quinta-feira, 5 de maio de 2016

Creatina



A creatina é um aminoácido e está presente tanto nos alimentos de origem animal quanto no organismo humano, devido à síntese endógena. A maior reserva de creatina do organismo está nos músculos esqueléticos (95%), tanto na forma livre como na forma de creatina-fosfato o qual tem por função regenerar o ATP (trifosfato de adenosina) no citoplasma celular.

A creatina auxilia na ressíntese de ATP, ou seja, quando praticamos exercícios de força de alta intensidade e curta duração utilizamos creatina como substrato energético, esta se esgota em 10 segundos de exercícios, fazendo com que o indivíduo fique fatigado e não consiga levantar mais peso.

Quando há estoque de creatina adequado o indivíduo consegue manter o exercício por um período maior de tempo e com maior carga, e isso levaria a hipertrofia. Porém a creatina possui alguns efeitos colaterais como a retenção hídrica, que pode muitas vezes levar a uma falsa ideia de “massa muscular”.
 
Não existem estudos que comprovem que indivíduos com problemas renais não possam consumir creatina, porém acredita-se que a suplementação não fosse realizada a fim de não sobrecarregar a função renal. Em pessoas sem problemas renais a suplementação em doses baixas não causa alteração da função hepática ou renal e deve ser utilizada de acordo com recomendação médica ou nutricional. Recomenda-se que após 90 dias de uso continuo se faça uma pausa de 1 mês para que o organismo não pare sua produção endógena.

Como a creatina é estocada no músculo para ser utilizada por ele não há indicação se o melhor momento seria antes ou após o treino.

Como todo e qualquer suplemento nutricional é necessário que a empresa fabricante da creatina tenha alguma certificação da ANVISA. 

A utilização de creatina deve estar associada a uma dieta equilibrada, principalmente em proteínas a fim de não se obter um excesso no organismo. E uma hidratação correta.

A alimentação deve ser balanceada em todos os nutrientes sem exclusões. Para objetivos de hipertrofia é necessário que o indivíduo tenha um consumo proteico adequado, uma vez que necessita de todos os aminoácidos essenciais para recuperação da massa muscular.

Texto elaborado por: Paula Crook

Nutricionista pela Universidade de São Paulo – USP.

Pós-graduada em Nutrição Clínica Funcional 

Sócia da Patrícia Bertolucci Consultoria.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Postar um comentário