sábado, 26 de dezembro de 2015

Ressaca



O que é ressaca?  

O álcool é uma substância tóxica e o órgão mais afetado é o fígado, que tem o papel de metabolizar e descartar as toxinas. Todo o aparelho digestivo sofre alterações com a ação do álcool, se tomado de forma exagerada. O organismo necessita de um bom tempo para se recuperar da intoxicação e isto se reflete no bem-estar geral. Os sintomas da ressaca são dor de cabeça, enjoo, mal-estar, um gosto amargo na boca, barriga estufada, azia ou refluxo, aumento da pressão arterial (cerveja é fonte de sódio), desidratação, redução nos reflexos, na atenção e atividade motora.

Fígado, rins e músculos

Além de sobrecarregar o fígado, o álcool também afeta os rins. Ele age aumentando a excreção de urina, e eleva a temperatura corporal promovendo uma transpiração mais intensa, o que leva à desidratação. Uma noite de bebedeira costuma se traduzir em fraqueza e indisposição no dia seguinte porque os músculos também pagam o preço do exagero. Quanto mais você bebe mais perde água, que leva junto o potássio, e assim os músculos entram em fadiga. Resultado? Você se sente cansado e sem energia.

Escolha certo para não errar

Bebidas com alto teor de álcool são mais perigosas porque é fácil errar na dose e passar do ponto. O problema maior não é o tipo de bebida e sim a quantidade ingerida. As mulheres, por sua constituição física, devem beber uma quantidade menor do que os homens. Para ficar do lado seguro, e se sentindo ótima no dia seguinte, a mulher não deve ultrapassar duas doses e o homem pode ir até três ou quatro doses – isto é válido para qualquer bebida alcoólica. Um erro fatal é misturar fermentados (cerveja e vinho) e destilados (vodka, cachaça, uísque), pois isto amplia os efeitos adversos da ressaca. Quanto mais substâncias diferentes o fígado precisa metabolizar e neutralizar, mais demorada é a recuperação do organismo.

Tomar água ajuda

Quando ingerida em grande quantidade a bebida alcoólica causa desidratação, pois o álcool "retira" a água das células, agindo como um diurético, ou seja, estimula a formação de urina com a consequente perda de água pelo organismo. Uma dica para evitar a ressaca no dia seguinte é alternar o drinque com o consumo de água mineral, ou água de coco, ou mesmo um suco de frutas. Assim o teor alcoólico fica diluído, o corpo não se desidrata, e certamente o número de doses da bebida será menor. Se a ressaca está instalada, mais um motivo para beber muita água e ajudar o corpo a se livrar das toxinas.

Forre o estômago

Nunca beba de estômago vazio, pois neste caso o álcool tem livre trânsito, ninguém para atrapalhar no caminho (no caso o alimento), e aí segue em velocidade máxima para a corrente sanguínea. Assim você fica embriagado bem mais rápido, além de ter uma ressaca maior no dia seguinte. Alimente-se antes de beber ou faça pequenos lanches durante a balada para diminuir a velocidade de absorção e de entrada de álcool na corrente sanguínea.

Azeite, o melhor amigo do fígado!

Tomar uma colher de sopa de azeite extravirgem (ou de óleo de coco) antes de beber não é lenda. Ricos em ácidos graxos, estes óleos protegem o fígado contra os efeitos danosos da bebida alcoólica, pois ajudam a revestir a mucosa do estomago reduzindo a absorção de álcool. Para ficar mais palatável você pode colocar o azeite ou óleo de coco sobre uma fatia de pão ou uma torrada.

Pera é novidade!

Um estudo recente (2015) feito na Austrália revelou que as peras asiáticas agem sobre as principais enzimas envolvidas no metabolismo do álcool (álcool desidrogenase e aldeído desidrogenase), ajudando o corpo a metabolizar e eliminar o álcool, ou até mesmo inibir a sua absorção. Então tomar um suco de pera ou comer a fruta antes de beber pode ajudar na prevenção da ressaca. A pera asiática tem formato arredondado e casca mais escura.



Pílulas protetoras

O álcool afeta a absorção e o metabolismo de nutrientes como as vitaminas A, B e C, e de minerais como cálcio, magnésio, sódio, potássio e zinco. Tomar comprimidos de vitamina C, complexo B e um lipotrópico (protetor hepático como silimarina, colina, inositol, metionina, acetilcisteína) é uma boa ideia. Um complexo multimineral também pode ajudar.

Água de coco

No dia seguinte você precisa desintoxicar o organismo e restaurar as energias. Tome um coco gelado ao acordar, a sensação de bem estar é imediata! A água de coco é rica em frutose, magnésio e potássio. Os sais minerais associados à frutose aceleram a eliminação das toxinas.

Hortelã e gengibre 

O chá de hortelã ajuda o sistema digestivo a eliminar as toxinas e a se recuperar dos excessos. Seus efeitos são creditados ao óleo essencial presente nas folhas, o mentol, que alivia diversos sintomas da ressaca como náuseas, vômitos, mal-estar e dor de cabeça. Ele pode ser tomado durante todo o dia (quente, morno ou frio), sem acrescentar açúcar ou adoçante, já que isso reduz o seu efeito purificante. O gengibre é outro aliado, ele atua contra o enjoo e melhora o funcionamento do sistema digestivo. Faça um chá ou acrescente no suco.

Frutas ricas em vitamina C

A vitamina C é um superantioxidante e ajuda o fígado a metabolizar e neutralizar as substâncias tóxicas do álcool. Limão, laranja, acerola, maracujá, caju, goiaba, morango, kiwi, todos são carregados de vitamina C – use à vontade, passe o dia comendo estas frutas ou tomando seus sucos. Especial destaque para o limão – seu sumo ajuda a alcalinizar toda a acidez produzida pela ingestão excessiva de álcool. Tome água com limão quantas vezes quiser – seu fígado agradece.

Suco verde

Outra fonte de antioxidantes é o suco verde. Como foi dito acima, o álcool afeta a absorção e o metabolismo de nutrientes (vitaminas e minerais). Um suco de verduras acrescido de frutas ajuda a repor o que foi perdido e a acelerar a eliminação de álcool do organismo. Sugestões: acrescente uma folha de couve no suco de laranja, um bom punhado de hortelã no suco de abacaxi com água de coco, ou um talo e folhas de aipo no suco de melancia.

Dieta leve

Opte por carboidratos complexos (arroz integral, quinoa, amaranto, aveia), frutas, verduras, chás e muita água. É importante evitar alimentos pesados e de difícil digestão como frituras, carnes gordas, embutidos e pratos muito elaborados e condimentados. O processo de desintoxicação pode levar de um a dois dias, às vezes até três, dependendo do excesso cometido.

Texto elaborado por: Dra. Tamara Mazaracki. 

Título de Especialista em Nutrologia –  Associação Brasileira de Nutrologia;

Membro Titular da ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia 

Pós-graduação em Medicina Ortomolecular, Nutrição Celular e Longevidade – FACIS-IBEHE – Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo e Centro de Ensino Superior de Homeopatia;

Pós-graduação em Medicina Estética – Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino – IBRAPE.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.
Postar um comentário