domingo, 2 de outubro de 2016

Doces



      Existem muitos tipos de alimentos açucarados: os açúcares propriamente ditos, o mel, os alimentos elaborados com açúcares (xaropes, caldas, caramelos, balas e bombons) e os alimentos mistos que podem ser compostos por açúcares com amido (pães, doces, biscoitos, bolachas e bolos), açúcares com frutas (geleias, sucos concentrados e adocicados, doces em pasta, doces em calda, frutas cristalizadas, frutas glaceadas e picolés) e açúcares com leite (sorvetes em pasta, cremes, musses e pudins).

            Pesquisa do Ministério da Saúde aponta que um em cada cinco brasileiros consome doces em excesso, cinco vezes ou mais na semana. O índice é ainda maior entre os jovens: 28,5% da população de 18 a 24 anos possui alimentação com excesso de açúcar. Esses hábitos preocupam diante do avanço de doenças crônicas no país, em especial o diabetes. A doença atinge atualmente 7,4% da população adulta do país, acima dos 5,5% registrados em 2006. 


          Alguns alimentos auxiliam a controlar a vontade de comer doces, chocolates e carboidratos. Cabe ressaltar que é importante que sejam consumidos nos intervalos das principais refeições, como sobremesa, no período da tarde ou quando quiser provar algum docinho.

Frutas frescas “in natura”: o consumo adequado de frutas diferentes (3-5 vezes/dia) equilibra o organismo, além de minimizar a vontade de comer doces;

Frutas secas (damasco, figo, banana, ameixa e etc.): opte por frutas sem adição de açúcar e cuidado com excessos;

Frutas oleaginosas: o consumo moderado de amêndoas, macadâmia, castanha do Brasil, castanha de caju, nozes, avelãs controla a compulsão por doces. Restrinja a quantidade a aproximadamente um pires de café, considerando o alto valor calórico;
 
Frutas desidratadas: maçã, pera, banana, kiwi, abacaxi;

Barras de cereais: são fáceis de guardar e carregar. Lembre-se de escolher versões que contenham mais fibras e menos carboidratos e açúcares. Observe sempre o rótulo;

Barras de sementes: seguindo a linha das opções práticas, as combinações crocantes entre gergelim e quinoa ou linhaça contêm baixos valores calóricos, além de fibras e aminoácidos na composição;

Iogurtes light: há grande variedade, com diversos sabores para todas as preferências. Leia bem os rótulos;

Leite desnatado (ou de soja light): com gotas de baunilha e salpicados de canela em pó;

Chocolate amargo (70-85% de cacau): porção ao redor de 25-30g/dia. Tem menos açúcar e gordura, além da ação antioxidante pela presença do cacau;

Picolés de frutas: com menos gorduras pela ausência do leite, os sabores com sucos concentrados de frutas, como limão, abacaxi e uva são boas substituições;

Frozen: sorvete à base de iogurte com menor teor de gordura. Cuidado para não exagerar com complementos calóricos. É uma boa opção de sobremesas nos restaurantes. Se possível acrescente frutas vermelhas (ex: mirtilo, framboesa, amora, morangos).

Sugestão de Lanche

Ingredientes:

● banana;
● canela;
● cacau em pó;
● aveia flocos finos;
● adoçante em pó (opcional)

Modo de Preparo: amassar a banana, acrescentar os ingredientes e bom apetite!

Dicas: A canela e o cacau em pó reduzem a vontade de consumir doces.

Atenção: Evite manter “estoques” de doces em casa, na bolsa ou no trabalho. O fato de sair para comprá-los já ajuda a controlar o impulso para o seu consumo.

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizadas única e exclusivamente, para seu conhecimento.

Referências Bibliográficas:

Cerca de 30% dos jovens consomem doces em excesso. Ministério da Saúde. Disponível em: www.blog.saude.gov.br Acessado em: 01/10/2016.

Controlar a vontade de comer doces. Hospital Israelita Albert Einstein. Disponível em: www.einstein.br Acessado em: 01/10/2016.

Philippi, ST; Silva GV; Pimentel, CVMB. Grupo dos Açúcares e Doces. In: Philippi, ST. Pirâmide dos alimentos: fundamentos básicos da nutrição. 1. ed. Barueri, SP: Manole, 2008.
Postar um comentário