sexta-feira, 22 de abril de 2016

Plantas Alimentícias Não Convencionais



Já ouviu falar das PANC’s? Não?

PANC é a abreviação de Plantas Alimentícias Não Convencionais, que são plantas que não comemos ou por falta de costume e na maioria das vezes por não saber que são comestíveis.

Seu crescimento é espontâneo (muitas vezes considerado “mato” e sem utilização), observado na beira de estrada, em terrenos desabitados, nos quintais.

Muitas vezes possuem alto valor nutritivo e são ignoradas por nós. Elas podem ser frutos, folhas, flores, sementes, rizomas e etc, consumidas cruas ou após algum tipo de preparo.

Também entra parte não convencional de plantas comuns, como o coração da bananeira, folhas da batata doce.

Já não é tão raro ver, o uso de flores comestíveis para ornamentar e agregar valor nutritivo aos pratos, um exemplo é a flor de capuchinha (Tropaeolum majus L. – imagem abaixo) que é rica em vitamina C!




Outra PANC que ficou bem conhecida foi a Ora-pro-nobis (ereskia aculeata) que possui alto teor de proteína (2g de proteína em 100g de folha) além de conter fósforo, ferro, vitamin A, B1, B2, Niacina e vitamina C.
                                      
Também entra na classificação de PANC o Hibiscus (Hibiscus sabdariffa) e o fisalis (Physallis pubescens) que são conhecidos e muito utilizados em chá (Hibiscus) e em geléias/doces/iogurtes (Fisalis)

Mas existem mais de 2000 espécies de PANC catalogadas no Brasil (muitas das quais são apenas conhecidas pelas populações tradicionais como comunidades indígenas, quilombolas, comunidades de agricultores tradicionais), e uma estimativa que são perdidos de 1 a 2 toneladas por hectare de PANC que poderiam servir de alimento. 

Vamos conhecer algumas outras PANC’s?

Araruta (Maranta arundinaceaea) que é utilizado sua raiz, utilizado na fabricação de pães, bolos e biscoitos possui um amido de ótima digestibilidade, podendo ser utilizada por pessoas com restrição ao glúten.
Possui em 100g: 97,4kcal/1,5g de proteína/0,5g de lipídios/22,0g de carboidratos/1,44g de fibra/19,0mg de Cálcio/54,0mg de Fósforo/3,4mg de Ferro/130,0mg de B1/20,0mg de B2/7,0mg de vitamina C

Jacatupé (Pachirrhyzus tuberosus) conhecido também por feijão-macuco ou feijão-batata, suas raízes são consumidas em saladas cruas, raladas ou em pedaços. Também pode-se fazer farinha e utilizar para pães e biscoitos.
Possui em 100g: 45kcal/1,2g de proteína/0,10 de lipídios/10,6g de carboidratos/6,0g de fibra/18mg de Cálcio/16mg de Fósforo/30mg de B1/30mg de B2/21mg de vitamina C

Azedinha (Rumex acetosa) suas folhas são consumidas in natura em saladas ou cozidas em sopas. Possui um teor de oxalato de cálcio alto, devendo ser evitado por pessoas com problemas renais.
Possui em 100g: 28kcal/2,10g de proteína/0,30 de lipídios/5,60g de carboidratos/0,80g de fibras/66mg de Cálcio/41,0mg de Fósforo/1,6mg de Ferro/1,29mg de Vitamina A/119,0mg de Vitamina C

Taioba (Xanthosoma saggitifolium) pode ser usado o rizoma e as folhas que devem ser utilizadas sempre refogadas, pois possuem ácido oxálico que causa irritação na mucosa da garganta.
Possui em 100g: 31kcal/2,4g de proteína/0,6 de lipídios/5,7g de carboidratos/1,5g de fibra/98mg de Cálcio/49mg de Fósforo/2,0mg de Ferro/300mg de vitamina A/11,0mg de vitamina C

Serralha (Sonchus oleraceus L.) normalmente utilizada em saladas ou refogada.
Possui em 100g: 19kcal/2,1g de proteína/0,30 de lipídios/3,5g de carboidratos/0,4g de fibras/112mg de Cálcio/36,0mg de Fósforo/3,10mg de ferro/480,0mg de vitamina A/5,0mg de vitamina C;

Além de nutritivos os PANC tem potencial de ser um complemento de renda familiar com a venda de parte das plantas e de produtos processados das mesmas, como geleias, pães, bolos, biscoitos.

Receita com PANC:

Suco Verde Turbinado:

Ingredientes: 1 xícara (chá) de melão bem maduro picado. Pode ser o melão que estiver na época, porque precisa estar bem maduro e doce. Suco fresco de 1 limão, 2 xícaras (chá) de azedinha, 1 pepino pequeno.

Preparo: Bata tudo no liquidificador e coe se desejar.

Texto elaborado por: Clara Paes Costa Fonseca – CRN4 08102031

Nutricionista graduada pela Universidade Veiga de Almeiga (UVA) – 2008

Pós Graduada em Nutrição Clínica Funcional pela VP Consultoria – 2012 

Curso de atualização na área de: Nutrição Funcional Infantil, Suplementação, Sinais e Sintomas, Nutrição Funcional na Atividade Física, Nutrição Funcional Aplicada a Estética, Nutrição na Saúde da Mulher. 

Atende em consultório desde 2010 no Rio de Janeiro/RJ      

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:


Livro: Plantas Alimentícias Não Convencionais no Brasil - Um guia de identificação, aspectos nutricionais e receitas ilustradas; Autores: Valdely Ferreira Kinupp e Harri Lorenzi

Manual de Hortaliças Não-Convencionais (Ministério da Agricultura, Pecuária e Desenvolvimento) - http://www.agricultura.gov.br/arq_editor/file/vegetal/Qualidade/Qualidade%20dos%20Alimentos/manual%20hortaliças_WEB_F.pdf
 
KINUPP, V. “Plantas Alimentícias não-convencionais da região metropolitana de Porto Alegre, RS”. Tese de Doutorado, Programa Pós-graduação em Fitotecnia, Faculdade de Agronomia, Universidade Federal de Rio Grande do Sul, Porto Alegre, RS, Brasil, 2007, 562p. 

KINUPP, V. & BARROS, I. “ Levantamento de dados e divulgação do potencial das plantas alimenticias alternativas do Brasil”. Horticultura Brasileira 22(2). 2004, 4p. 

KINUPP, V. & BARROS, I. “Teores de proteína e minerais de espécies nativas, potenciais hortaliças e frutas”. Ciênc. Tecnol. Aliment., Campinas, 28(4): 846-857, 2008.





Postar um comentário