quinta-feira, 16 de junho de 2016

Carragena



Carragena é um aditivo alimentar, sem valor nutricional, que muitos nunca ouviram falar. A carragena é extraída de algas vermelhas (Chondrus crispus) e parece inocente, afinal é de origem natural. Ela é frequentemente usada para engrossar leites vegetais, além de alimentos com baixo teor de gordura ou gordura zero. Sua função é estabilizar bebidas que podem se separar como leite com chocolate, torna os sorvetes mais cremosos, faz parte de shakes prontos para beber, e pode ser adicionada a carnes processadas para dar liga.

Agente espessante

A carragena tem sido usada há décadas como um agente espessante em uma ampla variedade de alimentos, porém um conjunto crescente de evidências nos faz questionar sobre a sua segurança. Os estudos mostram que a carragena pode causar doenças do aparelho digestivo, inflamação, resistência insulínica, diabetes e até mesmo câncer.

Alimentos com carragena

A carragena (também denominada de E407 ou extrato de alga marinha) pode estar presente em leite vegetal (de soja, amêndoa, arroz, coco), iogurte, leite fermentado, bebidas lácteas, creme de leite, leite achocolatado, suplementos nutricionais (bebidas proteicas, shakes, Ensure, Glucerna, Slim-Fast), sorvete, queijo cremoso e cottage, sobremesas a base de soja, sopa enlatada, pizza e pratos congelados, carnes processadas, molho de salada, barrinha de cereais, chocolate, comida infantil e muitos outros produtos.

Tipos de carragena

A carragena é especialmente comum em leites vegetais, que são cada vez mais consumidos por quem quer evitar a lactose.  Existem dois tipos de carragena, a degradada (com baixo peso molecular) e a não degradada (com alto peso molecular). A versão não degradada é aprovada para uso em produtos alimentares, enquanto a degradada é um conhecido agente cancerígeno. O problema é que a carragena alimentar (não degradada) também traz uma série de problemas ao organismo, como mostram diversos estudos científicos. Ela pode ser degradada durante o processamento do alimento ou já vir contaminada pelas pequenas moléculas da carragena degradada.

Câncer e colite

A carragena alimentar é um cofator na produção de lesões cancerosas. Ela inflama o organismo, principalmente a mucosa intestinal, onde produz ulcerações que se assemelham à colite ulcerativa. O papel potencial da carragena no desenvolvimento de lesões malignas no aparelho digestivo e na doença intestinal inflamatória faz com que o seu uso como um aditivo alimentar se torne muito arriscado.

Inflamação
            
          A exposição à carragena provoca inflamação quando consumimos alimentos que contêm mesmo pequenas doses do espessante. É sabido que a inflamação crônica é a causa inicial de muitas moléstias graves, incluindo doenças cardíacas, Alzheimer, Parkinson e câncer. Quando ratos de laboratório são expostos a baixas concentrações de carragena por apenas 18 dias, eles desenvolvem intolerância à glicose e resistência à insulina, que podem levar ao diabetes. Por isso sempre leia o rótulo e evite a carragena. Ela pode estar danificando a sua saúde! 

Texto elaborado por: Dra. Tamara Mazaracki. 

Título de Especialista em Nutrologia –  Associação Brasileira de Nutrologia;

Membro Titular da ABRAN – Associação Brasileira de Nutrologia;

Pós-graduação em Medicina Ortomolecular, Nutrição Celular e Longevidade – FACIS-IBEHE – Faculdade de Ciências da Saúde de São Paulo e Centro de Ensino Superior de Homeopatia;

Pós-graduação em Medicina Estética – Instituto Brasileiro de Pesquisa e Ensino – IBRAPE.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

*The Journal of Biological Chemistry 2015. Carrageenan Inhibits Insulin Signaling.

*Diabetologia 2012. Exposure to the common food additive carrageenan leads to glucose intolerance, insulin resistance and inhibition of insulin signalling.

*Environmental Health Perspectives 2001. Review of Harmful Gastrointestinal Effects of Carrageenan in Animal Experiments.


Postar um comentário