terça-feira, 1 de março de 2016

Colágeno



O colágeno forma o principal tipo de fibra extracelular, sendo a proteína mais abundante no organismo animal representando cerca de 25% a 30% de toda proteína corporal. É uma proteína fibrosa caracterizada por grande diversidade biológica e ampla força de tensão. Esta diversidade na sua estrutura e função pode ser observada nas diferentes formas de ocorrência do colágeno.  

O termo “colágeno” deriva das palavras gregas Kolla (cola) e Genno (produção) e é atualmente utilizado para denominar uma família de proteínas encontradas no tecido conjuntivo ao longo do corpo, como nos ossos, tendões, cartilagens, veias, pele, dentes e músculos. Dentre os diversos tipos de colágenos já identificados, pode se observar a presença dos tipos I, III, IV, V, VI, XII e XIV na musculatura esquelética dos animais, sendo que os Tipos I e III se encontram em maiores proporções. 


O colágeno tem desempenho em diversas funções no corpo humano, como, manter as células dos tecidos unidas e fortalecê-las, responsável também pela cicatrização e/ou regeneração em caso de corte ou cirurgia, auxilia na hidratação do corpo e ligada ao processo do envelhecimento humano. Possui uma alta elasticidade e é considerada a proteína funcional mais importante. Além disso, algumas doenças estão relacionadas a essa proteína.

A partir do colágeno nativo podem ser obtidos a fibra de colágeno, o colágeno parcialmente hidrolisado (gelatina) e o colágeno hidrolisado. Algo importante a ser mencionado é que o ácido ascórbico exerce papel fundamental no crescimento e reparação do tecido conjuntivo. A vitamina C está diretamente ligada na síntese de colágeno e glicosaminoglicanas, fundamentais para manter o tônus e a firmeza da derme.

O envelhecimento cutâneo tem sido extensamente estudado com o objetivo de reduzirem-se seus efeitos, visto que a população em geral obteve um prolongamento em seu tempo de vida. Em busca de atenuar os sinais do envelhecimento, diversos tratamentos têm sido propostos. Várias pesquisas têm mostrado a importância do colágeno e seus derivados na manutenção e reconstituição da pele, dos ossos, dos tecidos cartilaginosos e da matriz extracelular.

O consumo regular da gelatina ajuda na formação do tecido humano, pois colabora na cicatrização e regeneração dos tecidos. No caso das unhas e cabelos, o colágeno forma uma matriz onde os minerais se fixam para deixá-los fortes, resistentes e brilhantes. É uma aliada para pessoas com dietas de baixas calorias, devido ao alto conteúdo de proteína e por não conter gordura e carboidratos, além dela possuir uma grande quantidade de água, o que ajuda a dar sensação de saciedade após a sua ingestão. Por esses motivos a gelatina está sempre presente em dietas hospitalares. Lembrando que a versão sem açúcar e corantes é a melhor opção, preferir o pó natural e utilizar da técnica dietética para auxiliar na elaboração de receitas deliciosas.

A gelatina, além de seu emprego como alimento, também é muito usada na medicina popular para melhorar a circulação sanguínea, e melhorar problemas articulares. Muitos outros usos terapêuticos vêm sendo aplicados e estudados. Pesquisas mostram efeitos positivos da ingestão de gelatina hidrolisada no crescimento de cabelos e unhas. Outros estudos têm identificado no sangue e no tecido cartilaginoso a presença de peptídeos de colágeno, após ingestão de gelatina hidrolisada, esclarecendo o processo de absorção desta proteína.

A mais ampla aplicação e divulgação do hidrolisado de colágeno como ingrediente funcional tem sido na prevenção e/ou no tratamento da osteoartrite e da osteoporose.

O conhecimento sobre como estimular a síntese e como repor o colágeno que se torna insuficiente com a idade apresenta um grande potencial já que a população mundial está envelhecendo, esse processo é inevitável, mas seus efeitos podem ser retardados e atenuados. Retarda os sinais do tempo, além de aumentar a autoestima, se traduz em saúde.

Texto elaborado por: Renata Boscaini David CRN2: 8369

Pós Graduada em Nutrição Clínica e Estética Ipgs;

Pós Graduada em Fitoterapia iPGS;

Membro Diretivo da Sociedade Brasileira de Nutrição Estética;

Atendimento Nutricional Consultório - Particular e Unimed;

Consultora Científico - Nutricional iPGS;

Consultora Escola Infantil;
                                                              
Consultora em Marketing Nutricional;

Coordenadora de Grupos em Educação Alimentar;

Diretoria de Educação do Movimento Slow Food

As informações contidas neste blog, não devem ser substituídas por atendimento presencial aos profissionais da área de saúde, como médicos, nutricionistas, psicólogos, educadores físicos e etc. e sim, utilizada única e exclusivamente, para seu conhecimento.


Referências Bibliográficas:  
                                                     
Gonçalves GR et al. BENEFÍCIOS DA INGESTÃO DE COLÁGENO PARA O ORGANISMO HUMANO. Revista PUCRS, REB Volume 8 (2): 190-207, 2015.

DUARTE, F. O. S. Propriedades funcionais do colágeno e sua função no tecido muscular. Programa de Pós - Graduação em Ciência Animal da Escola de Veterinária e Zootecnia da Universidade Federal de Goiás. Goiânia, 2011.

OLIVO, R.; SHIMOKOMAKI, M. Carnes: no caminho da pesquisa. Cocal do Sul: Imprint; 2001.

PRESTES, R. C. Colágeno e seus derivados: características e aplicações em produtos cárneos. Universidade Federal de Santa Maria, Departamento de Tecnologia e Ciência dos Alimentos, RS. UNOPAR. Cient Ciênc Biol Saúde; vol. 15, no. 1, 2013.

ZIEGLER, F. La F.; SGARBIERI, V. C. Caracterização químico nutricional de um isolado proteico de soro de leite, um hidrolisado de colágeno bovino e misturas dos dois produtos. Rev. Nutr. vol.22 no.1, 2009.

PEDROSO, M.G.V. Estudo comparativo de colágeno hidrolisado e comercial com adição de PVA. Dissertação. Universidade de São Paulo. 2009.

RODRIGUES, V. Análise dos efeitos do colágeno bovino e derivados na proliferação celular e biossíntese de colágeno em fibroblastos humanos. São Paulo, 2009.

Postar um comentário