividade.

O período menstrual influencia o tamanho das refeições e do apetite, o consumo de macronutrientes consumidos, modificações na escolha de produtos alimentícios e a compulsão por certos tipos de alimentos, especialmente os doces.

As mulheres buscam maneiras mais naturais para reduzir os sintomas da SPM. Desde que SPM foi considerada uma condição crônica, tem se observado efeitos colaterais de alguns medicamentos utilizados para aliviar os sintomas. A Fitoterapia tem sido reconhecida como um tratamento aceitável porque normalmente provoca menos efeitos colaterais. Um estudo mostrou que o tratamento mais comum realizado pelas mulheres Asiáticas são os hormônios (32%) enquanto no grupo Europeu houve prevalência do uso de  fitoterápicos  e vitaminas  para  amenizar a SPM (48%).

Foi demonstrado que o Crocus Sativus (Açafrão) em dose de 30 mg / dia (15 mg duas vezes por dia – manhã e à noite) foi significativamente eficaz em  três  ciclos  de quatro  no  total  de  sintomas  pré-menstruais  segundo escala Hamilton Depression Rating Scale.

O óleo de prímula (Oenothera biennis), é obtido das sementes de Oenothera biennis (Onagraceae), contém ácido gama linoleico e ácido linolênico, constituintes das membranas dos tecidos e precursores das prostaglandinas.  É indicado no tratamento coadjuvante da SPM por ser rico em ácido linoleico, precursor do ácido gama linolênico (DGLA).

Este auxilia na redução de prostaglandinas inflamatórias e aumento de prostaglandinas anti-inflamatórias, as quais aliviam a cólica menstrual, mastalgias e retenção hídrica. DGLA também pode estimular pequenas quantidades de estrogênio, uma das causas da TPM devido à queda do hormônio na fase lútea. Indicada 2 doses ao dia pela manhã a partir do 14º dia do ciclo menstrual de Óleo de Prímula (Oenothera biennis) padronizado a 7% de DGLA – 1g, tendo sua dose máxima diária de 6g.

A utilização de cálcio, também, demonstrou ter benefícios significativos em estudos amplos e adequados metodologicamente. A suplementação de 1.200mg/dia de Ca parece de fato ser efetiva no tratamento da SPM. Distúrbios no metabolismo do cálcio resultam em efeitos colaterais, como formação de litíase, insuficiência renal e síndrome da hipercalemia. Pacientes com hiperparatireoidismo, doença renal crônica ou litíase renal não devem exceder a suplementação de cálcio. Podem ocorrer relatos de obstipação e flatulência com o uso de suplementos de cálcio.

A vitamina B6 atua como cofator na formação da serotonina e por esse motivo, poderia exercer efeitos benéficos sobre os sintomas da SPM, principalmente alterações de humor. Quando os  níveis  dessa  vitamina  estão  baixos, pode ocorrer aumento  dos níveis  de  prolactina, que podem acarretar edema e os sintomas psicológicos associados à SPM. Recomendado de 25 a 100mg/ dia. Não há nenhuma toxicidade associada com vitamina B6. Entretanto, quando ingerida em altas doses, tem sido associada a efeitos que incluem formigamento de mãos e pés, redução da coordenação muscular e dificuldade de caminhar.

A vitamina E pode melhorar o humor e aliviar sintomas físicos, incluindo ansiedade e mastalgia por meio da síntese de prostaglandinas e equilíbrio hipotalâmico de neurotransmissores. Em estudo randomizado, duplo-cego, com doses de 400 UI por dia, promoveram melhora significativa em certos sintomas afetivos e físicos em algumas mulheres com SPM.






As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referência Bibliográfica:

Pujol, AP. Os Benefícios da Fitoterapia na TPM. Instituto Ana Paula Pujol. Disponível em: www.institutoanapaulapujol.com.br

Postar um comentário